IMPERIALISMO, CULTURA E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES: AS EXPERIÊNCIAS DE ROMANOS, BRITÂNICOS E FRANCESES.

Susana Cesco, Yuri Corrêa Araújo

Resumo


Ao comparar os impérios Francês e Inglês com o Romano, Hannah Arendt em seu livro “As Origens do Totalitarismo” afirmava que a arte de construir impérios à maneira romana havia se perdido. As grandes potências do final do século XIX e início do XX jamais conseguiram recriar uma estrutura que, assim como na antiguidade, fosse capaz de manter unidas identidades e culturas distintas por um longo período em um corpo político centralizado. Partindo deste prisma o objetivo deste artigo é tratar, em linhas gerais, dentro de uma perspectiva comparada, as estratégias utilizadas por ingleses, franceses e romanos, na construção e manutenção de seus impérios, respectivamente no último quartel do século XIX e até meados do século XX e nos séculos I e II d.C.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

                        

                

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         em 20. Set. 2018 Contador de visitas