DIFICULDADES NO ENSINO DE ASTRONOMIA EM SALA DE AULA: UM RELATO DE CASO

Cíntia Maria da Silva Ferreira Pinto, João Paulo Gomes da Silva, Marília de Alencar Araújo da Silva

Resumo


O ensino de astronomia para crianças do ensino fundamental é uma tarefa delegada aos
professores de Ciências e geografia. Esse tipo de conteúdo carrega consigo muitas problemáticas a
serem enfrentadas por alunos e professores para que o ensino-aprendizagem possa ser satisfatório,
alcançando êxito em seus objetivos. Porém, muitos fatores dificultam o processo de ensino na
astronomia: má-formação pedagógica ou sua ausência; desconhecimento de tecnologias que
aproximem os alunos da realidade espacial; concepções alternativas que os alunos carregam sem
elucidação científica. Com o objetivo de conhecer indutivamente a realidade de um determinado
local, este artigo científico, através da discussão de vasta literatura e de uma pesquisa qualitativa
com professores da Escola Terezinha Barbosa - Bom Jardim – PE, discute as principais dificuldades
nesta escola e no Brasil, expondo as mesmas mais recorrentes em sala de aula e discutindo o papel
da tecnologia e dos professores para aprimorar os conteúdos e metodologia de ensino na
astronomia.


Texto completo:

PDF

Referências


BARRABÍN, J. De M. ¿Por qué hay veranos e inviernos? Representaciones de estudiantes (12-18) y

de futuros maestros sobre algunos aspectos del modelo sol-tierra. Rev. Enseñanza de las ciencias,

(2). Barcelona. (1995).

BARROS S. G. La Astronomía en textos escolares de educación primaria. Enseñanza de las Ciencias v.15, n.2, p.225-232, 1997.

BISCH, S. M. Astronomia no ensino fundamental: natureza e conteúdo do conhecimento de

estudantes e professores. São Paulo/SP, Universidade de São Paulo, USP, 301p. Tese de Doutorado.

BRETONES, P. S. Disciplinas introdutórias de Astronomia nos cursos superiores do Brasil.

Dissertação (Mestrado), Instituto de Geociências, UNICAMP, 1999.

CANALLE, J. B. G. & OLIVEIRA, I.A.G. Comparação entre os tamanhos dos planetas e do Sol. Caderno

Catarinense de Ensino de Física, v.11, n.2, p.141-144, 1994.

CANALLE, J. B. G. et al. Análise do conteúdo de Astronomia de livros de geografia de 1º grau.

Caderno Catarinense de Ensino de Física, v.14, n.3, p.254-263, 1997.

FERRARI, A. L. Software para auxiliar o processo ensino-aprendizagem através de recursos

computacionais. Universidade regional de Blumenau. 2002.

HERRERA, M. A. An astronomy course for Mexican high-school-level teachers. In: LANGHI, R.

Educação em astronomia: da revisão bibliográfica sobre concepções alternativas à necessidade de

uma ação nacional. Campo Grande – MS: Cad. Bras. Ens. Fís., v. 28, n. 2: p. 373-399, ago. 2011.

HIRDES, J. C. R. et al. Monitoria em Vídeo: o uso das novas tecnologias de comunicação no

processo de ensino-aprendizagem. UFPel. Disponível em:

. Acessado dia 15/11/2012. Às 14:22

horário do Recife.

LANGHI, R. & NARDI, R. Dificuldades interpretadas nos discursos de professores dos anos iniciais

do ensino fundamental em relação ao ensino da astronomia. In: Revista Latino-Americana de

educação em Astronomia. RELEA, n. 2, p. 75-92, 2005.

LANGHI, R. & NARDI, R. Formação de professores e seus saberes disciplinares em astronomia

essencial nos anos iniciais do ensino fundamental. In Rev. Ensaio. Belo Horizonte, v.12 - n.02 -p.205-224. Mai-ago, 2010.

LANGHI, R. Educação em astronomia: da revisão bibliográfica sobre concepções alternativas à

necessidade de uma ação nacional. Departamento de Física – UFMS - Campo Grande – MS. Cad.

Bras. Ens. Fís., v. 28, n. 2: p. 373-399, ago. 2011.

LANGHI, R. Ideias de Senso Comum em Astronomia. (Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências,

UNESP/Bauru), Encontro Nacional de Astronomia (ENAST), em novembro de 2004.

MALUF, V. J. A Terra no espaço: a desconstrução do objeto real na construção do objeto cientifico.

Dissertação de Mestrado. Instituto de Educação, UFMT, Cuiabá, 2000.

NARDI, R. Avaliação de livros e materiais didáticos para o ensino de ciências e as necessidades formativas do docente. In: BICUDO & SILVA. Formação do Educador e avaliação institucional. São

Paulo: Editora Unesp, v.1, p. 93-103. 1996.

PANZERA, A. C. & THOMAZ, S. P. Fundamentos de astronomia: uma abordagem prática para o

ensino fundamental. Edição experimental. Centro de Ensino de Ciências e Matemática (CECIMIG) e

Faculdade de Educação (FaE), UFMG, 1995.

PRETTO, N. L. A ciência dos livros didáticos. Campinas: Unicamp, 1985.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais.

Brasília: MEC/SEF, 138 p. Disponível em:

Acessado dia 114/10/2017. Às 10:32 horário do Recife. 1998.

SILVA, R. P. A prática pedagógica do professor de geografia e o interesse dos educandos pela

disciplina geografia. UESP, 2003.

TEODORO, S. R. A história da ciência e as concepções alternativas de estudantes como subsídios

para o planejamento de um curso sobre atração gravitacional. 278 f. Dissertação (mestrado) -Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências de Bauru. Disponível em:

. 2000.

TREVISAN, R. H. et al. Assessoria na avaliação do conteúdo de Astronomia dos livros de ciências do

primeiro grau. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v.14, n.1, p.7-16, 1997.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação.

p. São Paulo: Atlas, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.