MOBILIDADE ESPACIAL E RESISTÊNCIA DOS(AS) DOCENTES PÚBLICOS(AS) PRIMÁRIOS(AS) DO RECIFE (1860-1880)

Adriana Maria Paulo da Silva, Dayana Raquel Pereira de Lima

Resumo


Resumo

 

Através dos procedimentos de leitura, transcrição, sistematização e análise das fontes governamentais referentes à instrução pública no século XIX e da bibliografia especializada no trabalho docente no Império, em âmbito geral (GONDRA & SCHUELER, 2008; OLIVEIRA, 2011), e em Pernambuco (LIMA, 2014; SANTOS, 2013; SILVA, 2006), em particular, objetivamos demonstrar uma intensa mobilidade espacial vivenciada pelos(as) docentes públicos(as) de instrução primária do Recife e discutir como, entre as décadas de 60 e 80 do século XIX, seus discursos, para justificarem seus movimentos, foram se modificando. Defendemos que a mobilidade dos professores e professoras e os códigos legais criados para regulamentá-la resultaram na crescente hierarquização deste grupo de trabalhadores. E concluímos que os docentes criaram estratégias para resistir e superar as tentativas de hierarquização de seu ofício por parte dos poderes públicos.

 

Palavras-chave: Trabalho docente em Pernambuco. Século XIX. Mobilidade espacial. Resistência.

 


Texto completo:

PDF


 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


                                         INDEXADORES

       
 
 
  
 
   
 
 
                                          BUSCADORES 
                                  


                                                      
                                           
                                              MÉTRICAS 
 
GOOGLE ACADÊMICO: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=BbrMvUMAAAAJ