QUAL O SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA OS JOVENS TRABALHADORES DO ENSINO MÉDIO

André Benedito Graciano, Ramon Oliveira

Resumo


: Este trabalho consiste, em apresentar uma problemática que envolve a influência da inserção do jovem no mundo do trabalho para formação da identidade juvenil, estabelecemos uma tentativa de conseguir analisar, como o mundo do trabalho se apresenta em uma perspectiva de influenciar, mesmo que de forma subjetiva, a formação destes sujeitos sociais. Certamente, os dois temas podem parecer dissociáveis, mas na verdade eles se complementam. E diante desta complementação, começamos a estruturar o nosso problema de pesquisa nos questionando: Será que o trabalho define a juventude? Qual o significado do trabalho para estes jovens-estudantes? A partir destas questões organizamos a nossa pesquisa que resultou em um Trabalho de Conclusão de curso. Que objetiva analisar os impactos sociais, econômicos e culturais presentes na vida destes jovens, neste sentido acreditamos que a influência da inserção no mundo do trabalho estabelece uma forte conexão com a construção da identidade juvenil. Diante disso, como objetivos específicos estabeleceram: analisar as relações que os jovens estabelecem entre o mundo do trabalho e sua vivência formativa na escola; estabelecer relações entre o aumento no nível de escolarização e a presença dos jovens no mercado de trabalho; analisar a importância da inserção do jovem no mundo do trabalho para a construção da identidade juvenil. Para dar conta dos nossos objetivos, acreditamos que seria interessante traçar um caminho metodológico que proporcione uma flexibilidade. Por isso, nossa proposta esta organizada em dois momentos, que levam em conta a importância do nosso tema. Por entendermos que seria necessário discorrer sobre eles para possibilitar assim, melhor compreensão. Consiste em apresentar a influência da inserção no mundo do trabalho para formação da identidade juvenil. Sua Identidade juvenil e a inserção do jovem no mundo do trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


Referências: ABRAMOVAY, M. e CASTRO, M. G. Por um novo paradigma do fazer políticas: políticas de/para/ com juventudes. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, v. 19, n. 2, jul./dez. 2002; DAYRELL, Juarez. A escola "faz" as juventudes? Reflexão em torno da socialização juvenil. Edu. Soc. Campinhas. V.28, N° 100 - Especial. p. 1105-1128, 2007; DUARTE, Rosália. A entrevista em pesquisa qualitativa. Educar em Revista, Curitiba, Ed; VIANA, Nildo. Juventude, trabalho e projeto de vida. Seminário Internacional de Juventude, Goiânia, GO, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)