Dívidas e fortuna ou riqueza e destino o caso dos Cavalcanti de Albuquerque de Pernambuco (1801 – 1880)

Paulo Henrique Fontes Cadena

Resumo


Nesse texto, pretendemos mostrar a trajetória política dos Cavalcanti de Albuquerque, atrelada aos processos de enriquecimento e endividamento que foram sofrendo entre 1801 e 1880.


Palavras-chave


Cavalcanti de Albuquerque, Pernambuco, Política

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, José Tomás Nabuco de. Justa apreciação do predomínio do partido praieiro ou história da dominação da praia. Fac-simile. Pernambuco: Typographia União, 1847.

BASILE, Marcello. O laboratório da nação: a era regencial (1831 – 1840). In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (orgs.). O Brasil Imperial: Volume II (1831 – 1870). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BEVILÁQUA, Clovis. História da Faculdade de Direito do Recife. Recife: EdUFPE, 2012.

CADENA, Paulo Henrique Fontes. Ou há de ser Cavalcanti, ou há de ser cavalgado – trajetórias políticas dos Cavalcanti de Albuquerque (Pernambuco, 1801 – 1844). Recife: EdUFPE, 2013.

CÂMARA, Bruno Augusto Dornelas; CARVALHO, Marcus J. M. de. A Rebelião Praieira. In: DANTAS, Monica Duarte (org.). Revoltas, motins, revoluções – Homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda, 2011.

CAPELA, José. O tráfico de escravos nos portos de Moçambique. Porto: Afrontamento, 2002.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem / Teatro de Sombras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, Marcus J. M. de. Cavalcantis e cavalgados: a formação das alianças políticas em Pernambuco, 1817 – 1824. In: Revista Brasileira de História, volume. 18, nº36.

CARVALHO, Marcus J. M. de. Liberdade – Rotinas e rupturas do escravismo – Recife, 1822 – 1850. Recife: UFPE, 2002.

CARVALHO, Marcus J. M. de. O “cálculo dos traficantes”: o tráfico Atlântico de escravos para Pernambuco (1831 – 1850). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, Tomo 158, Nº 396, p. 918, Julho/Setembro de 1997.

CARVALHO, Marcus J.M. de. Os negros armados pelos brancos e suas independências no Nordeste (1817 – 1824). In: JANCSÓ, Istvan. Independência: história e historiografia. São Paulo: HUCITEC, 2005.

CARVALHO, Marcus J. M. de. “Quem furta mais e esconde”: o roubo de escravos em Pernambuco, 1832 – 1855. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, Tomo 150, Nº 363, p. 320, abril/ junho de 1989.

Documentos sobre a Revolução Pernambucana de 1817 .in: Revista trimestral do Instituto Histórico, Geographico e Ethnographico do Brasil. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, Tomo XXIX, parte primeira, p. 210, 1866.

FREYRE, Gilberto. Assombrações do Recife Velho. Algumas notas históricas e outras tantas folclóricas em torno do sobrenatural no passado recifense. São Paulo: Global, 2008.

HESPANHA, Antonio Manuel. Antigo Regime nos trópicos? Um debate sobre o modelo político do império colonial português. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). Na trama das redes: política e negócios no Império Português, séculos XVI – XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

JOÃO PAULO II. Discorso di Giovanni Paolo II ad un gruppo di calzaturieri di Vigevano. 1º de abril de 1989. Disponível em: http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/it/speeches/1989/april/documents/hf_jp-ii_spe_19890401_calzaturieri-vigevano.html .

KIDDER, Daniel P. Reminiscências de viagens e permanências no Brasil – Províncias do Norte. Brasília: Senado Federal, 2008.

LIMA, Manoel de Oliveira. D. João VI no Brasil. 3ª edição. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.

MACEDO, Joaquim Manoel de. Anno Biographico Brazileiro. Segundo volume. Rio de Janeiro: Typographia e Lithographia do Imperial Instituto Artístico, 1876, p.169. Disponível em: http://www.brasiliana.usp.br/bbd/handle/1918/01064420#page/1/mode/1up. Acesso em 18 de maio de 2013.

MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. O velho senado. Brasília: Senado Federal, 2004.

MARTINS, Henrique. Lista Geral dos bacharéis e doutores que tem obtido o respectivo grau na Faculdade de Direito do Recife desde sua fundação em Olinda, no ano de 1828, até o ano de 1931. Recife: Tipografia Diário da Manhã, 1931.

MARTINS, Joaquim Dias. Os mártires pernambucanos victimas da liberdade nas duas revoluções ensaiadas em 1710 e 1817. fac-simile. Recife: Typ. De F. C. de Lemos e Silva, 1853, p. 15.

MELLO, Evaldo Cabral de. A ferida de Narciso – ensaio de história regional. São Paulo: SENAC, 2001.

Ministério da Educação e Cultura. Documentos históricos – Devassa de 1801 em Pernambuco. Volume CX. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1955, pp. 20 e 24.

NABUCO, Joaquim. Um Estadista do Império. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

OLIVEIRA, João Alfredo Corrêa de. Minha Meninice & outros ensaios. Recife: Massangana, 1988.

Organizações e programas ministeriais – Regime Parlamentar no Império. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1979.

QUINTAS, Amaro. O padre Lopes Gama – Um analista político do século passado. In: Amaro Quintas – o historiador da liberdade. Recife: CEPE.

SILVA, J. M. Pereira da. Memórias do meu tempo. Brasília: Senado Federal, 2003.

TOLLENARE, L. F. de. Notas dominicais tomadas durante uma viagem em Portugal e no Brasil em 1816, 1817 e 1818. 2ª edição. Recife: EDUPE, 2011.

VAUTHIER, Louis – Léger. Diário pessoal. In: PONCIONI, Claudia. Pontes e ideias – Louis-Léger Vauthier um engenheiro fourierista no Brasil. Recife: CEPE, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas