VIVÊNCIAS ESCOLARES DE JOVENS HOMOSSEXUAIS AFEMINADOS: ESTRATÉGIAS DE RESISTÊNCIA E PERMANÊNCIA

Cristiano Cavalcante Ferreira, Sandra Patrícia Ataíde Ferreira

Resumo


O homossexual afeminado, por ser um homem com orientação sexual homossexual e ter na sua identidade de gênero uma performance afeminada, é representado no ambiente escolar como uma transgressão porque viola a ideia padrão de uma possível heteronormatividade. Este artigo apresenta aspectos de um estudo que objetivou apreender os sentidos produzidos por homossexuais afeminados do Ensino Médio sobre as vivências escolares de poder, materializadas no uso de estratégias de resistência e permanência na instituição escolar. Realizou-se um estudo qualitativo, do tipo estudo de casos múltiplos, com a participação de seis estudantes do ensino médio, de diferentes escolas públicas, com idade de 16 a 19 anos, que foram entrevistados individualmente. Observou-se que a escola ainda é um ambiente de violência e opressão, embora já apresente mudanças na maneira de tratar os homossexuais afeminados, os quais se utilizam de estratégias de agrupamento e assunção da homossexualidade para resistir à violência e permanecer no ambiente escolar.

 


Palavras-chave


Ambiente escolar, Gays afeminados, Performatividade, Estratégias de empoderamento

Texto completo:

PDF


 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


                                         INDEXADORES

       
 
 
  
 
   
 
 
                                          BUSCADORES 
                                  


                                                      
                                           
                                              MÉTRICAS 
 
GOOGLE ACADÊMICO: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=BbrMvUMAAAAJ