O MATA-MARINHEIRO DO COLÉGIO E A RADICALIZAÇÃO DA "POPULAÇA" DO RECIFE NA BRIGA PELO MERCADO DE TRABALHO.

Bruno Augusto Dornelas Câmara

Resumo


Em fins de junho de 1848, uma confusa briga entre um estudante brasileiro e um caixeiro português provocou uma grande onda de violência no Recife. Ocorreram saques a lojas, muita pancadaria e, pelo menos, cinco vítimas fatais. Ao término do conflito, uma multidão marchou até a Assembléia Provincial exigindo a nacionalização do comércio a retalho e a expulsão dos portugueses solteiros, num prazo de 15 dias. O mata-marinheiro do Colégio, como ficou conhecido esse motim, é a nossa porta de entrada para entendermos as disputas entre nacionais (livres e libertos pobres) e estrangeiros (pequenos comerciantes e caixeiros de parcos recursos) pelo comércio varejista da cidade e pelas oportunidades de emprego nesses estabelecimentos. O presente artigo pretende enfocar o antilusitanismo nas classes populares e a relação entre a política "popular" do Partido Praieiro. 

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                          

             

 ISSN: 0102-9487  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com