O perfil social dos juízes de fora da capitania de Mato Grosso (século XVIII): famílias, matrimônio e carreiras)

Gustavo Balbueno de Almeida

Resumo


As instituições político/administrativa e também a justiça no período do Antigo Regime português vem sendo alvo de estudos há pouco mais de vinte anos no que se refere aos diversos pontos do Império português, reino ou ultramar, entre os séculos XV e XIX. Um deles é o juizado de fora, cargo de justiça proeminentemente português e que foi levado para outros pontos do Império, com o objetivo de cercear a atividade das elites locais exercendo a justiça e presidindo a câmara dos vereadores. Partindo da ideia de que, além das instituições, deve-se estudar também os homens que ocuparam os mesmos cargos, o objetivo desse artigo é apresentar um perfil social dos juízes de fora da capitania do Mato Grosso. Serão  analisadas informações sobre suas vidas pessoais, além do desenrolar da carreira destes após cumprirem o tempo do cargo na capitania do Mato Grosso.

Palavras-chave


Juizado de fora; Perfil social; Capitania de Mato Grosso; Carreira

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUEQUERQUE, Vanessa da Silva. Família Gusmão: do colégio jesuíta às idéias ilustradas do século XVIII.. Disponível em: http://www.rj.anpuh.org/resources/rj/Anais/2004/Simposios%20Tematicos/Vanessa%20da%2 0Silva%20Albuquerque.doc Acesso em: 27/07/2015.

ALMEIDA, Gustavo Balbueno de. Os juízes de fora e os conflitos de jurisdição na capitania de Mato Grosso (1748-1796). Dissertação (Mestrado em História). UFGD, Dourados, 2012.

ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro. As peripécias do magistrado: Juízes de fora e um cotidiano nada tranquilo entre Recife e Olinda. Mneme – Revista de Humanidades – UFRN. Vol. 9, n24, set/out 2008. Disponível em: www.cerescaico.ufrn.br/mneme/anais. Acesso em: 21/02/2011.

ARAÚJO, Renata Malcher. A urbanização do Mato Grosso no século XVIII: discurso e Método. Tese (Doutoramento em História da Arte), FCSH, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2000.

AMARAL, Luís; MATOS, Lourenço Correia de. Leitura de bacharéis – Índice dos processos. Lisboa: Guarda-mor, 2007[?].

BICALHO, Maria Fernanda. A cidade e o império – O Rio de Janeiro no séc. XVIII. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2003.

BICALHO, Maria Fernanda. As câmaras ultramarinas e o governo do Império. In: BICALHO, Maria Fernanda; FRAGOSO, João; Gouvêa, Maria de Fátima (Orgs.). O antigo regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVII). Rio de Janeiro. Civilização brasileira, 2010.

BICALHO, Maria Fernanda. As câmaras municipais no Império português: o exemplo do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de História, vol. 18. nº 36. São Paulo, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-01881998000200011&script=sci_arttext. Acessado dia: 1352015.

BOXER, Charles. O Império Ultramarino Português (1415-1825). São Paulo: Companhia das letras, 3ºreimpressão 2002.

CAMARINHAS, Nuno. Juízes e administração da justiça no Antigo Regime. Portugal e o império colonial, séculos XVII e XVIII. Lousã: Fundação Calouste Gulbekian, 2010.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. 2° ed. São Paulo: Ed. Globo, 1975.

HESPANHA, Antônio Manuel. Às vésperas do Leviathan. Instituições e poder político, Portugal, séc. XVII. Coimbra: Livraria Almedina, 1994.

HESPANHA, Antônio Manuel; XAVIER, Ângelo Barreto. A representação da sociedade e do poder. In: HESPANHA, Antônio Manuel (cord.); MATTOSO, José (org.) História de Portugal: O Antigo Regime. Lisboa, Editorial Estampa, 1993, vol 4.

JESUS, Nauk Maria de. A administração da justiça: Ouvidores e regentes na fronteira oeste da América portuguesa. In GUEDES, Roberto (org.) Dinâmica Imperial no Antigo Regime Português. Escravidão, governos, fronteiras, poderes, legados. Rio de Janeiro: MAUAD X, 2011.

JESUS, Nauk Maria de. Na trama dos conflitos: a administração na fronteira oeste da América portuguesa(1719-1778). 2006. 439 f. Tese (Doutoramento em História). UFF, Rio de Janeiro.

LACERDA, Leila Borges de. Donativo Voluntário; In: JESUS, Naul Maria de. (org.). Dicionário de História de Mato Grosso, período colonial. Cuiabá, ed. Carlini Caniato, 2011.

LEVERGER, Augusto de. Apontamentos cronológicos da província de Mato Grosso. Cuiabá:IHGMT, 2001.

MARCELO, Cristiane Maria. Os embates de um juiz de fora: Balthazar da Silva Lisboa na capitania do Rio de Janeiro (1787-1786). Dissertação (Mestrado em História). UFF, Niterói, 2010.

MELLO, Isabela de Matos Pereira. Magistrados a serviço do rei: a administração da justiça e os ouvidores gerais na comarca do Rio de Janeiro (1710-1790). Tese (Doutoramento em História), UFF, Niterói, 2013.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. As comunidades e os concelhos. In: HESPANHA, Antonio. M; MATTOSO, José. História de Portugal - o Antigo Regime (1620-1807), volume IV. Lisboa: Editorial Estampa, 1993.

PIJNING, Ernst. Contrabando, ilegalidade e medidas políticas no Rio de Janeiro do século XVIII. Revista Brasileira de História. São Paulo: ANPUH/ Humanitas Publicações, vol. 21, nº 42, Disponível em: www.redalyc.uaemex.mex/pdf/263/26304207.pdf. Acesso dia 07/05/2015.

PEGORARO, Jonas Wilson. Ouvidores régios e centralização jurídico-administrativo na América portuguesa: a comarca de Paranaguá (1723-1812).. Dissertação (Mestrado em História). UFPR, Curitiba, 2007.

PRADO JR. Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. 17°ed. São Paulo: Brasiliense, 1981.

PUNTONI, Pedro. “Como coração no meio do corpo”: Salvador, capital do Estado do Brasil. In: BICALHO, Maria Fernanda B (Org.); FURTADO, Júnia Ferreira (Org.); SOUZA, Laura de. Mello e. (Org.). O governo dos povos. São Paulo: Alameda, 2009.

ROSA, Carlos Alberto. A Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá – Vida urbana em Mato Grosso no século XVIII (1727 – 1808). Tese (Doutorado em História). USP, São Paulo, 1996.

ROSA, Carlos Alberto. Confidências mineiras na parte mais central da América do Sul. Revista Território e Fronteiras, vol. 1, ano 1, jul-dez 2000.

SCHWARTZ, S. B. Burocracia e sociedade no Brasil colonial, São Paulo: Companhia das letras, 2011.

SOUSA, Avanete Pereira Poder local, cidade e atividades econômicas. (Bahia, século XVIII). Tese (Doutorado em História), PPGHE, Dep. de História, FFLCH, USP, São Paulo, 2003.

SOUZA, Débora Cazelato de. Administração e poder local: a câmara de Mariana e seus juízes de fora (1730-1777). Dissertação (Mestrado em História). UFOP, Mariana, 2011.

SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 3°ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

SOUZA, Laura de Mello e. O Sol e a Sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

STONE, Lawrence. Prosopografia. In.: Revista de Sociologia e Política. V.19, nº 39. Curitiba: Junho 2011. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-44782011000200009&script=sci_arttext. Acessado dia 06/11/2015.

SUBTIL, José. Dicionário dos desembargadores (1640-1834). Lisboa: EDIUAL, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas