O QUE OS JOVENS MATRICULADOS NA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO DESEJAM DAS SUAS ESCOLAS: UM ESTUDO NA CIDADE DO RECIFE.

Izabela de Melo Oliveira Lima de Queiroz, Ramon de Oliveira

Resumo


Esse projeto de pesquisa pretende investigar o que os jovens pensam e desejam do ensino médio de escolas públicas da cidade do Recife/PE. A princípio é importante salientar que embora muitas vezes tidas como sinônimos, juventude e adolescência têm significados distintos, ainda que superpostos. Essa pesquisa tem como objetivo geral: Analisar as concepções que os jovens matriculados no ensino médio têm sobre a escola e quais as expectativas que eles têm da escola em relação ao seu presente e em relação ao seu futuro enquanto trabalhadores. A Pesquisa em suas especificidades objetiva: Levantar o perfil sócio-econômico-cultural dos jovens matriculados no ensino médio; Apreender qual a importância que atribuem à escola em suas vidas; Levantar a opinião dos jovens sobre a contribuição da escola para sua formação enquanto trabalhadores; Descrever as relações que os jovens estabelecem entre a escola e as questões da sua vida cotidiana. A juventude no Brasil é definida através da faixa etária de 15 a 29 anos, como se pode ver no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), porém não devemos reduzir a juventude a uma mera cronologia. Essa categoria etária é utilizada para definir indivíduos que vivem no mesmo tempo histórico e para a elaboração de políticas públicas. Não há um único conceito para a juventude pelo fato da mesma não ser homogênea, o ser jovem vai além de um conceito fechado pelo fato dos jovens possuírem várias identidades. É fundamental refletir sobre a juventude através das vontades que movem os jovens, relacionando o poder de enfrentamento e a força de suas ideias e atitude tanto na escola quanto na sociedade. No decorrer da pesquisa percebe-se que as escolas no geral, ainda não reconhecem que os alunos que ali chegam trazem consigo suas próprias experiências sociais e que com isso a escola termina tratando esses sujeitos, através de parâmetros que se divergem de   por questão de sobrevivência e obtenção de renda, ou pode ser as primeiras experiências por meio de estágios ou cursos profissionalizantes. Para a escola cabe identificar as diferentes experiências de trabalhos de seu alunado e qual a repercussão desta experiência para a vida estudantil. Além de, refletir o seu papel diante do jovem e do mundo do trabalho. Assim, o desafio é incorporar estes múltiplos olhares das “juventudes” brasileira, na prática diária das escolas. Não deixando de observar atentamente as práticas que ocorrem fora da instituição educativa. Partindo desses pressupostos é que queremos investigar “O que pensam e desejam os jovens do ensino médio das escolas públicas da cidade do Recife/PE, analisando suas concepções sobre a escola e quais as expectativas que eles têm da escola em relação ao seu presente e em relação ao seu futuro enquanto trabalhadores.

Texto completo:

PDF

Referências


CORTI, A. P.; FREITAS, M. V.; SPÓSITO, M. P. O encontro das culturas juvenis com a escola. São Paulo: Ação Educativa: Assessoria, Pesquisa e Informação,2001. DAYRELL, J.; CARRANO, P.; MAIA, C. L. (org.) Juventude e ensino médio. Belo Horizonte: Ed.  UFMG, 2014. SOUZA, Regina Magalhães de. Escola e juventude: o aprender a aprender. São Paulo: Educ/Paulus, 2003. SPOSITO, Marília. Transversalidades o estudo sobre jovens no Brasil: educação, ação coletiva e cultura. Educação e Pesquisa, São Paulo. V.36, n. especial, p. 095-106, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)