IMAGENS QUE FALAM: PERCEPÇÕES DE CRIANÇAS DA PRÉ-ESCOLA DE IMAGENS PRESENTES EM CENÁRIOS DE SALAS DE AULA

Mayhara Luana da Fonseca, Zelia Granja Porto

Resumo


Vivemos cercados por imagens. Do sonho ao que enxergamos no novo dia. Desde muito pequenas, e mesmo antes de aprender a ler e escrever, as crianças vivem imersas na cultura de imagens que circulam nos mais variados meios, como televisão, smartphones, outdoors, tablets, dentre outras comunicações visuais. As composições imagéticas presentes na escola, além de constituir as narrativas vigentes, estão vinculadas a uma indústria cultural, na qual as imagens se fazem presentes para serem consumidas a todo custo, e os personagens, aparentemente inocentes, fazem parte de corporações que ditam modos de ser, de existir e de ver as crianças. De maneira sutil, as imagens resultam em uma ação educativa, constituindo, assim, uma Pedagogia da Visualidade (CUNHA, 2007). O presente trabalho buscou investigar sentidos que crianças atribuem às imagens produtoras e constitutivas de cenários de sala de aula, analisando, a natureza e os tipos de imagens presentes nesses espaços. Também buscou identificar como tais sentidos/percepções constituem dispositivos pedagógicos

Texto completo:

PDF

Referências


Referências: BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e Cultura. São Paulo: Cortez, 2004. (Coleção questões da nossa época, v.43). CUNHA, Susana Rangel Vieira da. Cenários da Educação Infantil. Revista Educação e Realidade, Rio Grande do Sul, v. 30, n. 2, jul-dez. 2005. 165-185. ORLANDI, Eni P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Ed. Pontes, 2009. POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Graphia, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)