A Administração Local no Brasil Imperial: notas preliminares sobre as municipalidades nos debates parlamentares

Williams Andrade de Souza

Resumo


Neste artigo discutiremos sobre as municipalidades no Brasil imperial. A partir da historiografia e dos debates parlamentares em torno da Administração Local, cujo resultado, entre outros, foi a aprovação da Lei de 1º de outubro de 1828, buscaremos contribuir com o tema sobre as elites políticas ditas locais, entrevendo-as como componentes necessários e atrelados, por meios das leis e de suas práticas cotidianas, ao mosaico de institucionalização do Império Liberal brasileiro.

Palavras-chave


Câmara Municipal; Debates Parlamentares; Administração Local; Brasil Imperial

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Pablo de Oliveira. A "legítima representante": Câmaras Municipais, Oligarquias e a institucionalização do Império Liberal Brasileiro (Mariana, 1822-1836). Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2012.

BARROS, José D’Assunção. O Campo da História: especialidades e abordagens. 5ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BERNARDES, Denis Antônio de Mendonça. O patriotismo Constitucional: Pernambuco, 1820-1822. São Paulo: Hucitec: Fapesp; Recife, PE: UFPE, 2006.

FAORO, Raimundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 12. ed. Rio de Janeiro: Globo: 1997.

FLÁVIO, José Gomes Cabral. Conversas reservadas: “vozes públicas”, conflitos políticos e rebelião em Pernambuco no tempo da Independência do Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2013.

FLORY, Thomas. El juez de paz y el jurado en el Brasil imperial, 1808-1871. Control social y estabilidad politica en el nuevo Estado. México: Fundo de Cultura econômica, 1986.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 2. ed. São Paulo: Ática, 1974.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. O império das províncias: Rio de Janeiro, 1822-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

HESPANHA, António Manuel. O Antigo regime nos trópicos? Um debate sobre o modelo político do império colonial português. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima(Orgs.). Na trama das redes: Política e negócios no Império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

HESPANHA, António Manuel. A constituição do Império português. Revisão de alguns enviesamentos correntes. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Maria de Fátima (Orgs.). O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial Portuguesa (Séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, pp. 163-188.

HESPANHA, António Manuel. Poder e instituições na Europa do Antigo Regime. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

HESPANHA, António Manuel. Caleidoscópio do Antigo Regime. São Paulo: Alameda, 2012;

HESPANHA, António Manuel. Guiando a mão invisível: Direitos, Estado e Lei no liberalismo monárquico português. Coimbra: Livraria Almedina, 2004.

MARTINS, Maria Fernanda Vieira. A velha arte de governar: um estudo sobre elites a partir do Conselho de Estado (1842-1889). Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2007.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo: HUCITEC: Brasília, DF: INL, 1987.

MOTTA, Kátia Sausen da. Votantes ou eleitores? Os impasses na definição da participação política local no início do Oitocentos (1827-1828). In: OLIVEIRA, Camila Aparecida Braga [Et al]. Anais do XVIII Encontro Regional ANPUH-MG: Dimensões do poder na história. Mariana, MG, 2012. Disponível em: http://www.encontro2012.mg.anpuh.org/site/anaiscomplementares. Acessado em: 22/01/2016.

NOGUEIRA, Octaciano. Constituições Brasileiras: 1824. Brasília: Senado federal e Ministério da Ciência e tecnologia, Centro de Estudos Estratégicos, 2001.

OLIVEIRA, Carlos Eduardo França de. Poder local e palavra impressa: a dinâmica política em torno dos Conselhos Provinciais e da imprensa periódica em São Paulo, 1824-1834. Dissertação (mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

OLIVEIRA, Kelly Eleutério Machado. No laboratório da nação: poder camarário e vereança nos anos iniciais da formação do Estado Nacional Brasileiro em fins do primeiro Reinado e nas Regências, Mariana, 1828-1836. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2013.

PEIXOTO, Antônio Carlos, [et al.]. O liberalismo no Brasil imperial: Origens, conceitos e prática. Rio de Janeiro, Revan: UERJ, 2013.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da. Inventando a Nação. Intelectuais Ilustrados e Estadistas Luso-brasileiros na crise do Antigo Regime Português (1750-1822). São Paulo: Hucitec: Fapesp, 2006.

SILVA, Wlamir. Liberalismo e povo: a construção da hegemonia liberal-moderada na província de Minas Gerais (1830-1834. São Paulo: Aderaldo & Rothschild; Belo Horizonte, MG: Fapeming, 2009.

SLEMIAN, Andrea. Sob o império das leis: Constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834). Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo 2006.

SOUZA, Iara Lis Carvalho. Pátria Coroada: o Brasil como Corpo Político Autônomo – 1780-1831. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

SOUZA, Williams Andrade. O bom governo da municipalidade: notas sobre a Câmara Municipal do Recife e sua organização para a administração da cidade (1829-1849). Revista História, ano 05, vol. 01, nº 01, 2014, pp. 201-221.

URUGUAI, Visconde do. Visconde do Uruguai. Organização e introdução de José Murilo de Carvalho. São Paulo: Ed. 34, 2002.

VANTUIL. Ao Soberano Congresso: direitos do cidadão na formação do Estado imperial brasileiro (1822-1831). São Paulo: Alameda, 2010.

VARGAS, Jonas Moreira. Entre a Paróquia e a Corte: os mediadores e as estratégias familiares da elite política do Rio Grande do Sul (1850-1889). Santa Maria: Ed. Da UFSM, 2010;

VARGAS, Jonas Moreira. Pelas margens do Atlântico: um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de charqueadas em Pelotas, Rio Grande do Sul (século XIX). Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de História, Programa de Pós-graduação em História Social, Rio de Janeiro, 2013.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2016.34.1.al.245-265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas