COMO UM PROBLEMA SE TORNA PÚBLICO? ANOTAÇÕES PRAGMATISTAS A PARTIR DA MARCHA DA MACONHA NO BRASIL

Marcílio Dantas Brandão

Resumo


Recuperando antigas reflexões dos filósofos pragmatistas Dewey e Mead, este texto discorre sobre a natureza do público e suas particularidades em relação ao social e ao estatal, mas também busca – a partir do retorno ao trabalho do sociólogo Joseph Gusfield – discutir o processo pelo qual aspectos da realidade se tornam sensíveis para que diferentes setores da sociedade demandem a assunção de responsabilidades estatais. Nesta perspectiva, não são apenas os argumentos cognitivos que competem para o reconhecimento da autoridade em relação a um problema, mas também a capacidade narrativa (com seus elementos retóricos de convencimento e persuasão), os níveis de poder pregresso dos agentes envolvidos, os recursos, interesses e habilidades de que dispõem para influenciar a formação, o desenvolvimento ou a multiplicação de opiniões. O ponto de partida desta comunicação é de que o caráter público de uma situação – assim como a sua dimensão problemática – não é elemento transcendental, mas imana da própria situação e dos agentes envolvidos. Na discussão do processo de tornar público um determinado problema, a análise da ação social como performance também tem lugar nesse texto. Por fim, o artigo apresenta recentes dados de pesquisa sobre o Movimento Marcha da Maconha no Brasil, visando a demonstrar como as transações com esta droga se tornaram um problema público no país.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




@ 2012 - PPGS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE.

ISSN Impresso 1415-000X

ISSN Eletrônico 2317-5427