É carnaval no Recife de 1985, a alegria é que impera! Oh que beleza, tem festa, tem magia e tem Mãe Badia nesta folia!

Augusto Neves Silva

Resumo


Este trabalho busca centrar o debate na análise das relações históricas entre a mãe de santo Badia e o carnaval do Recife de 1985. A principal pergunta aqui é entender os caminhos que levaram essa personagem a tornar-se símbolo do carnaval recifense. Para tanto, procura-se compreender como, em torno da figura de Badia, é possível vislumbrar discussões relevantes sobre tradição, festas, religiosidade popular, identidade e cultura negra no Recife. Interpretar os caminhos desse acontecimento é possibilitar conhecer um pouco mais a respeito de memórias invisualizadas sobre o carnaval recifense e sobre a própria capital pernambucana.


Palavras-chave


Festejos carnavalescos; Carnaval recifense; Mãe de Santo Badia; Cultura Negra; História do Recife

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Magdalena Maria de. Novas dimensões para a história do Recife. Arrecifes, Recife, 01 dez. 2005.

AMARAL, Rita. Mães-de-Santo, mães de tanto. O papel cultural das sacerdotisas dos cultos afro-brasileiros. Os urbanitas - Revista de Antropologia Urbana. Ano 4. v. 04. Nº. 6. Dez, 2007.

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa. Festas: máscaras do tempo - entrudo, mascarada e frevo no carnaval do Recife. Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1996, pp. 348-349.

ASSMAN, Aleida. Espaços da Recordação: formas e transformação da memória cultural. Tradução Paulo Soethe. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A Ilusão Biográfica, In: Usos & Abusos da História Oral. Janaína Amado e Marieta de Moraes Ferreira (Organizadoras). 8ª. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz, 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BRANDÃO, Maria do Carmo & MOTTA, Roberto. Adão e Badia: carisma e tradição no Xangô de Pernambuco, In: Caminhos da Alma. Vagner Gonçalves (Organizador). São Paulo: Summus, 2002.

CAMPOS, Zuleica Dantas Pereira. O combate ao Catimbó: Práticas repressivas às religiões afro umbandistas nos anos trinta e quarenta. Tese (Doutorado em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2001.

CAPONE, Stefania. Os Yoruba do Novo Mundo: religião, etnicidade e nacionalismo negro nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Pallas, 2011.

CAVALCANTI, Pedro. As Seitas Africanas do Recife, In: PINTO, Roquete et al. Estudos Afro Brasileiros. Rio de Janeiro, Ariel, 1935.

CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano I. Artes de Fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ. Vozes, 1994.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. 2. Ed. Lisboa: Difel, 2002.

COSTA, V. G. Nação Xambá: criando e recriando estratégias de garantia de espaços sociais e religiosos no Recife. Ciências Humanas em Revista (UFMA), v. 4, p. 11-30, 2006.

COUTINHO, Eduardo Granja. Velhas Histórias, memórias futuras: o sentido da tradição em Paulinho da Viola. 2. ed. ver. e ampl. Rio de Janeiro: Eidtora da UFRJ, 2011.

FERNANDES, Gonçalves. Xangôs do Nordeste. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1937.

FERREIRA, M. M. História, Memória e Tempo Presente, In: Novos Domínios da História. Ciro Flamarion Cardoso & Ronaldo Vainfas (Orgs). Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

FIELDS, Karen. "What One Cannot Remember Mistakenly". In: History & Memory in AfricanAmerican Culture. Geneviève Fabre e Robert O' Meally (eds). New York y Oxford: Oxford University Press, Apud: FELDMAN, Heidi Carolyn. Ritmos Negros Del Peru. Reconstruyendo a herencia musical africana. Lima, Instituto de Etnomusicologia/Instituto de Estudos Peruanos, 2009.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência, São Paulo, Rio de Janeiro, 34/Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GUILLEN, Isabel C. M. Rainhas Coroadas: história e ritual nos maracatus nação do Recife, In: GUILLEN, Isabel. C. M. & LIMA, I. M. F. Cultura Afro descendente no Recife: Maracatus, valentes e catimbós. Recife: Bagaço, 2007, p. 185.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. Cidades da Mineração: memórias e práticas culturais - Mato Grosso na Primeira metade do século XX. Cuiabá-MT: Carlini & Caniato; EdUFMT, 2006.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo, Centauro, 2006.

HERSKOVITS, Melville J. The Myth of Negro Past. Boston: Beacon Press. Boston: Beacon Press, 1990.

HOBSBAWM, Eric & RANGER, Terence (Orgs.). A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Maracatu-nação e grupos percussivos: diferenças, conceitos e histórias. In: GUILLEN, Isabel C. M. (Org.). Inventário cultural dos maracatus nação. Recife PE: EDUFPE - Editora da Universidade Federal de Pernambuco, 2013.

LIMA, Ivaldo Marciano França. Entre Pernambuco e África. História dos Maracatus-nação do Recife e a espetacularização da cultura popular (1960 – 2000). Tese de Doutoramento em História, UFF, Niterói, Rio de Janeiro, 2010.

MATTOS, H. ou CASTRO, H. M. M. Resenha de O Atlântico Negro - Modernidade e Dupla Consciência de Paul Gilroy. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, v. ano 24, n.2, p. 409-414, 2002.

MELLO, José Antônio Gonçalves de. População Negra e Cultos Africanos, In: MELLO, José Antônio Gonçalves de. Diário de Pernambuco: economia e sociedade no 2º reinado. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1996.

MINTZ, Sidney W.; Price, Richard. O Nascimento da Cultura Afro-Americana. Rio de Janeiro, Pallas, Centro de Estudos Afro-Bras. 2003.

NORA, Pierre. Entre a História e a Memória. A problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, n. 10, 1993.

PEREIRA CAMPOS, Zuleica Dantas. Das tias do pátio do terço a noite dos tambores silenciosos: espetacularização dos xangôs do recife pelos maracatus e afoxés. Anais do XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais - Diversidades e (Des) Igualdades. UFBA: Salvador, 2011.

PEREIRA CAMPOS, Zuleica Dantas. De mãe de santo a mulher: invenção e reinvenção de papéis. Revista Mandrágora, v.17. Nº. 17, 2011.

SANDRONI, Carlos. Tradições e suas controvérsias no Maracatu de Baque Virado, In: GUILLEN, Isabel. C. M. (Org.). Inventário Cultural dos Maracatus. Recife: Ed. da UFPE, 2013.

SANSONE, Lívio. Da África ao afro: uso e abuso da África entre os intelectuais e na cultura popular brasileira durante o século XX. Afro-Ásia, 27, 2002.

SANTOS, J. T. O poder da cultura e a cultura no poder. A disputa simbólica da herança cultural negra no Brasil. 1. ed. Salvador: Edufba, 2005.

WADE, Peter. “Compreendendo a ‘África’ e a ‘negritude’ na Colômbia: a música e a política da cultura”. Rio de Janeiro, Estudos Afro-Asiáticos, Ano 25, n.1, 2003.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2016.34.1.al.324-345

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas