As Tupi que comem e as que são "comida": Antropofagia e representações femininas em crônicas dos séculos XVI e XVII

Erika Karine Gualberto de Farias, Suely Creusa Cordeiro de Almeida, Ricardo Pinto de Medeiros

Resumo


Com foco nas experiências históricas das mulheres dos povos Tupi na antropofagia, este artigo proveio da exploração das representações, construídas entre finais do século XVI e início do XVII, em textos de cronistas colonos e viajantes, leigos e religiosos que escreveram a respeito das indígenas da faixa litorânea situada entre a Capitania de Ilhéus e a Ilha do Maranhão. Durante a elaboração deste trabalho, foi percebido que tais nativas não foram somente representadas agindo na prática antropofágica, existindo também indicativos de que as índias poderiam ser destinadas a serem imoladas nela. Constatada a existência de registros nas crônicas que sugeririam as indígenas como passíveis de serem vitimadas nesse tipo de repasto, se notou que essa constatação indicaria a necessidade de revisão das interpretações mais aceitas sobre o sentido – ou sentidos – do exercício do “comer o outro”. 


Palavras-chave


Antropofagia; Mulheres Tupi; Crônicas

Texto completo:

PDF

Referências


ABBEVILLE, Claude D’[1614]. História da missão dos padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão. Tradução de Sérgio Milliet. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Universidade de São Paulo, 1975.

BRANDÃO, Ambrósio Fernandes [1618]. Diálogo das grandezas do Brasil. 3ª Edição. Recife: FUNDAJ, Massangana, 1997.

C. das Artes, 1713. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2013.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: áulico, anatômico... vol. 4. Coimbra:

CARDIM, Fernão. [1625?]. Tratado da terra e gente do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Universidade de São Paulo, 1980.

CASTRO, Eduardo Batalha Viveiros de. Araweté: os deuses canibais. 1ª Edição. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1986.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Tradução de Maria Manoela Galhardo. 2ª Edição. Miraflores-Portugal: Difel, 2002.

CUNHA, Manuela Carneiro. Imagens de índios do Brasil no Século XVI. In: CUNHA, Manuela Carneiro. Índios no Brasil: História, direitos e cidadania. 1ª Edição. São Paulo: Claro Enigma, 2012, p. 26-53.

EVREUX, Yves D’ [1613-1614]. Viagem ao Norte do Brasil. Tradução de César Augusto Marques. 3ª Edição. São Paulo: Siciliano, 2002.

FERNANDES, Florestan. A função social da guerra na sociedade Tupinambá. 3ª Edição. São Paulo: Globo, 2006.

FERNANDES, João Azevedo. De cunhã a mameluca: a mulher Tupinambá e o nascimento do Brasil. João Pessoa: Universitária da UFPB, 2003.

GÂNDAVO, Pero de Magalhães [1573?; 1576]. Tratado da Terra & História do Brasil. 3ª Edição. Recife: FUNDAJ, Massangana, 1995.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In:______. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. Tradução Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 143-180.

MARTIN, Gabriela. Pré-História do Nordeste do Brasil. 2ª Edição. Recife: UFPE, 1997.

RAMINELLI, Ronald. Eva Tupinambá. In: PRIORE, Mary Del (org.); BASSANEZI, Carla (coord.). História das mulheres no Brasil. 7ª Edição. São Paulo: Contexto, 2004, p. 11-43.

SALVADOR, Vicente do [1627]. História do Brasil: 1500-1627. 7ª Edição. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Universidade de São Paulo, 1982.

SILVA, Sérgio Francisco S. Monteiro da. Arqueologia das práticas funerárias: resumo de uma estratégia. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, Aracaju -SE, n. 10, p. 99¬142, dez/2007.

SILVA, Sérgio Francisco S. Monteiro da. Arqueologia e Etnografia das práticas funerárias: informações sobre o tratamento do corpo em contextos rituais e de morte. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó, Aracaju -SE, n. 11, p. 111-160, jun/2008.

SOIHET, Raquel. História das mulheres. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. (orgs.). Domínios da História: Ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997, p. 275-296.

SOUZA, Gabriel Soares de [1587]. Tratado Descritivo do Brasil em 1587. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas