REFLETINDO SOBRE O ENSINO DE CIÊNCIAS: ANALISE DAS PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DE UM MODELO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM EXERCÍCIO

Climéria Beserra Ramalho, Leíce Germana da Silva Barbosa, Alessandra Maria Pereira Martins da Silva

Resumo


A formação continuada é algo de extrema importância, pois possibilita aos docentes uma constante
reflexão no tocante às discussões mais atuais que permeiam o âmbito educacional. Todavia, alguns
professores não participam das formações continuadas, por julgarem que estas não atendem às
suas expectativas formativas. Este artigo teve por objetivo analisar as percepções dos professores
sobre as contribuições de um modelo de formação continuada em exercício, voltado para docentes
de Ciências e Biologia do Ensino Básico da rede Estadual de Pernambuco. O modelo de formação em
questão é o projeto “Refletindo Sobre o Ensino de Ciências”, criado pela Coordenadoria do Ensino
de Ciências do Nordeste (CECINE) e ampliado através da parceria com Grupo de Pesquisa
Laboratório de Pesquisa e Prática- Educação Metodologia e Tecnologias (EDUCAT). A estrutura do
projeto foi organizada em formato de palestras, debates teóricos e oficinas que foram
desenvolvidos entre os meses de fevereiro e novembro de 2018. A cada mês uma nova temática foi
vivenciada com, em média, cem docentes. Além das temáticas trabalhadas, o projeto oportunizou
quatro encontros de caráter científico. Para fins de estudo, foi aplicado um questionário com todos
os participantes, no qual, vinte docentes sinalizaram ter vivenciado de todos os encontros. De
acordo com os sujeitos da pesquisa, o modelo proposto supriu suas expectativas. Muitos deles
colocaram em prática algumas das temáticas trabalhadas nos encontros, em especial, a que tratou
das metodologias ativas. Estes resultados nos levaram a considerar que o modelo de formação
proposto contribuiu para a melhoria da prática pedagógica dos professores de Ciências e Biologia


Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 2 de 06 de junho

de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do

Magistério da Educação Básica. 2015

CARVALHO, A. M. P & GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: Tendências e inovações.

ed. São Paulo: Ed Cortez, 2011.

CUNHA, A. M. de O.; KRASILCHIK, M. A formação continuada de professores de ciências: percepções

a partir de uma experiência. Anais.. Caxambu: ANDEP, 2000.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. (Org.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. 2. ed.

Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 39-60.

DO AMARAL, I. A.; FRACALANZA, H. Formação continuada no ensino de ciências: programas e ações.

Ciências em Foco, v. 1, n. 1, 2013.

FABRICIO, M. F. L., JÓFILI, Z. M. S., MARTINS, L. S. S. e CARNEIRO - LEÃO, A. M. A. Compreensão das

Leis de Mendel por alunos de Biologia na Educação Básica e na Licenciatura. Ensaio. Pesquisa em

Educação em Ciências, v.8, p.1 - 21, 2006.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 8. ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FLÓRIDE, M. A.; STEINLE, M. C. B. Formação continuada em serviço: uma ação necessária ao

professor contemporâneo. Portal Educacional do Paraná. Secretaria do Estado de Educação do

Paraná, p. 2429-6, 2008.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos.

Brasília: Liber Livro, 2008.

JACOBUCCI, D. F. C.; JACOBUCCI, G. B.; MEGID NETO, J. Experiências de formação de professores em

centros e museus de ciências no Brasil. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias, Vigo, v. 8,

n. 1, p. 118-136, 2009. Disponível em:

. Acesso em: 22 set. 2017.

KEMMIS, S.; WILKINSON, M. A pesquisa-ação participativa e o estudo da prática. In: DINIZ-PEREIRA,

J. E.; ZEICHNER, K. M. (Org.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. 2. ed. Belo Horizonte:

Autêntica, 2011. p. 39-60. 2011.

LOPES, F. M. B. Ciclo celular: estudando a formação de conceitos no ensino médio. 2007.101f.

Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

MEDEIROS, E. P. Conceito sistêmico de respiração: articulando fenômenos macro e microscópicos

na formação docente. 2011.150f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Universidade

Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2011

MIZUKAMI, M. G. N. et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e

formação. São Carlos: EdUFSCAR, 2002.

MOSQUERA, J. J. M.. O professor como pessoa. 2. ed., Porto Alegre: Sulina, 1978.

MOSQUERA, J. J. M. Educação: novas perspectivas. 3. ed. amp., Porto Alegre: Sulina,1980.

MOSQUERA, J. J. M.; STOBÄUS, C. D.; TIMM, E. Z.. O professor e o cuidado de si: perspectivando a

própria vida como uma obra de arte. Por que não?. Ciência em movimento, v. 11, n. 22, p. 47-53,

PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de

experiências com a formação Docente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p.521-539, 2005.

Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2017

SILVA, V. F.; BASTOS, F.. Formação de Professores de Ciências: reflexões sobre a formação

continuada. Alexandria, p. 150-188, 2012.

SILVA, W. R. A formação continuada de professores na concepção os agentes gestores das ações de

formação da diretoria de Ensino sul 2 – São Paulo. In: XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e

Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas – 2012.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

VALENTE, J. A.; DE ALMEIDA, M. E. B.; GERALDINI, A. F. S.. Metodologias ativas: das concepções às

práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.