A política de acesso à terra no Brasil Imperial e a compra de terras devolutas no planalto da província de Santa Catarina

Flávia Paula Darossi, Paulo Pinheiro Machado

Resumo


Este trabalho trata da política fundiária do Império do Brasil. Objetivou apresentar uma breve discussão historiográfica sobre a política de terras e propriedade no Brasil Imperial e o estudo relacionado à aplicação da Lei de Terras de 1850 na província de Santa Catarina, com ênfase na região do termo de Lages e dasfreguesias de Curitibanos e Campos Novos (emancipadas da jurisdição lageana durante as últimas décadas do século XIX). O estudo foi realizado com base em requerimentos de compra de terras devolutas e de legitimação de posses, lavrados entre 1850 e 1889, e na legislação de acesso à terra (Lei de Terras Nº. 601 de 18 de Setembro de 1850 e Decreto Nº. 1318 de 30 de Janeiro de 1854 que regulamentou a execução da Lei). A questão nodal a ser ressaltada é que, por tratar-se de uma fronteira agrícola e de povoamento em expansão, nos anos oitocentos, o planalto catarinense foi ocupado de diferentes maneiras, o que repercutiu em complexas estratégias de regulamentação da propriedade, haja vista que o caráter das unidades produtivas requisitadas por via de compra na documentação estudada não refletia totalmente o perfil dos latifundiários pastoris existentes na região, consagrado na historiografia. 


Palavras-chave


Historiografia; Império do Brasil; Política fundiária; Planalto Catarinense

Texto completo:

PDF

Referências


BOGACIOVAS, Marcelo Meira Amaral. Antigas propriedades rurais de Lages. In: Revista da ASBRAP. São Paulo, nº6, p. 9-92, 1999.

BOPPRÉ, Maria Regina. Eleições diretas e primórdios do coronelismo catarinense (1881-1889). Florianópolis: Secretaria de Estado da Administração, 1989.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. 3° Edição. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BORGES, Nilsen Christiani Oliveira. Terra, gado e trabalho: sociedade e economia escravista em Lages, SC, 1840-1865. Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal de Santa Catarina, 2005.

BRANDT, Marlon. Uma história ambiental dos campos do Planalto de Santa Catarina. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2012.

CABRAL, Oswaldo R. História de Santa Catarina. 3ª Edição. Florianópolis: Lunardelli, 1987.

CARDOSO, Ciro Flamarion Santana. Agricultura, escravidão e capitalismo. Petrópolis: Vozes, 1979.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial; Teatro de sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/ Relume-Dumará, 1996.

CARVALHO, José Murilo de. Nação e cidadania no Império: novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

CHRISTILLINO, Cristiano Luís. “A burocracia e a aplicação da Lei de Terras: o caso da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul”. In: Revista Outros Tempos¬. Vol. 03, Nº. 03, 2006, pp. 133-155.

CHRISTILLINO, Cristiano Luís. Litígios ao sul do Império: a Lei de Terras e a consolidação política da Coroa no Rio Grande do Sul (1850-1880). Tese de Doutorado. Niterói: UFF, 2010.

CONGOST, Rosa. Tierras, Leyes, Historia: estudios sobre la gran obra de la propiedad. Barcelona: Crítica, 2007.

COSTA, Licurgo. Um cambalacho político: a verdade sobre o “acordo” de limites Paraná-Santa Catarina. Florianópolis: Editora Lunardeli, 1987.

COSTA, Licurgo. O continente das Lagens: sua história e influência no sertão da terra firme. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura, 1982.

EHLKE, Cyro. A conquista do Planalto Catarinense:bandeirantes e tropeiros do "Sertão de Curitiba". Rio de Janeiro: Laudes, 1973.

FARINATTI. Luís Augusto Ebling. Confins meridionais: famílias de elite e sociedade agrária na Fronteira Sul do Brasil (1825-1865). Santa Maria: Ed. da UFSM, 2010.

FARINATTI. Luís Augusto Ebling. Apropriação da terra e formação de grandes patrimônios na Fronteira Sul do Brasil, através de inventários post mortem (1800-1860). In: Trabajos y Comunicaciones. 2009, nº. 35, pp. 149-171.

GARCIA, Graciela Bonassa. O domínio da terra: conflitos e estrutura agrária na Campanha Rio-Grandense oitocentista. Porto Alegre, UFRGS, PPGH, Dissertação de Mestrado, 2005.

