A circulação dos ideais liberais na periferia da nação: imprensa, liberdade e cidadania na Província de Goiás

Martha Victor Vieira

Resumo


Este artigo analisa a circulação das ideias liberais na periférica província de Goiás no início do Período Regencial, com a finalidade de discutir a forma como a consciência nacional brasileira foi sendo construída por meio da imprensa no Brasil oitocentista. O primeiro periódico goiano A Matutina Meyapontense, ao publicar as cartas dos leitores de várias localidades, nos possibilita verificar como a moderna ideia de nação foi apropriada e difundida pela elite letrada da província após a abdicação de D. Pedro I. 


Palavras-chave


Nação; Imprensa; Província de Goiás

Texto completo:

PDF

Referências


A Matutina Meiapontense, Meiaponte: Typographia Oliveira, 1831-1834.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexão sobre as origens e difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BENDIX, Reinhard. Transformações das sociedades européias ocidentais desde o século XVIII. In. Construção nacional e cidadania: estudos da nossa ordem social em mudança. São Paulo: Edusp, 1996. p. 91-138.

BARMAN, Roderick J. The triumph of tradiction, 1837-1842. In. Brazil: the forging a nation (1798-1850). Stanford: Stanford University Press, 1988. p. 189-216.

BASILE, Marcello Otávio Neri de Campos. O Império em construção: projetos de Brasil e ação política na Corte Regencial. 2004. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

BORGES, Humberto Crispim. O pacificador do norte. Editora do Cerne, 1984.

BOSI, Alfredo. A escravidão entre dois liberalismos. In. _______. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 194-245.

BUENO, José Antônio Pimenta. Direito Publico Brasileiro e Análise da Constituição do Império (1857). Brasília: Ed. UnB., 1978.

CARVALHO, José Murilo. Brasil: naciones imaginadas. In. ANINO, Antonio, e GUERRA, François-Xavier (Org.). Inventando la nación iberoamerica. Siglo XIX. México: Fondo de Cultura Económica, 2003. p. 501-532.

CHARTIER, Roger. Disciplina e invenção: a festa. In.______. Leitura e leitores na França do Antigo Regime. São Paulo: UNESP, 2004. p. 21-44.

CHIARAMONTE, José Carlos. Metamorfoses do conceito de nação durante os séculos XVII e XVIII. In: JANCSÓ, István (Org.). Brasil: formação do Estado e da Nação. São Paulo: Hucitec; Unijuíi; Fapesp, 2003. p. 61-91.

COUTINHO, Carlos Nelson. Cidadania e modernidade. In. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais. São Paulo: UNESP, p. 41-59, 1999.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem às nascentes do Rio São Francisco e pela província de Goiás. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1975.

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

LOPES, José Reinaldo de Lima. Iluminismo e jusnaturalismo no ideário dos juristas na primeira metade do século XIX. In. JANCSÓ, István (Org.). Brasil: formação do Estado e da nação. São Paulo: Hucitec, 2003. p. 195-218.

KRAAY, Hendrick. “Sejamos brasileiros no dia da nossa nacionalidade”: comemorações da independência no Rio de Janeiro, 1840-1864. In. Topoi: Revista de História do Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ, 7Letras, v. 08, n. 14, p. 9-36, 2007. Disponível em: . Acesso em: 3 maio 2011.

KRAAY, Hendrik. Definindo a Nação e o Estado: rituais cívicos na Bahia pós-independência. Topoi: Revista de História, Rio de Janeiro, n. 3, set. 2001. Disponível em: . Acesso em: 3 maio 2011.

MOREL, Marco. Os primeiros passos da palavra impressa. In: MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tania Regina de (Orgs.). História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008. p. 14-45.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade Imperial (1820-1840). São Paulo: Hucitec, 2005.

NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das. Corcundas e Constitucionais: a cultura política da independência (1820-1822). Rio de Janeiro: Revan; FAPERJ, 2003.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Vão surgindo sentidos. In. ______. Discurso Fundador: a formação do país e a construção da identidade nacional. 3ª ed. Campinas-SP: Pontes, 2003. p. 11-25.

RIBEIRO, Gladys Sabina. A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará; FAPERJ, 2002.

SILVA, Wlamir. A imprensa e a pedagogia liberal. In. MOREL, Marco et al. História e imprensa: representações culturais e práticas de poder (Orgs). Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006. p. 37-59.

SOUZA, Iara lis Carvalho. Pátria coroada: o Brasil como corpo político autônomo - 1780-1831. São Paulo: UNESP, 1999.

TELES, José Mendonça. A Imprensa Matutina. Goiânia: CERNE, 1989.

VIEIRA, Martha Victor. A imprensa e o antilusitanismo em Goiás no início do Período Regencial. In. FERREIRA, Tânia Bessone de Cruz, et all (Orgs). O Oitocentos entre livros, livreiros, impressos, missivas e bibliotecas. São Paulo: Alameda 2013. p. 143-167.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2016.34.2.al.02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas