Os folcloristas e a construção do repentista como um dos símbolos de nordeste

Cícero Renan Nascimento Filgueira

Resumo


O repente de viola passou por modificações no seu mecanismo de atuação entre o fim do século XIX até por volta do início de 1950, identificadas, assim, em uma série de mudanças que corroborou para um projeto de profissionalização do repentista e surgimento dos congressos (torneios). A partir da década de 1920 é identificada uma migração acentuada de repentistas para as grandes cidades, na qual, nesse momento, os trabalhos dos folcloristas em defesa do cantador como símbolo de um Nordeste que surgia e como estes representavam aqueles em suas obras torna-se de fundamental importância para entender as mudanças na dinâmica da cantoria.


Palavras-chave


Cantador repentista; Cantoria de repente; Folclore; Representação

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. Histórias de cordéis e folhetos. Campinas: Mercado das letras, 1999.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. “O morto vestido para um ato inaugural": procedimentos e práticas dos estudos de folclore e cultura popular. São Paulo: Intermeios, 2013b.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A Feira dos Mitos: a fabricação do folclore e da cultura popular (Nordeste, 1920-1950). São Paulo: Intermeios, 2013a.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALMEIDA, Átila. Notas sobre a poesia popular. Campina Grande:[s.n], 1984.

AYALA, Maria Ignez Novais. No arranco do grito: (aspectos da cantoria nordestina). Ática, 1988.

AYALA, Marcos; AYALA, Maria Ignez Novais. Cultura popular no Brasil: perspectiva de análise.

Ática, 1987.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

CARVALHO, José Rodrigues de. Cancioneiro do Norte. 3 ed. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1967

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 12 ed. São Paulo: Global, 2012,

CASCUDO, Luís da Câmara. Vaqueiro e Cantadores. São Paulo: Global, 2005.

CERTEAU, Michel de. A beleza do morto. In: A cultura no plural. São Paulo: Papirus, 1995

CHARTIER, Roger. Cultura Popular revisitando um conceito historiográfico. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 8, no. 16, 1995.

FILGUEIRA, Cícero Renan Nascimento. Entre a feira e o teatro: a dinâmica dos repentistas em Pernambuco (1900-1948). Dissertação (mestrado) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em História, 2017.

FREYRE, Fernando de Mello. O Movimento Regionalista e Tradicionalista e a seu modo também modernista: Algumas Considerações. Ci. & Tróp.. Recife, (5(2): 175-188 jul/dez. 1977.

GOMES, Salatiel Ribeiro. Vaqueiros e Cantadores: a desafricanizada cantoria sertaneja de Luiz da Câmara Cascudo. In: Padê, Brasília, v. 2, n. 1, p. 47-70, jan./jun. 2008.

GRILLO, Maria Ângela de Faria. A Arte do Povo: Histórias na Literatura de Cordel (1900-1940). Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: Contribuições à semântica dos tempos históricos. Puc-Rio. 2006. p. 98

MATOS, Cláudia. A poesia popular na República das Letras: Sílvio Romero folclorista. Editora UFRJ, 1994.

MOTA, Leonardo. Sertão Alegre: Poesia e linguagem do Sertão Nordestino. Livraria Editora Cátedra, 1976c

MOTA, Leonardo. Violeiros do Norte: Poesia e linguagem do Sertão Nordestino. 3ed. Imprensa Universitária do Ceará, 1966.

NUNES, Joselito. Pinto Velho do Monteiro: um cantador sem parelha. Bagaço, Recife, 2009.

ORTIZ, Renato. Românticos e folcloristas: cultura popular. Olho d'água, 1992

PIRES, Maria Idalina da Cruz. Guerra dos Bárbaros: resistência indígena e conflitos no Nordeste colonial. Recife: Fundarpe, 1990.

PUNTONI, Pedro. A Guerra dos Bárbaros. Ed. USP, 2002.

ROMERO, Sílvio. Estudos sobre a poesia popular do Brasil. 2ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

SILVA, Andréa Betânia da. Entre pés-de-parede e festivais : rota(s) das poéticas orais na cantoria de improviso. Tese (doutorado) - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos. I’Université Paris Ouest Nanterre, 2014.

THOMPSON, Edward Palmer. Folclore, Antropologia e História Social. In: NEGRO, Antonio Luigi; SILVA, Sergio (orgs.). As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. São Paulo: Editora da Unicamp, 2012.

VILHENA, Luís Rodolfo. Projeto e missão: o movimento folclórico brasileiro, 1947-1964. Fundação Getulio Vargas Editora, 1997.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2018.36.1.09

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas