A RECONQUISTA DO TERRITÓRIO: UMA EXPERIÊNCIA COOPERATIVA NAS MONTANHAS CÉVENOLES, NO SUL DA FRANÇA1

Maria Luiza Pires, Bernard Roux

Resumo


As montanhas Cévenoles estão localizadas no Maciço Central, abrangendo especialmente os departamentos de Lozère e Gard, sul da França2. Essas montanhas tornaram-se palco de importantes lutas religiosas, a exemplo da Guerra dos Camisards, entre 1702 e 1705, que opunha os partidários da Reforma às tropas católicas do rei (les dragons). Se, no passado, aquela área era também conhecida por uma importante produção de seda e de castanha, esta última considerada como a base alimentar das populações ali residentes, experimentou, ao longo do tempo, um forte processo de desaceleração econômica.

Com efeito, o relevo, o clima, as longas distâncias, além da precariedade da infraestrutura e dos serviços públicos, são considerados alguns dos fatores que muito dificultam a maior parte das atividades econômicas. Eis a razão pela qual Cévennes, como as demais áreas identificadas como desfavorecidas, vem sofrendo, historicamente, uma tendência de despovoamento e depressão econômica, sobretudo a partir do final do século XIX (BAZIN & ROUX, 1996; ROUX, 1997).

Essa tendência foi contida, em grande medida, pelas várias experiências baseadas em forte mobilização dos atores e de recursos, com vistas ao desenvolvimento de algumas atividades econômicas. Todas elas identificadas como exemplos de “resistência à marginalização,” resultantes de forte apego local (BAZIN & ROUX, 1996; ROUX, 1997). O que sugere, na literatura, a possibilidade de se falar em “fenômeno de reconquista” do território (CATANZANO, 1987 apud BAZIN & ROUX, 1996).

Hoje, a economia local está calcada no Turismo Verde, na criação de cabras para a fabricação de queijo, nas castanhas, na produção da cebola doce de Cévennes3, da maçã reinette de Vigan4, entre outros produtos. O turismo de inverno é praticamente inexistente na região, devido à baixa incidência de neve.

Foi em consideração à ideia de permanência no local, ou de resistência ao êxodo, que, em 1959, a Societé Coopérative Agricole Fromagerie des Cévennes5foi criada, como atesta seu atual presidente, Jean Flayol. O senhor Flayol tem longa vivência na história desta cooperativa, pois além de haver assumido a presidência ao longo dos últimos 15 anos, também seu pai foi um dos líderes locais, havendo sido, inclusive, um dos principais idealizadores da criação desse empreendimento coletivo.



Texto completo:

HTML

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427