Precariedade no Ensino das Ciências?: Analisando o PISA como Formação Discursiva

Francimar Martins Teixeira, Roberto Nardi, Kênio Erithon Cavalcanti Lima

Resumo


Resumo: Com base em Foucault (1996, 2012),apresentamos resultados de pesquisa referente à análise do enunciado de precariedade no ensino das ciências e justificado por meio das conclusões expostas no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Identificamos: 1) a instituição que coordena o Pisa; 2) a avaliação não é divulgada na integralidade; 3) o desempenho alcançado no Brasil é comparado com o de outros países, mas não se analisa o desempenho per se. Concluímos: 1) os resultados divulgados não permitem estabelecer conclusões afirmando a precariedade do ensino das ciências;2) o discurso de precariedade é envolto por viés ideológico; 3) o discurso de precariedade é estratégia para implementar no sistema escolar brasileiro as recomendações da instituição que promove o Pisa.

 

Palavras-chave:Ensino das ciências. Formação discursiva.Pisa.Precariedade.


Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, Theresa et al. Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de “sistemas de ensino” por municípios paulistas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 108, p. 799-818, out. 2009.

ALBERNAZ, Ângela; FERREIRA, Francisco; FRANCO, Creso. Qualidade e eqüidade no ensino fundamental brasileiro. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 32, n. 3, p. 453-476, dez. 2002.

BARROSO, Marta F.; FRANCO, Creso. Avaliações educacionais: o Pisa e o ensino de ciências. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 11., 2008, Curitiba. Anais... Curitiba, 2008.

BORGES, Beatriz. A falta de conhecimento básico em ciências inibe a inovação no Brasil. El País, São Paulo, 2 jul. 2014.Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Assessoria de Comunicação Social.Resultado do Pisa de 2015 é tragédia para o futuro dos jovens brasileiros, afirma ministro. 2016.

Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

BRASIL no Pisa 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros. São Paulo: Fundação Santillana, 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2016.

CIÊNCIAS é a pior área entre alunos brasileiros. Folha de S. Paulo, 5 dez. 2013.

CRUJEIRAS PÉREZ, Beatriz; JIMÉNEZ ALEIXANDRE, María Pilar. Análisis de lacompetencia científica de alumnado de secundaria: respuestas y justificaciones a ítems de PISA. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de lasCiencias, v. 12, n. 3, p. 385-401, 2015.

DEBOER, George E. Scientific literacy: another look at its historical and contemporary meanings and its relationship to science education reform. Journal of Research in Science Teaching, Hoboken, v. 37, n. 6, p. 582-601, 2000.Disponível em: . Acesso em: 16 jun 2016.

DRECHSEL, Barabara; CARSTENSEN, Claus; PRENZEL, Manfred.The role of content and context in PISA interest scales: a study of the embedded interest items in the PISA 2006 science assessment. InternationalJournalof Science Education , v. 33, n. 1, p. 73-95, 2011.

FERREIRA, Marcia Serra. Reflexões sobre a produção da necessidade de uma Base Nacional Comum Curricular: diálogos com a história e as políticas de currículo. SBEnBio, Niterói, RJ, n. 8, p. 62-71, 2015.

FONSECA, Marília. O Banco Mundial e a educação: reflexões sobre o caso brasileiro. In: GENTILI, Pablo (Org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p. 169-195. (Coleção Estudos Culturais em Educação).

FOUCAULT, Michel.A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

______. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FUNDAÇÃO ABRINQ. Instituto Abramundo. São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2016.

GUIMARÃES, Camila. Um país de analfabetos científicos. Revista Época, São Paulo, 8 set. 2014.

JUDT, Tony. Ill fares The Land. New York: The Penguin Press, 2010.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina, PR: Editora Planta, 2004.

LEITE, João Carlos Zirpoli. Parcerias em educação: o caso do ginásio pernambucano. 2009. 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação)–Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

MAIA, Poliana Flávia; JUSTI Rosária. Desenvolvimento de habilidades no ensino de ciências e o processo de avaliação: análise da coerência. Ciências & Educação, Bauru, v. 14, n. 3, p. 431-450,2008.

MARRACH, S. A. Neoliberalismo e educação. In: GUIRALDELLI JUNIOR, P. (Org.). Infância, educação e neoliberalismo. São Paulo: Cortez, 1996. p. 42-56. (Coleção Questões da Nossa Época).

MARTINS, Luísa. Brasil está entre os piores do mundo em avaliação de educação. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 dez. 2016.

MATSUURA, Sérgio. Ensino de ciências no Brasil está entre os piores do mundo. O Globo, Rio de Janeiro, 6 dez. 2016.

MAUÉS, Olgaíses Cabral. A política da OCDE para a educação e a formação docente: a nova regulação? Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 75-85, jan./abr. 2011.

MENEZES-FILHO, Naércio Aquino. Os determinantes do desempenho escolar do Brasil. São Paulo: Instituto Futuro Brasil, 2007. Disponível em: < http://www.cepe.ecn.br/seminarioiv/download/menezes_filho.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2016.

MORENO, Ana Carolina. Brasil cai em ranking mundial de educação em ciências, leitura e matemática. G1, São Paulo, 6 dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2016.

MUNHOZ ALAVARSE, Ocimar. Pisa, um viés ideológico. Carta Educação, 15 mar. 2016. Entrevista. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2016.

OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. Novas escolas de tempo integral são baseadas em modelo de PE. Ação Educativa, 12 abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2014.

OCDE. Acordo Marco de Cooperação com a OCDE. 2015. Disponível em:

OECD. Exemplos de itens liberados de ciências. Tradução de Lenice Medeiros. Brasília: Inep, 2015a. Disponível em:

acoes_internacionais/pisa/itens/2015/itens_liberados_ciencias_pisa_2015.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2016.

______. Matriz de avaliação de ciências: resumo do documento: PISA 2015 Science Framework, 2013. Tradução de Lenice Medeiros.2015b. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

______. About the OECD. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

OLIVEIRA, Cida; PEREIRA, Tiago. Goiás, Pará e Espírito Santo querem privatizar gestão de escolas públicas: modelo usa organizações sociais para livrar governadores do dever de casa e é inspirado em experiência pernambucana que já não deu certo. Rede Brasil Atual, n. 110, 2015. Disponível em:

revistas/110/para-se-livrar-do-dever-de-casa-6571.html>. Acesso em: 19 out. 2015.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Ideologias econômicas e democracia no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 3, n. 6, maio-ago. 1989.

PETRIN, Natália. Plano Marshall. 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2016.

PISA: desempenho do Brasil piora em leitura e empaca em ciências.São Paulo: UOL

Educação,2013. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2014.

RITLA. Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana. Avaliação do Programa CTC: ciência e tecnologia com criatividade no município de Salvador, Bahia: relatório parcial. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em:

download/texto/rl000002.pdf>. Acesso em: 25 jun. 2016.

SANDER, Benno. Educação na América Latina: identidade e globalização. Educação, Porto Alegre, v. 31, n. 2, p. 157-165, maio/ago. 2008.

SARDINHA, Rafaela Campos. O Projeto Procentro e as Escolas Charter: investigação de um modelo educacional defendido pela Fundação Itaú Social. 2013.137 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas)–Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

SCHULTZ, Theodore W. O capital humano: investimento em educação e pesquisa. Tradução de Marco Aurélio de M. Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SHAMOS, Morris Herbert. The myth of scientific literacy. New Brunswick, NJ: Rutgers University, 1995.

SILVA, Mércia Rodrigues Farias da; LIMA, Regina Célia Melo de; Barroso Filho, Geraldo. O modelo educacional do centro de ensino experimental Ginásio Pernambucano. 2008. 26 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação)–Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008. 26 p.

TEIXEIRA, Francimar Martins. Discurso e ensino de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 10, n. 3, p. 87-100, 2010.

TEIXEIRA, Francimar Martins. Alfabetização científica: questões para reflexão.Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 4, p. 795-809, 2013.

TOKARNIA, Mariana. Maior parte dos brasileiros sabe pouco sobre ciências, diz pesquisa.Agência Brasil, São Paulo, 6 ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASES DE DADOS

GOOGLE ACADÊMICO

UCL INSTITUTE OF EDUCATION LIBRARY

PKP | INDEX

IRESIE-INSTITUTO DE INVESTIGACIONES SOBRE LA UNIVERSIDADE Y LA EDUCATION 

EDUBASE

Tópicos EduSEcacionais - ISSN 0101-8701 (impresso) 2448-0215 (on line)