REVISITANDO A TERMINOLOGIA SUBSTANCE, SET E SETTING: o exemplo dos festivais de música eletrônica e os ritos urbanos de consumo de ayahuasca

Tiago Coutinho

Resumo


O objetivo deste artigo é explorar um aspecto pouco discutido nos estudos sobre consumo de psicoativos: a metodologia. Desenvolvida por Leary nos anos de 1950, retomada por Zinberg nos anos 1980 e por MacRae e Simões nos anos de 1990, a ferramenta metodológica substance, set e setting, que auxiliou diversos estudos ao longo de meio século, encontra-se ameaçado por padrões teóricos que o consideram essencialista, determinista e que leva, necessariamente, a especialização das ciências nos estudos de psicoativos: substance (farmacologia, química, física, biologia), set (psicologia), setting (Ciências Sociais). A partir dos exemplos dos festivais de música eletrônica e das terapias transculturais, percebemos como os diferentes espaços de consumo de psicoativos encontrado nas cidades reorganizam de maneira bastante diferenciada as noções de substance, set e setting segundo as problemáticas e disputas aos quais estão inseridos. A hipótese deste artigo é que a pertinência da terminologia de Zinberg nas análises antropológicas de fenômenos ligados ao consumo de psicoativos virá se deslocarmos ou estendermos a noção de social para os outros dois domínios da trilogia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427