O julgamento do patacho Nova Granada: embates diplomáticos entre Brasil e Inglaterra no auge do tráfico atlântico de escravizados nos anos de 1840

Aline Emanuelle De Biase Albuquerque

Resumo


Este trabalho analisa a questão do tráfico atlântico de escravos no Império brasileiro nos anos de 1840, a partir da apreensão e julgamento do Nova Granada. Utilizando fontes como o processo judicial da embarcação e as correspondências entre as autoridades inglesas, serão destacados a organização dos traficantes envolvidos na negociação e os embates entre Brasil e Inglaterra no período de auge do contrabando. O caso do Nova Granada, último navio negreiro julgado pela Comissão Mista anglo-brasileira no Rio de Janeiro, será possível investigar as tensões entre Brasil e Inglaterra em relação a “cláusula de equipamento” e o conluio do Império brasileiro com os interesses negreiros.


Palavras-chave


Tráfico ilegal, Traficantes, Nova Granada

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Aline Emanuelle De Biase. De "Angelo dos Retalhos" a Visconde de Loures: a trajetória de um traficante de escravos (1818-1858). Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Pós-Graduação em História, Recife, 2016.

ALBUQUERQUE, Aline Emanuelle De Biase. O caso do patacho Nova Granada: comerciantes e trabalhadores do mar no tráfico atlântico de escravos para o Brasil (1839-1860). Recife: Departamento de História da Universidade Federal de Pernambuco (Monografia de Conclusão de Curso), 2013.

BETHELL, Leslie. A abolição do comércio brasileiro de escravos. Brasília: Senado Federal, 2002.

CAPELA, José. Conde Ferreira e Cia: Traficantes de escravos. Lisboa: Editora Afrontamento, 2012.

CAPELA, José. Dicionário de negreiros em Moçambique (1750-1897). Porto: Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, 2007.

CAPELA, José. O tráfico de escravos nos portos de Moçambique, Porto: Edições Afrontamento, 2002.

CÂMARA, Bruno Augusto Dornelas. O “retalho” do comércio: a política partidária, a comunidade portuguesa e a nacionalização do comércio a retalho, Pernambuco 1830-1870. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013.

CARVALHO, Marcus. A rápida viagem dos “Berçários Infernais” e os desembarques nos engenhos do litoral de Pernambuco depois de 1831. In XAVIER, Regina; OSÓRIO, Helen (Org.). Do Tráfico ao pós-abolição: trabalho compulsório e livre e a luta por direitos sociais no Brasil. São Leopoldo: Oikos, 2018 – E-Book.

CARVALHO, Marcus. Trabalho, cotidiano, administração e negociação numa feitoria do tráfico do Rio Benim em 1837. Salvador: Afro-Ásia, n. 53, 2016.

CARVALHO, Marcus; CADENA, Paulo Henrique Fontes. A política como “arte de matar a vergonha”: o desembarque de Sirinhaém em 1855 e os últimos anos do tráfico para o Brasil. Rio de Janeiro: Topoi, v. 20, n. 42, p. 651-677, set./dez. 2019.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CONRAD, Robert E. Tumbeiros: o tráfico de escravos para o Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

DOMINGUES DA SILVA, Daniel. The Atlantic Slave Trade from West Central Africa, 1780-1867. New York: Cambridge University Press, 2017.

FLORENTINO, Manolo. Em Costas Negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (Séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

HILL, Pascoe Grenfell. Cinquenta dias a bordo de um navio negreiro. 2ª edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

MAMIGONIAN, Beatriz G. Africanos Livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MARQUES, João Pedro. Tráfico e Supressão no Século XIX: o caso do brigue Veloz. Porto: Africana Studia, nº 5, 2002.

MARQUESE, Rafael; TOMICH, Dale. O Vale do Paraíba escravista e a formação do mercado mundial do café no século XIX. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo. O Brasil Imperial. Volume II (1831-1870). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

LEITE, Alfredo Carlos Teixeira. O tráfico negreiro e a diplomacia britânica. Caxias do Sul: EDUCS, 1998.

PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

PEREIRA, Walter Luiz Carneiro de Mattos; PESSOA, Thiago Campos. Silêncios Atlânticos: sujeitos e lugares praieiros no tráfico ilegal de africanos para o sudeste brasileiro (c.1830 – c.1860). Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 32, nº 66, p. 79-100, 2019.

PÉTRÉ-GRENOUILLEAU, Olivier. Les Traites Négrières. Paris: Gallimard, 2004.

PIRES, Ana Flávia Cicchelli. O caso da escuna Destemida: repressão ao tráfico na rota da Costa da Mina – 1830-1831. In: SOARES, Mariza de Carvalho (org.). Rotas Atlânticas da diáspora africana: da Baía do Benim ao Rio de Janeiro. Niterói: EdUFF, 2007.

PIRES, Ana Flávia Cicchelli. Subterfúgios e novos padrões de organização no tráfico ilegal de escravos: o caso do brigue Asseiceira. In: Anais do II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. Porto Alegre: UFRGS, 2005.

PIRES, Ana Flávia Cicchelli. Tráfico ilegal de escravos: os caminhos que levam a Cabinda. Dissertação de Mestrado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2006.

REDIKER, Marcus. O Navio Negreiro, uma história humana. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

REIS, João José; GOMES, Flávio dos Santos; CARVALHO, Marcus Joaquim Maciel. O Alufá Rufino: Tráfico, Escravidão e Liberdade no Atlântico Negro (1822-1853). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

RODRIGUES, Jaime. Arquitetura naval: imagens, textos e possibilidades de descrições dos navios negreiros. In: FLORENTINO, Manolo (org.). Tráfico, cativeiro e liberdade (Rio de Janeiro, séculos XVII-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

“Neste tráfico não há lugar reservado”: traficantes portugueses no comércio de africanos para o Brasil entre 1818 e 1828. São Paulo: Revista História, v. 36, 2017.

YOUSSEF, Alain El. Imprensa e escravidão: política e tráfico negreiro no Império do Brasil (Rio de Janeiro, 1822-1850). Dissertação de mestrado. São Paulo: Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Universidade de São Paulo, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2021.39.1.12

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291