Frei Betto e as cartas da prisão: a edificação de um projeto memorialístico

Bruno Dias Santos

Resumo


O monopólio da memória da ditadura civil-militar brasileira é disputado ferozmente por militantes de esquerda e militares desde a deposição do presidente João Goulart em 1964. No entanto, já se avalia que ­­ essa batalha se estende ao interior desses grupos (por não serem monolíticos). Dessa forma, a análise das cartas de frei Betto busca compreender o trabalho de edificação de seu projeto memorialístico sobre o período, de maneira a ressaltar como a memória foi utilizada pelo autor para se posicionar diante dos conflitos que marcaram seu contexto de produção. Pretende-se rastrear as estratégias discursivas desenvolvidas pelo escritor para reivindicar o estatuto de verdade à sua narrativa perante as versões dos adversários políticos e dos companheiros de militância.


Palavras-chave


Memória; Ditadura civil-militar; Frei Betto; Cartas

Texto completo:

PDF

Referências


AARÃO REIS, Daniel (Org.). Versões e Ficções: O seqüestro da História. São Paulo: Editora fundação Perceu Abramo, 1997.

ATASSIO, Aline Prado. A batalha pela memória: os militares e o golpe de 1964. Dissertação de Mestrado, Ciências Sociais, Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos, 2007.

BETTO, Frei. Batismo de Sangue – A luta clandestina contra a ditadura militar – Dossiês Carlos Marighela & Frei Tito. 14ªedição. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2009.

BETTO, Frei. Batismo de Sangue: Os dominicanos e a morte de Carlos Marighella. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

BOURDIEU, Pierre. A Ilusão Biográfica. In: MORAES, Marieta da M.; AMADO, Janaína. (Orgs). Usos e abusos da História oral. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2000.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Tradução Roberto Machado. 2. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: das ilusões perdias à luta armada. 2. Ed. São Paulo: Editora Àtica, 1987.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2003.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Tradução Bernardo Leitão. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

MAGALHÃES, Mario. Marighella: o guerrilheiro que incendiou o mundo. 5. reimpr. São Paulo: Companhia das letras, 2012.

MARTINS FILHO, João Roberto A guerra da memória: a ditadura militar nos depoimentos de militantes e militares. In: XXIV Congresso Internacional da Associação de Estudos Latino-Americanos, 2003, Dallas TX. Disponível em: . Acessado em: 26 jul. 2015.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo: PUC-SP. n. 10, 1993, p.7-28.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro: vol. 5, n.10, 1992, p.200-2012.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro: vol. 2, n.3, 1989, p. 3-15.

ROLLEMBERG, Denise. As Trincheiras da Memória. A Associação Brasileira de Imprensa e a ditadura (1964-1974). In: QUADRAT, Samantha Viz; (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no Século XX. Vol. 2: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ROLLEMBERG, Denise. Carlos Marighella e Carlos Lamarca: memórias de dois revolucionários. In: FERREIRA, Jorge; AARÃO REIS, Daniel (orgs.). As esquerdas no Brasil. Revolução e democracia. Vol. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

ROLLEMBERG, Denise. Esquecimento das memórias. João Roberto Martins Filho (org.). O golpe de 1964 e o regime militar. São Carlos: EDUFSCar, 2006.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas