A alocação da riqueza na Zona da Mata mineira. São Paulo do Muriahé, 1846-1888

Vitória Fernanda Schettini der Andrade

Resumo


Este trabalho terá a função de analisar a alocação da riqueza produzida em São Paulo do Muriahé, uma freguesia agrária da Zona da Mata mineira, durante meados à finais do século XIX. Para esta pesquisa estaremos consultando os inventários post-mortemexistentes no Fórum Tabelião Pacheco de Medeiros, em Muriaé, por acreditar que podemos abrir um debate para um maior entendimento desse espaço que antes da ocupação pelo homem branco era local reservado, principalmente, a negros fugitivos e a índios, conforme documentação analisada na matriz São Paulo.


Palavras-chave


Riqueza; Aplicação; Economia; Zona da Mata mineira

Texto completo:

PDF

Referências


ALMICO, Rita de Cássia. Fortunas em Movimento: as mudanças ocorridas na riqueza pessoal. Juiz e Fora, 1870-1914. Dissertação de Mestrado. Campinas: Unicamp, 2001.

ANDRADE, Rômulo Garcia. Família escrava e estrutura agrária nas Minas Gerais oitocentista. Revista População e Família. nº 1, p.181-210, jan-jun. São Paulo: Humanitas/CEDHAL, 1998.

ANDRADE, Rômulo Garcia. Limites impostos pela escravidão à comunidade escrava e seus vínculos de parentesco: Zona da Mata de Minas Gerais, século XIX. (A subjetividade do escravo perante a coisificação social própria do escravismo) Tese de doutorado. USP. São Paulo, 1995.

ANDRADE, Vitória F Schettini de. Um olhar sobre o espaço histórico e geográfico de São Paulo do Muriahé: conflitos e redes de sociabilidades. In. SOUSA, Jorge Prata e ANDRADE, Rômulo Garcia (Orgs). Zona da Mata Mineira: fronteira, escravismo e riqueza. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Apicuri, 2014.

ANDRADE, Vitória F Schettini de. Os Sertões de São Paulo do Muriahé: Terra, Riqueza e Família na Zona da Mata Mineira 1846-1888. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Tese de Doutorado: Seropédica, 2011.

ANDRADE, Vitória F Schettini de. Batismo e apadrinhamentos de filhos de mães escravas. São Paulo do Muriahé, 1850-1888. Dissertação de Mestrado: USS. Vassouras, 2006.

BRAGA, Tiago de Castro. Família, Riqueza e Sociabilidade na Zona da Mata mineira: Os Garcia de Mattos na segunda metade do século XIX. Dissertação de Mestrado em História. Niterói: Universo, 2017.

CÂMARA, Jamila Aparecida Silva; ALMEIDA, Sérgio Antônio de Paula. Análise dos inventários post mortem da comarca de São Paulo do Muriahé, 1848-1888. Iniciação Científica. Fafism: Muriaé, 2009.

CARDOSO DE MELLO, Zélia M. Metamorfoses da riqueza. São Paulo, 1845-1895. São Paulo: Hucitec, 1985.

CARRARA. Ângelo Alves. Estruturas agrárias e capitalismo: contribuição para o estudo da ocupação do solo e da transformação do trabalho na zona da mata mineira, século XVIII e XIX. Série Estudos, nº 2, Mariana: NHED/ UFOP, 1999.

FRAGOSO, João L. Para que serve a História Econômica? Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n° 29, 2002, p 3-28.

FRAGOSO, João L. Homens de grossa aventura: acumulação mercantil e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

FREIRE, Jonis. Composição da riqueza em grandes propriedades do sudeste escravista, Minas Gerais século XIX. In. Fronteiras, Dourados, MS, v. 11, n. 19, p. 299-326, jan./jun. 2009.

GIROLETTI, Domingos Antônio. Modernização Capitalista em Minas Gerais - A formação do operariado industrial e de uma nova cosmovisão. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: PPGAS/UFRJ, 1987.

LANNA, Ana. A organização do trabalho livre na Zona da Mata Mineira, 1870-1920. Anais do V Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais/ABEP, 1986.

LIBBY, Douglas Cole. Trabalho escravo e capital estrangeiro no Brasil: o caso de Morro Velho. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984.

OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de. Negócios de família. Mercado, terra e poder na formação da cafeicultura mineira – 1780-1870. Bauru, SP: Edusc: Juiz de Fora, MG: Funalfa, 2005.

PIRES, Ânderson José. Capital Agrário, Investimento e Crise na Cafeicultura de Juiz de Fora – 1870. Dissertação de Mestrado em História. Niterói: UFF, 1993.

SALVADOR, Antônio Anardino. Analise econômica de Muriaé e região, sob uma perspectiva demográfica. (1846-1865). In: 2° Seminário de História Econômica e Social da Zona da Mata Mineira. Muriaé/Fafism, Outubro, 2008. CD Room.

SANTOS, Wanderley Clark. “As cartas de alforria e sua ambiguidade na re-invenção da liberdade (Zona da Mata de Minas Gerais, século XIX). Monografias de Curso de Especialização em História do Brasil, Departamento de História/Universidade Federal de Juiz de Fora, 1997.

SARAIVA, Luiz Fernando. Um corredor de casas, antigas senzalas: a transição do trabalho escravo para o livre em Juiz de Fora, 1870/1900. Dissertação de Mestrado. UFF/Niterói, 2001.

SILVA, Lígia Osório. Terras devolutas e latifúndio. Efeitos da lei de 1850. Ed Unicamp: Campinas, 1996.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.04

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas