ALTERNATIVAS E PERSPECTIVAS SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO DE GENÉTICA: CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Ana Beatriz Lins Aragão, Rodrigo Guilherme Gusmão de Morais, Luana Patrícia Silva de Brito, Priscilla Régia de Andrade Calaça

Resumo


Muitos entraves são vistos quanto ao ensino de Ciências e Biologia, um deles, a insegurança do
professor no domínio de conteúdos, em consequência de déficit no período de formação. Vale
salientar, que estes contratempos não devem ser de responsabilidade apenas da prática de ensino
de genética, sobretudo, de disciplinas específicas que ainda possuem obstáculos em seu
desenvolvimento pedagógico nos cursos de licenciatura. O objetivo deste trabalho foi avaliar
perspectivas e alternativas sob o ponto de vista dos estudantes em Licenciatura em Ciências
Biológicas no que tange a disciplina de Prática de Ensino de Genética, a fim de contribuir
significativamente para a formação de professores a partir de disciplinas tão importantes neste
processo. Este trabalho é um estudo preliminar, mas que esclarece a considerável importância
sobre práticas de ensino na formação do professor de Ciências e Biologia.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. J. O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Caderno Pesquisa. [online].

p. 53-62.

BARBOSA, A. T.; PEREIRA, M. G.; ROCHA, G. S. D. C.; MOREIRA, M. A. S. P. M.; SILVA, A. O.

Concepção de alunos e professores sobre a prática como componente curricular no curso de

formação de professores em Ciências e Biologia. IX Congreso Internacional sobre Investigación en

Didáctica de las ciencias. Sept. 2013

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 2/ 2015. De 1 de

Julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de

licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e

para a formação continuada.

CACHAPUZ A.; PRAIA J. & JORGE, M. Da Educação em Ciência às Orientações para o Ensino das

Ciências: Um Repensar Epistemológico. Ciência & Educação, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004.

CALAÇA, P. R. A. et al. Bioquímica, uma ciência interdisciplinar: reflexões e repercussões da sua

abordagem no ensino. In: II Seminário Internacional de Educação em Ciências. v. 2, 2012, Rio

Grande, Brasil. FURG/NUEPC, 2012. p. 77-86.

CARNEIRO-LEÃO, A. M. A.; MAYER, M.; NOGUEIRA, R. A. Ensinando biologia numa perspectiva de

complexidade. In: Encontro Regional de Ensino de Biologia, 3, 2009, Recife, PE.

CARVALHO, A. M. P. Reformas nas licenciaturas: a necessidade de uma mudança de paradigma

mais do que de mudança curricular. Brasília em aberto. Ano 12, n. 54, abr./jun. 1992

CID, M.; NETO, A. J. Dificuldades de aprendizagem e conhecimento pedagógico do conteúdo: o

caso da genética. Enseñanza de las ciências. 2005.

COIMBRA, J. A. A. Considerações sobre a interdisciplinaridade. In: Interdisciplinaridades em

ciências ambientais. ARLINDO, P. J. São Paulo: Signus Editora, 2000.

GÜNTHER, H. Como elaborar um questionário. Brasília, DF: UnB, Laboratório de Pesquisa

Ambiental, 2003.

______. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e

Pesquisa, v. 22, n. 2, p. 201-210, mai/ago, 2006.

HARTMANN, A. M.; ZIMMERMANN, E. O trabalho interdisciplinar no ensino médio: a

reaproximação das “duas culturas”. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. v. 7, n.

, 2007.

JUNIOR, A. N. S.; BARBOSA, J. R. A. Repensando o ensino de ciências e de biologia na educação

básica: o caminho para a construção do conhecimento científico e biotecnológico. Revista

Democratizar. v. 3, n. 1, p. 1-15, jan./abr., 2009.

LIMA, K. E. C.; VASCONCELOS, S. D. Análise da metodologia de ensino de ciências nas escolas da

rede municipal de Recife. Revista Ensaio: avaliação de políticas pública educacionais. v. 14, n. 52. p.

-412. jul./set., 2006.

MARANDINO, M. A prática de ensino nas licenciaturas e a pesquisa em ensino de ciências:

questões atuais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. v. 20, n. 2, p. 168-193, ago. 2003.

MARQUES, W. O quantitativo e o qualitativo na pesquisa educacional. Avaliação, Campinas, v. 5, n.

, p. 19-31, set, 1997.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

SILVA, A. M. P. M.; JÓFILI, Z. M. S.; CARNEIRO-LEÃO, A. M. A.; A prática como componente

curricular na formação do professor de Biologia: avanços e desafios na UFRPE. Amazônia: Revista

de Educação em Ciências e Matemática. v. 10, p.16-28, jan/jun. 2014.

SUASSUNA, L. Pesquisa qualitativa em educação e linguagem: histórico e validação do paradigma

indiciário. Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 341-377, jan/jun, 2008.

TEIXEIRA, P. M. M. A educação científica sob a perspectiva da pedagogia históricocrítica e do

movimento CTS no ensino de ciências. Ciência & educação, v.9, n.2, Pp. 177-190, 2003.

UNESCO . Science for the twenty-first century. Paris, 2000.

VILELA, E. M.; MENDES, I. J. M. Interdisciplinaridade e saúde: um estudo bibliográfico. Revista

Latino-americana de Enfermagem. n. 11, v. 4, p. 525-531, jul./ago. 2003.

ZANCAN, G. T. Educação Científica, uma prioridade nacional. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1,

ZIMMERMANN, E.; BERTANI, J. A. Um novo olhar sobre os cursos de formação de professores.

Caderno Brasileiro de Ensino de Física. v. 20, n. 1, p. 43-62, abr. 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.