GARCIA, Graciela Bonassa. Terra, trabalho e propriedade: a estrutura agrária da Campanha Rio-Grandense nas décadas finais do Período Imperial (1870-1890). Niterói, Tese de Doutorado, 2010.

GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Tradução de António Narino. Lisboa:

DIFEL; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991.

GRAHAM, Richard. Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1997.

HOLSTON, James. “Legalizando o ilegal: propriedade e usurpação no Brasil”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Nº 21. São Paulo, 1993.

GRINBERG, Keila & SALLES, Ricardo (org.). O Brasil Imperial:1870-1889. RJ: Civilização Brasileira, vol.03, 2009.

LEMOS, Zélia de Andrade. Curitibanos na história do contestado. Florianópolis: Edição do Governo do Estado de Santa Catarina, 1977.

LEVI, Giovanni. A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Tradução de Cynthia Marques de Oliveira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LEVI, Giovanni. “Sobre a Micro-história”. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Edição da UNESP, 1992.

LINHARES, Maria Yedda; TEIXEIRA DA SILVA, Francisco Carlos. Terra prometida: uma história da questão agrária no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

LIMA, Ruy Cirne. Pequena História territorial do Brasil: sesmarias e terras devolutas. 2ª Edição. Porto Alegre: Livraria Sulina, 1954.

MACHADO, Paulo Pinheiro. A política de colonização do Império. Porto Alegre: Editora Universidade UFRGS, 1999.

MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado: a formação e a atuação das chefias caboclas (1912-1916). Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2004.

MACIEL, Janaína Neves. Terra, direito e poder: legislação estadual de Santa Catarina e a regularização da propriedade da terra em Lages, 1890-1910. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.

MARTINS, José de Souza. O cativeiro da terra. São Paulo: Hucitec, 1986.

MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político.Petrópolis: Vozes, 1986.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. Nas fronteiras do poder: conflito e direito à terra no Brasil do século XIX. 2ª Edição. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. “Fronteiras internas no Brasil do século XIX”. In: Revista Vivência. Nº 33, 2008, pp. 55-65.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. “O embate das interpretações: o conflito de 1858 e a lei de terras”. In: Revista Antropolítica. Niterói, nº4, 1998, pp.49-62.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. GUIMARÃES, Elione Silva (org.). Propriedades e disputas: fontes para a história do oitocentos. Guarapuava: UNICENTRO; Niterói (RJ): EDUFF, 2011.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. SECRETO, Mária Verónica (org.). O direito às avessas: por uma história social da propriedade. Guarapuava: UNICENTRO; Niterói (RJ): EDUFF, 2011.

OSÓRIO, Helen. Apropriação da terra no Rio Grande de São Pedro e a formação do Espaço Platino. Porto Alegre, UFRGS-PPGH, Dissertação de Mestrado, 1990.

OSÓRIO, Helen. Estancieiros do Rio Grande de São Pedro: constituição de uma elite terratenente no século XVIII. Actas do Congresso Internacional Espaço Atlântico de Antigo Regime: poderes e sociedades. Lisboa, 2005.

PIAZZA, Walter Fernando. O poder legislativo catarinense: das suas raízes aos nossos dias (1834-1984). Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984.

PIAZZA, Walter Fernando. Dicionário político catarinense. 2ª Edição. Florianópolis: Edição da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994.

REVEL, Jacques. Jogos de escalas: a experiência da microanálise.Rio de Janeiro: FGV, 1998.

SILVA, Lígia Osório. Terras devolutas e Latifúndio: efeitos da Lei de Terras de 1850. Campinas: Ed. UNICAMP, 1996.

THOMPSON, Edward P. Senhores e caçadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

ZARTH, Paulo Afonso. História Agrária do Planalto Gaúcho (1850-1920). Ijuí: Editora da UNIJUÍ, 1997.

ZARTH, Paulo Afonso. Do arcaico ao moderno:o Rio Grande do Sul agrário do século XIX. Ijuí: Ed. Uniijuí, 2002.

ZARTH, Paulo Afonso. (org.) História do Campesinato na Fronteira Sul. Porto Alegre: Letra & Vida; Chapecó: Universidade Federal da Fronteira Sul, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2016.34.2.do.05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas