ANÁLISE DA INCLUSÃO E DA ACESSIBILIDADE NO ENSINO SUPERIOR: UM SONHO QUE SE TORNOU REALIDADE

Alexandre Henrique Marques

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar o processo de inclusão e acessibilidade de estudantes com deficiência no ensino superior. Para tal optamos pela realização de uma pesquisa com abordagem quali-quantitativa (CRESWLL, 2007) e bibliográfica (MATOS & VIEIRA, 2001). Utilizamos como instrumento de coleta de dados o questionário (MARCONI & LAKATOS, 2003). Os sujeitos da pesquisa foram nove estudantes com deficiência. Nossa analise seguiu a perspectiva da análise de conteúdos (BARDIN, 2006). Os resultados apontaram que a inclusão de estudantes com deficiência no ensino superior ainda enfrentam barreiras, e que as instituições ainda não estão preparadas para garantir um atendimento educacional de qualidade para esse público. Apontaram também esse processo inclusivo vai muito além da realização de um sonho pessoal, representa uma nova perspectiva de qualidade de vida para os inclusos que passam a atuar em espaços antes inacessíveis da nossa sociedade.

 


Palavras-chave


Inclusão no Ensino Superior, Acessibilidade, Estudante com deficiência

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Manual de recepção e acessibilidade de pessoas portadoras de deficiência a empreendimentos e equipamentos turísticos. 2 ed. São Paulo, 2006.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2004. 97 p. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/corde/arquivos/ABNT/NBR9050‐31052004.pdf>. Acesso em: 20/06/ 2017.

AMARAL, L.A. Pensando alguns fatores psicológicos. In: Pensar a Diferença/Deficiência. Brasília: Editora Cordes. 1994. p. 19-25.

AMARAL, Lígia Assunção. Pensar a diferença/deficiência. Brasília: Corde, 1998.

ARANHA, Maria Salete Fábio. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. UNESP, Marília. SP, 2001.

ARAÚJO, Eliane Aparecida Campanha. Deficiência mental, suporte comunitário e transição para o trabalho. Araraquara, SP: Junqueira&Marin; Brasília, CAPES, PRODOC, 2008.

ARROYO, M. G. (2000). Imagens quebradas- trajetórias e tempos de alunos e mestres. Rio de janeiro: Vozes, 2000.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Porto: Edições 70, 2006.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL, Referenciais de Acessibilidade na Educação Superior e a Avaliação in loco do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), 2013. Disponível em: http://www.unifalg.edu.br/forplad/sites/default/files/referenciais.pdf>. Acesso em: 20/06/ 2017.

BRASIL. Lei n. 4.024/61, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1961.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRITO, Antonia Edna. Fundamentos Teóricos-Metodológico da Pesquisa I. UFPI/UAPI, 2009. 75P.

CALADO, Vânia Aparecida. Propondo uma Política da USP Referida à Deficiência. www.cecae.usp.br/usplegal/quem/Propondo_uma_Política_da_USP_Referida_à_Deficiência. htm>, Acesso em: 20/06/ 2017.

CAMPOS, Douglas Aparecido de; MELLO, Maria Aparecida. Inclusão: acesso e permanência no ensino superior brasileiro. Políticas Educativas, Porto Alegre, V.5, n.1, p. 15-31, 2001.

CARVALHO, Rosita Elder. Temas em educação especial. 2ª Ed. Rio de Janeiro: WVA Editora, 2000.

CASTRO, S. F.; MOREIRA, L. C.; ALMEIDA, M. A. FREITAS, S. N. Inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino superior: UFSM, UFPR E UFSCAR. In: III Congresso Brasileiro de Educação Especial. São Carlos, pp. 01-09, 2008.

CHAHINI, Thelma Helena Costa; SILVA, Silvana Maria Moura da. Os desafios do acesso e da permanência de alunos com deficiência visual nas instituições de educação de São Luis/MA. In: SILVA, Marilete Geralda da. Faces da inclusão. São Luís, EDUFMA, 2010.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007

DIAS SOBRINHO, J. Democratização, qualidade e crise da educação superior: faces da exclusão e limites da inclusão. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1223-1245, out.-dez. 2010. Disponível em

DUARTE, Emerson Rodrigues; RAFAEL, Carla Beatriz da Silva; FILGUEIRAS, Juliana Fernandes; NEVES, Clara Mockdece; FERREIRA, Maria Elisa Caputo. Estudo de caso sobre a inclusão de alunos com deficiência no ensino superior. Revista Brasileira Educação Especial, Marília, v. 19, n. 2, Abr-Jun, 2013.

GLAT, Rosana. Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

GOFFREDO, V. F. S. Integração ou segregação: o discurso e a práticas das Escolas Públicas da Rede Oficial do Município do Rio de Janeiro. Revista Integração, 2005.

