INTERAÇÕES DISCURSIVAS EM AULAS DE CIÊNCIAS: O PAPEL DA PERGUNTA PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA DOS ALUNOS

Leandra Tamiris de Oliveira Lira, Francimar Martins Teixeira

Resumo


Este trabalho tem como objetivo investigar os tipos de perguntas feitas pelo professor em aulas de ciências e as implicações da mesma para um ensino que vise a Alfabetização Científica. De acordo com Cappechi e Carvalho (2000) as interações discursivas nas aulas de ciências são importantes para compreendermos que o conhecimento é construído socialmente e aprender ciências abrange expressar-se em uma nova linguagem social. Através das interações desencadeadas por perguntas, os alunos têm a oportunidade de expor sua opinião sobre os assuntos em discussão, refletir sobre conceitos científicos, (re) formular ideias e construir significados. Dessa maneira, no ensino e aprendizagem de Ciências, faz-se necessário inserir as perguntas no contexto das interações discursivas, pois estas envolvem mediações entre a cultura científica e a cultura do cotidiano. É nesse contexto que o uso de pergunta se enquadra como uma estratégia de ensino importante para a interações discursivas, utilizada para promover a Alfabetização Científica dos alunos (Machado, 2012) e para a construção de conceitos científicos (LORENCINI, 2000). A Alfabetização Científica consiste no processo que possibilita a construção, compreensão e uso responsável, nos mais diferentes contextos, de conhecimentos e habilidades peculiares do fazer científico tais como levantamento e teste de hipótese, trabalho com dados, uso de raciocínio lógico e proporcional, elaboração de justificativas, explicações. A Alfabetização Científica “revela-se como a capacidade construída para a análise e a avaliação de situações que permitam ou culminem com a tomada de decisões e o posicionamento” (SASSERON, 2015, p.56). No sentido de avaliar situações que envolvam a Alfabetização Científica na sala de aula, Sasseron (2008) desenvolveu os Indicadores de Alfabetização Científica, os quais refere-se às “habilidades vinculadas à construção de entendimento sobre temas das ciências que podem estar em processo em sala de aula e evidenciam o papel ativo dos estudantes na busca pelo entendimento dos temas curriculares das ciências” (SASSERON, 2015, p.57). Os Indicadores de Alfabetização Científica são: seriação, organização e classificação de informações (Relaciona-se especificamente ao trabalho com os dados obtidos em uma investigação); raciocínio lógico e raciocínio proporcional (Engloba dimensões relacionadas à estrutura do pensamento que molda as afirmações feitas e promulgadas durante as aulas de ciências); levantamento de hipótese, teste de hipótese, justificativa, previsão e explicação (Relaciona-se mais diretamente à procura do entendimento da situação analisada).Utilizamos estes indicadores como categorias para a análise das respostas dos alunos e, por conseguinte, para identificar se o processo de Alfabetização Científica está ocorrendo no contexto da aula analisada. Em relação a classificação para os tipos de perguntas formuladas pelo professor, utilizaremos as categorias propostas por Ainley (1988) e Lorencini (2000).

Texto completo:

PDF

Referências


AINLEY, J. Perceptions of teachers questioning styles. Proceedings of PME XII (pp. I/92-99), Veszprém, Hungary. 1988. CAPECCHI, M.C.V.M E CARVALHO, A.M.P. Argumentação em uma Aula de Conhecimento Físico com Crianças na Faixa de Oito a Dez Anos. Investigações em Ensino de Ciências, v.5, n.2, 171-189, 2000. LORENCINI JUNIOR. O Professor e as Perguntas na Construção do Discurso em Sala de Aula, Tese de doutorado, Faculdade de Educação de São Paulo, São Paulo, 2000. MACHADO, V.F. A Importância da pergunta na promoção da alfabetização cientifica dos alunos em aulas investigativas de Física. Dissertação apresentada ao Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biologia e a Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012. SASSERON, L. H. Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: estrutura e indicadores deste processo em sala de aula. Tese de doutorado apresentada à Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Revista Ensaio. v.17 n. especial, p. 49-67, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)