Revisitando a Setembrada: disputas e tensões políticas no Maranhão durante a Regência (1831-1833)

Raissa Gabrielle Vieira Cirino

Resumo


Em 1831, na capital da província do Maranhão, a Setembrada reuniu tropa e povo para demandar uma lista de exigências perante o governo provincial. Os poucos trabalhos que abordam esse movimento regencial se concentram nas ações dos líderes, no caráter liberal e na dimensão local. A partir de outros olhares, propomos investigar a mobilização política e social que antecedeu o movimento, articulando antigas aspirações das facções da elite local aos acontecimentos da Corte. Buscamos evidenciar não apenas o fragilizado quadro conjuntural de formatação da entidade estatal, mas também pistas do aprendizado político do período que desvelam expectativas e interesses dos atores provinciais diante do Império do Brasil.

Palavras-chave


Setembrada; Disputas políticas; Província do Maranhão; Regência

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANCHES, Dunshee de. A Setembrada: a revolução liberal de 1831 em Maranhão. Rio de Janeiro: Typografia Jornal do Comércio, 1933.

ABRANTES, Elizabeth Sousa. José Cândido de Morais e silva - o "farol": atuação política nos debates e lutas do pós-independência no Maranhão (1827-1831). In: Anais do IV Simpósio Nacional Estado e Poder: intelectuais. São Luís: UEMA, 2007.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARAUJO, Roni César Andrade de. Entre a Província e a Corte: Brasileiros e Portugueses no Maranhão do Primeiro Reinado (1823-1829). 2018. Tese (Doutorado em História). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2018.

ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig. Cabanos contra Bem-te-vis: a construção da ordem pós-colonial no Maranhão 1820-1841. In: PRIORE, Mary Del; GOMES, Flavio (Org). Os senhores dos rios: Amazônia, margens e histórias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. p. 195-225.

ASSUNÇÃO, Matthias Röhrig. De caboclos a bem-te-vis: formação do campesinato numa sociedade escravista: Maranhão, 1800-1850. São Paulo: Annablume, 2015.

Astréa (1826-1832)

Aurora Fluminense (1827-1835)

BASILE, Marcello Otávio Neri de Campos. O Império em construção: projetos de Brasile e ação política na Corte regencial. Tese (Doutorado em História Social). programa de Pós-graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2004.

BASILE, Marcello Otávio Neri de Campos. O laboratório da nação: a era regencial (1831-1840). In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (orgs.). O Brasil Imperial: 1831-1870. Vol. II. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 53-119.

BASÍLIO, Romário Sampaio; GALVES, Marcelo Cheche, PINTO, Lucas Gomes Carvalho. Vendem-se impressos a preços cômodos na cidade do Maranhão. São Luís: Editora UEMA, 2019.

BOTELHO, Yane Silva. “O jus de governar já não se herda”: Manuel Odorico Mendes e seu projeto de nação brasileira (1825-1833). Dissertação (Mestrado em História Social). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Maranhão. São Luís, 2017.

BRASIL, Lei de 20 de Outubro de 1823. Colleção de Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1887, vol. 1, pt. 1.

CIRINO, Raissa Gabrielle Vieira. Doutores e legisladores: um perfil coletivo sobre os magistrados no Maranhão oitocentista (1820-1860). In: II Anais do II Encontro Internacional da SEO, 2016. v. 2, p. 1-12. Disponível em:< https://www.seo.org.br/images/Raissa.pdf>. Acesso em 03/06/2020.

CIRINO, Raissa Gabrielle Vieira. “Os Colunas do Maranhão”: teias de intrigas em uma “remota província” do Brasil Império (1822-1831). Diálogos, vol. 2, nº 22, 2017, p. 76-97. Disponível em:< http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Dialogos/article/view/39567>. Acesso em 26/05/2020.

CIRINO, Raissa Gabrielle Vieira. Pela boa ordem da província e pela glória do Império – famílias, estratégias e suas tramas na administração imperial do Maranhão (c. 1750-c. 1840). Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2019.

CIRINO, Raissa Gabrielle Vieira. “Vigiar a ordem pública em conformidade das leis”; trabalhos do Conselho de Presidência do Maranhão nos primeiros anos do Brasil Império (1825-1829). Outros tempos, vol. 16, n. 27, p. 116-140. Disponível em:. Acesso em 18/05/2020.

COSTA, Yuri. Por um conceito de elite judiciária no Maranhão do século XIX. In: CURY, Cláudia Engler; GALVES, Marcelo Cheche; FARIA, Regina Helena Martins de (orgs.). O império do Brasil: educação, impressos e confrontos sociopolíticos. São Luís: Café e Lápis; Editora UEMA, 2015. p. 263-288.

DANTAS, Mônica Duarte. Homens livres, pobres e libertos e o aprendizado da política no Império. In: DANTAS, Monica Duarte (org.). Revoltas, motins, revoluções: homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda, 2011, p. 513-563.

FARIA, Regina Helena Martins de. Em nome da ordem: a constituição dos aparatos policiais no universo luso-brasileiro (séculos XVIII e XIX). Tese (Doutorado em História). Programa de pós-graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2007.

FERNANDES, Gabriela da Silva. 7 de Abril: usos políticos e representações na Regência (1831-1840). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2013.

FERNANDES, Renata Silva. As províncias do Império e o “governo por conselhos”: o Conselho de Governo e o Conselho Geral de Minas Gerais (1825-1834). Tese (Doutorado em História). Programa de pós-graduação em História, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2018.

FERNANDES, Renata Silva. “Confiados na justiça da sua causa, sabedoria, e incansável zelo a prol da Província”: o Conselho Geral de Minas Gerais como espaço de participação dos cidadãos (1828-1834). Almanack, n. 18, 2018, p. 289-329. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2236-46332018000100289&script=sci_abstract&tlng =pt>. Acesso em 26/05/2020.

GALVES, Marcelo Cheche. “Ao público sincero e imparcial”: Imprensa e Independência do Maranhão (1821-1826). Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2010.

GALVES, Marcelo Cheche. Os “Republicanos” do Maranhão: Independência, Confederação do Equador e a construção do estado imperial. In: GALVES, Marcelo Cheche; COSTA, Yuri (orgs). O Maranhão Oitocentista. Imperatriz: Ética / São Luís: Editora UEMA, 2009. p. 13-39.

JÁNCSÓ, István; PIMENTA, João Paulo G. Peças de um mosaico (ou apontamentos para o estudo da emergência da identidade nacional brasileira). In: MOTA, Carlos Guilherme (org.). Viagem incompleta. A experiência brasileira (1500-2000). Formação: histórias. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000, p. 127-176.

LEAL, Antônio Henriques. Pantheon maranhense: ensaios biográficos dos maranhenses já falecidos. Lisboa: Imprensa Nacional, 1873, Tomo I.

MACHADO, André Roberto de Arruda. A quebra da mola real das sociedades: a crise política do Antigo Regime português na província do Grão-Pará (1821-25). Tese (Doutorado em História Social). Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

MARANHÃO. Atas do Conselho Presidial. Setor de Códices. Códice 1337. Arquivo Público do Estado do Maranhão (APEM).

MARANHÃO. Correspondência do Juiz de fora da Capital (1829), Secretaria do Governo Setor de Avulsos. Cx. 384, maço 265. Arquivo Público do Estado do Maranhão (APEM).

MARANHÃO. Conselho Presidial. Livro de Ordens (1826-1834). Setor de Códices. Códice 1338. Arquivo Público do Estado do Maranhão (APEM).

MARQUES, César Augusto. Manoel Odorico Mendes, pelo Dr. Cesar Augusto Marques. Suplemento ao tomo LI da Revista Trimensal do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil. Rio de Janeiro: 1888. p. 313-320.

MATEUS, Yuri Givago Alhadef Sampaio. A Setembrada: lutas políticas e participação popular no Maranhão oitocentista (1831-1832). Monografia (Graduação em História). Universidade Estadual do Maranhão. São Luís, 2015.

MEIRELES, Mário M. História do Maranhão. São Paulo: Siciliano, 2001.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na Cidade Imperial, 1820-1840. São Paulo: Hucitec, 2005.

MOREL, Marco. O período das Regências (1831-1840). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2003.

MOSHER, Jeffrey. Challenging authority: political violence and the Regency in Pernambuco, Brazil, 1831-1835. Luso-Brazilian Review, Special Issue: State, Society, and Political Culture in Nineteenth-Century Brazil, v. 37, n. 2, 2000, p. 33-57.

MOTA, Antônia da Silva. A dinâmica colonial portuguesa e as redes de poder local da capitania do Maranhão. Tese (Doutorado em História). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2007.

(O) Farol Maranhense (1827-1831)

PEREIRA, Luísa Rauter. “Substituir a revolução dos homens pela revolução do tempo”. Uma história do conceito de povo no Brasil: revolução e historicização da linguagem política (1750-1870). Tese (Doutorado em Ciência Política). Instituto de Estudos Sociais e Políticos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2011.

PEREIRA, Vantuil. Ao soberano congresso: direitos do cidadão na formação do Estado Imperial brasileiro (1822 – 1831). São Paulo: Alameda, 2010.

REIS, Arthur César Ferreira. O Grão-Pará e Maranhão. In. HOLANDA, Sérgio Buarque de. O Brasil Monárquico: dispersão e unidade, 2. Tomo II, v.4. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. p. 87-220.

REIS, Renato de Ulhôa Canto. Opinião pública como força política no Brasil: uma análise a partir dos conceitos de público e publicidade (1820-1830). Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2016.

SILVEIRA, Marco Antonio. Acumulando forças: luta pela alforria e demandas políticas na capitania de Minas Gerais (1750-1808). Revista de História, n. 158, 2008, p. 131-156. Disponível em:< http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/19077>. Acesso em 26/05/2020.

SOUSA, Otávio Tarquínio de. História dos fundadores do Império do Brasil. Volume IV: Evaristo Ferreira da Veiga. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2015.

SOUSA, Ramsés Magno da Costa. Memórias da Setembrada no Maranhão Oitocentista. VIII Encontro Humanístico Nacional, 2008. In: Anais do VIII Encontro Humanístico Nacional. São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2008, p. 1-11, CD-ROM.

VELLASCO, Ivan de Andrade. Juízes de paz, mobilização e interiorização da política: algumas hipóteses de investigação das formas de justiça local e participação política no Império (1827-1842). In: CARVALHO, José Murilo de... [et al] (orgs.). Linguagens e fronteiras do poder. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011. p. 286-300.

ZAGA FILHO, José Fortunato (org.). São Luís – Centro Antigo: guia toponímico. São Luís, 2018.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2021.39.1.19

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291