GOMES, M. F. C.; LIMA, P. A. L. Inclusão e exclusão: a dupla face da modernidade. In: Seminário Internacional Sociedade Inclusiva, 4., 2006, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: 2006. p. 16.

GRACIA, F. A. (coord.) Deficiência com eficiência: dos direitos da pessoa portadora de deficiência. São Paulo (SP): OAB-SP, 2006.

ISAIA, S. M. A. Aprendizagem docente como articuladora da formação e do desenvolvimento profissional dos professores da Educação Superior. In: Engers, M. E.; Morosini,M. (Org.). (2007).Pedagogia Universitária e Aprendizagem. (1a ed). Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 2.

LIMA, F. J. de.; SILVA, F. T. dos S. Barreiras atitudinais: obstáculos à pessoa com deficiência na escola. In: (org.) SOUZA, O. S. H. Itinerários da Inclusão Escolar: múltiplos olhares, saberes e práticas. Porto Alegre: AGE, 2008.

LOPES, Maura Corcini. Políticas de inclusão e governamentabilidade. In: Educação

& Realidade, Dossiê Governamentabilidade e Educação, v. 34, n. 2, p. 153-170, Mai/Ago 2009, Ed FACE/UFRGS, Porto Alegre.

MACEBO, Denise. “Universidade para Todos”: a privatização em questão. Campinas, São Paulo: Unicamp. Revista Proposições. V. 15, 3(45) set/dez. 2004. p. 7589.

MAGALHÃES, R. C. B. P.; COSTA, M. P. R. Classes especiais para deficientes mentais na representação de professores. Educação: teoria e prática. (Revista do Departamento de Educação da UNESP), , Rio Claro, v. 8, n.14/15, p. 19 – 32, 2000.

MANTOAN, M, T, E. (Org.). O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MANZINI, E. J. Análise de artigos da Revista Brasileira de Educação Especial (1992- 2002). Revista Brasileira de Educação Especial. Marília: Unesp, v. 9, n. 1, p. 13- 23, 2006.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho cientifico. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, 1992. p. 43,44.

MARCONI. Mariana de Andrade; LAKATOS, Eva Mara. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARQUES, L. P. O professor de alunos com deficiência mental: concepções e prática pedagógica. Campinas: Editora UFJF, 2001.

MATOS, K, S, L; VIERA, S, V. Pesquisa Educacional O Prazer De Conhecer. Fortaleza: Demócrito Rocha 2001.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Concepções atuais sobre Educação Inclusiva e suas implicações políticas e pedagógicas. In: MAQUERZINE, M. C.; ALMEIDA, M. A; & TANAKA, D. O. (Orgs.): Educação Especial: políticas e concepções sobre deficiência. Londrina: EDUEL, p. 25-41, 2002.

MOREIRA, L. C. (Org.). O Respeito à Diversidade e ao Aluno com Necessidades Educativas Especiais. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2000, 17p.

OLIVEIRA, A. S. S. A Alunos com deficiência no ensino superior: subsídios para a política de inclusão da UNIMONTES. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, 2011.

ONU - Organização das Nações Unidas. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, 2006. Brasília: ONU, 2006.

PERINI, T. Í. O processo de inclusão no Ensino Superior em Goiás: a visão dos excluídos. 2006. 121f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação Faculdade de Educação, Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2006.

ROCHA, T. B.; MIRANDA, T. G. Acesso e Permanência do Aluno com Deficiência na Instituição de Ensino Superior. Revista Educação Especial. v. 22, n. 34, p. 197-212, maio/ago. 2009.

SASSAKI, R. K. Inclusão construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2005.

SILVA JÚNIOR, Bento Selau da; HAMMES, Lúcio Jorge. Inclusão de cegos na educação superior: algumas estratégias para superação de obstáculos. XANPED SUL, Florianópolis, outubro de 2014.

SILVA, T. T.da (org.) Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SILVA. Lázara Cristiana da; RODRIGUES, Marilúcia de Menezes. Acesso ao Ensino Superior: os nós das políticas de incluso educacional e as pessoas com deficiências. UFU, Uberlândia-MG, 2006.

SKLIAR, Carlos. A invenção e a exclusão da alteridade “deficiente” a partir dos significados da normalidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 15-32, jul./dez. 1999.

UNESCO. Declaração de Salamanca e Enquadramento da acção nas áreas das necessidades educativas especiais. In: Conferência Mundial sobre necessidades educativas especiais: acesso e qualidade. Salamanca, Espanha, 7‐10 de Jun.1994.

UNESCO. Declaração mundial de educação para todos. Plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Tailândia, 1990.

VALLE, T. G. M.; MAIA, A. C. B. Aprendizagem e comportamento humano. São Paulo: Cultura acadêmica, 2010.




 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


                                         INDEXADORES

       
 
 
  
 
   
 
 
                                          BUSCADORES 
                                  


                                                      
                                           
                                              MÉTRICAS 
 
GOOGLE ACADÊMICO: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=BbrMvUMAAAAJ