FAMÍLIAS BRASILAS: PERNAMBUCO E A MESTIÇAGEM - SÉCULOS XVI - XVIII.

Suely Creusa Cordeiro de Almeida, Gian Carlo de Melo Silva

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo mostrar a importância do estudo da familia, essencial para entendermos como se processou a formação da sociedade brasileira durante os séculos de dominação colonial portuguesa. Inicialmente analisamos o papel da cunha e seu relacionamento com os primeiros colonizadores formadores de famílias que deram origem aos primeiros brasileiros. Em fase subseqüente, a presença da mulher portuguesa e africana, que com uma contribuição não só étnica, mas também cultural, aumenta a complexidade das vivências cotidianas nestes ambientes mesclados. Há uma mestiçagem biológica proporcionada não somente pelas uniões passageiras, mas como veremos, pelos casamentos legítimos, reconhecidos aos olhos da Igreja Católica e da sociedade. Uma mestiçagem cultural emerge com toda a força nos estudos sobre a familia brasileira, quando observamos que, através do casamento, homens e mulheres utilizaram estratégias e táticas para conseguir garantir a sua sobrevivência, adquirir reconhecimento e status perante a sociedade.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

             


                          

 

 

  Endereço: Avenida da Arquitetura, s/n, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) - 10º andar, CEP: 50740-550, Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil. Email: editorclio@gmail.com. Fone: +55 (81)2126-8291