“O cidadão não encontra garantia senão na própria força” – recrutamento, milícias privadas, quadrilhas de ‘cabras’ e a questão da propriedade privada (Cariri Cearense, século XIX)

Ana Sara Cortez Irffi

Resumo


Este artigo se propõe analisar No processo de construção do Estado brasileiro em meados do Oitocentos, o recrutamento para a Guarda Nacional e a formação de milícias privadas no sertão nacional, sobretudo das chamadas províncias do Norte. A análise se volta às milícias surgidas a partir das relações estabelecidas dos senhores com agregados e moradores, mas também, no bojo desse processo, à formação de grupos alheios aos senhores que ficaram conhecidos como ‘quadrilhas de cabras’. 


Palavras-chave


Estado Brasileiro; Recrutamento; Século XIX

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, José Adilson de. Uniformes da Guarda Nacional: 1831-1852 a indumentária na organização e funcionamento de uma associação armada. Departamento de história, faculdade de filosofia, letras e ciências humanas da USP. Dissertação, 1999.

ALVES, Joaquim. O vale do Cariri: características físicas, povoamento, população, vida econômica, desenvolvimento cultural. Fortaleza: Instituto do Ceará, 1946.

ARAÚJO, Johny. Bravos do Piauí! orgulhai-vos. Sois dos mais bravos batalhões do Império: a propaganda nos jornais piauienses e a mobilização para a guerra do Paraguai, 18865 – 1866. Tese de Doutorado, UFF – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, 2009.

BALABAN, Marcelo. “Voluntários Involuntários”: o recrutamento para a guerra do Paraguai nas imagens da imprensa ilustrada brasileira do século XIX. In: Mundos do Trabalho. v. 1, n. 2 (2009), pp. 221 – 256.

BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti. A derradeira gesta – Lampião e Nazarenos guerreando no sertão. 2 ed. Rio de Janeiro: Mauad, 2000.

BARROSO, Gustavo. Terra do Sol. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Benjamin de Aguillar, 1987

CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual. In: Dados, vol. 40, no. 2, Rio de Janeiro, 1997.

CASTRO, Jeanne Berrance de. A Milícia Cidadã: a Guarda Nacional de 1831 a 1850. São Paulo: Companhia Editora Nacional; Brasília: INL, 1977.

CAVALCANTI, Robinson. As Origens do Coronelismo: força armada e poder local no Estado patrimonial brasileiro. Recife: Editora da UFPE, 1984.

COSTA, Ana Paula Pereira. Potentados locais e seu braço armado: as vantagens e dificuldades advindas do armamento de escravos na conquista das Minas. In: Topoi, v. 14, n. 26, jan./jul. 2013, p. 18-32.

COSTA, Emília Viotti da. Da senzala à colônia.4 ed. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

DOLHNIKOFF, Miriam. O Pacto Imperial: origens do federalismo no Brasil do século XIX. São Paulo: Globo, 2005.

HOBSBAWM, Eric J. Bandidos. 4 ed. São Paulo, Paz e Terra, 2010.

PERES, Wilma. A Economia Mercantil Escravista Nacional e o processo de construção do Estado no Brasil (1808-1850). In: SZMRECSÁNYI, Tamás & LAPA, José Roberto do Amaral (orgs.). História Econômica da Independência e do Império. São Paulo: Hucitec/ Associação Brasileira de pesquisadores em História Econômica/ editora da Universidade de São Paulo/ Imprensa Oficial, 2002.

QUEIRÓS, Maria Izaura Pereira. O coronelismo numa interpretação sociológica. In: História geral da civilização brasileira. Tomo III – O Brasil republicano. 2. ed. São Paulo: Difel, 1977.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2016.34.2.do.02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas