A PROBLEMÁTICA DO ENSINO DA HISTÓRIA NOS TEXTOS E NAS IMAGENS DOS LIVROS DE DIDÁTICOS

José Batista Neto

Resumo


Um dia, no meu curso de Metodologia do Ensino de Estudos Sociais, discutíamos um tema muito caro a essa área, quando Márcia (aluna) me relata uma situação de ensino vivida por ela com seu grupo-classe de primário numa escola privada do Recife. Era o mês de abril e, segundo o calendário cívico, era o momento
de trabalhar o Descobrimento do Brasil. Como ocorre a inúmeras professoras em situações análogas, Márcia recorre ao livro didático, buscando inspiração para organizar suas aulas. Ao examinar o texto proposto pelo livro, a professora se depara com um relato já clássico, desses que transformam o professor em
transmissor de idéias dos "catadores de detaJhes" e que costumam reduzir a história a um anedotário fácil no qual se atribui os grandes acontecimentos a causas insignificantes e mesquinhas. Isto, no entanto, não lhe causou estranheza. Afinal seus estudos históricos na escola primária foram feitos sob esta mesma perspectiva, explorando a memorizão das datas e dos feitos dos
"cabrais", dos "caminhas" e dos "henriques-soares" (o oficiante da primeira missa). Não há nada mais reconfortante a um professor do que poder reencontrar-se, seja no momento de programar o ensino seja quando da sua execução, com os modelos e estilos que constituem de alguma forma sua "fortuna" existencial  em termos de experiência escolar. Porém, algo lhe chamou a atenção, informações referentes a nomes de personagens e datas dos eventos apareciam em negrito. Márcia, que já havia realizado em algum momento uma crítica dessa forma de abordar o tema em questão, resistiu a transmitir o tema da forma que o livro propunha e decidiu explorar uma outra versão. Com esta decisão, lá se foi a professora para a sala de aula.


Texto completo:

PDF

Referências


ASTOLFI, J-P. E DEVELAY, M. (1991). A didátita das ciências.

Campinas. Papirus.

BATISTA NETO, J. "MCP, o povo como categoria histórica". In

REZENDE, A.P. (1987). Recife, que história é essa? Recife.

Ftu1dação de Cultura da Cidade do Recife.

BOTTOMORE, T.(l989) Dicionário do pensamento marxista. Rio de

Janeiro. Zahar Editores.

CARRAHER, D. e NUNES, T. (1986). "O ensino de Ciências e de

Estudos Sociais". Porto Alegre. GEEMPA, pp.

FERRO, M. (1989). A história vigiada. São Paulo. Martins Fontes.

GOULART DE FARIA, A.L. (1984). Ideologia no livro didático. São

Paulo. Cortez.

LACOMBE, A.J. (1979). História do Brasil. São Paulo. Nacional.

MONTENEGRO, A.T. (1992). História oral e memória, a cultura

popular revisitada. São Paulo. Contexto.

MONTENEGRO, A.T.(1989). "Lembranças de um alWlo mal

comportado". Anais do Encontro sobre o ensino de História.

Franca.

NADAI, E. "A escola pública contemporânea - Propostas curriculares e

ensino de História". Revista Brasileira de História, vol. 6, no. 11,

set. 1985/fev. 1986, pp. 99-116. .

NADAI, E. "O ensino da História e a 'pedagogia do cidadão'". In

PINSKY, J. (1988). O ensino de história e a craição do fato. São

Paulo. Contexto.

SILVA, M.A. "A vida e o cemitério dos vivos". In SILVA, M. A. (1986)

(org.) Repensando a história. São Paulo. Marco Zero.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASES DE DADOS

GOOGLE ACADÊMICO

UCL INSTITUTE OF EDUCATION LIBRARY

PKP | INDEX

Tópicos Educacionais - ISSN 0101-8701 (impresso) 2448-0215 (on line)