JOGOS DIGITAIS, PRODUÇÃO DE TEXTOS E DESENHOS ESQUEMÁTICOS NO ENSINO DE BIOQUÍMICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Maria Gabriela Silva Carneiro Monteiro, Nathalia Fernanda de Morais Melo, Paolla Rafaelly Barbosa de Oliveira, Rosangela Vidal de Sousa Araújo

Resumo


O objetivo deste trabalho foi relatar uma experiência de utilização do jogo digital kahoot na
aprendizagem de bioquímica, bem como relatar nuances importantes na produção autoral de
desenhos e textos de forma colaborativa entre os pares na disciplina de bioquímica em um curso de
licenciatura da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Para trabalhar alguns conceitos foi
utilizado o jogo online kahoot sugerido e organizado pelos alunos. As avaliações das produções
autorais foram analisadas através de 5 critérios. Após uma análise qualitativa os resultados
demonstraram que no kahoot 50% dos questionamentos foram respondidas corretamente, e 50%
foram respondidas erradas. Isso pode ter ocorrido pelo pouco tempo que tiveram para responder, o
que pode ser ajustado em outra ocasião ou mesmo pelo desconhecimento da dinâmica do jogo,
pois no momento do feedback do resultado do jogo foram bem participativos e perceberam erros
conceituais simples. Nas produções autorais, três grupos conseguiram explanar satisfatoriamente
segundo critérios estabelecidos. As atividades foram consideradas ótimos recursos pedagógicos,
que incentivaram a participação ativa de alunos no processo de ensino, avaliação e aprendizagem,
contribuindo para construção do conhecimento, através das interações sociais virtualmente e
presencialmente.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R.M.M.; GEGLIO, P.C.; MOITA, F.M.G.S.C.; SOUZA, C.N.S.; ARAÚJO, M.S.M., O Quiz como

Recurso Pedagógico no Processo Educacional: Apresentação de um Objeto de Aprendizagem.

Anais do XIII Congresso Internacional de Tecnologia na Educação, 2015. Disponível em:

http://www.pe.senac.br/ascom/congresso/anais/2015/>. Acesso em: 31 out 2018.

AMARAL, C. L. C.; FIGUEIRA, R. C. L.; BARROS, M. P. A utilização de ambientes virtuais no ensino de

bioquímica. Um estudo de caso na Unicsul. Revista Brasileira de ensino de bioquímica e biologia

molecular, n.1, 2006.

ANDRADE, R. S. B.; SILVA, A. F. S.; ZIERER, M. S. Avaliação das dificuldades de aprendizado em

Bioquímica dos discentes da Universidade Federal do Piauí. Journal of Biochemistry Education, V.

, n.1, 2017.

CARVALHO, C. V. Aprendizagem baseada em jogos Game-based learning. IN: II World Congress on

Systems Engineering and Information Technology. November 19 - 22, 2015.

DA SILVA, S. D.; DA SILVA, V. M.; SOARES, A. C. O CINEMA E OS QUADRINHOS: FERRAMENTAS

ALTERNATIVAS PARA O ENSINO DE QUÍMICA.Encontro de Debates sobre o Ensino de Química, out.

ISSN 2318-8316. Disponível em:

. Acesso em: 12 out.

CUNHA, S. M.; CARRILHO, D. M. O processo de adaptação ao ensino superior e o rendimento

acadêmico. Psicol Esc Educ. v.9, n.2. 2005.

DE BEM, A. B. Uso das TICS como ferramentas na prática com metodologias ativas. PAG. 102, In:

Práticas Inovadoras em Metodologias Ativas. 2017, Florianópolis. Contexto Digital.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma

abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n.1, p. 268-288, 2017.

EDUCAUSE Things you should know about flipped classrooms. 2012. Disponível em:

http://net.educause.edu/ir/library/pdf/eli7081.pdf. Acessado em: julho 2013. (APUD)

ESA. Entertainment Software Association: 2012 Essential Facts About the Computer and Video

Game Industry. EUA, 2012. Disponível em http://www.theesa.com/facts/pdfs/ESA_EF_2012.pdf>.

Acesso em 29 outubro 2018.

FELDBERG, R. S. The new biochemistry: In praise of alternate curricula. Bioch Mol Biol Education.

v.29, p. 222-224. 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33ª ed. São Paulo:

Paz e Terra; 2006.

GARCIA, M. B. O.; OLIVEIRA, M. M.; PLANTIER, A. P. Uso de tecnologias de informação e

comunicação na educação médica: Quiz em bioquímica. Horizontes, v. 36, n. 2, p. 114-124,

mai./ago. 2018.

GARZÓN, J. C. V.; MAGRINI, M. L.; COSTA, C., GALEMBECK, E. Realidade aumentada no ensino de

vias metabólicas. Revista Ensino Bioquímica. v.12, n.2, p.19-143. 20014.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma Antropologia do ciberespaço. 10ª ed. São Paulo: Loyola,

Cibercultura. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 2000.

MARIOTTI, H. A técnica do zoom. Entre o foco e a periferia. Revista BSP. V. 3, n.1, 2012, p. 4-5.

MATEUS FILIPE, A. J.; ORVALHO, J. G. Blended-learning e aprendizagem colaborativa no ensino

superior. In: VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa. 2004. p. 2004. Disponível em:

Acesso em: 09 out.

MATOS, D. A. S. et al. Avaliação no Ensino Superior: Concepções múltiplas de estudantes brasileiros.

Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, V. 24, n. 54, p. 172 – 193, 2013. Disponível em:

Acesso em

/10/2018.

MESTANZA, P. E. C. O uso de jogos didáticos como abordagens alternativas para o ensino de

bioquímica. Dissertação- Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais.

MONTEIRO, V.; FRAGOSO, R. Avaliação entre pares. In: Actas do VIII Congresso Galaico-Português

de Psicopedagogia, 2005. Instituto Educação e Psicologia da Universidade Minho, 2005. Disponível

em:

Acesso em 02/10/2018.

MOREIRA, M.A.. Subsídios Teóricos para o Professor Pesquisador em Ensino de Ciências.

Comportamentalismo, Construtivismo e Humanismo. 1ª ed. Porto Alegre, 2009.

ORRICO, A. Mercado brasileiro de games já o quarto maior do mundo e deve continuar a crescer. O

Estado de São Paulo, São Paulo. 08 out. 2012. Disponível em:

http://www1.folha.uol.com.br/tec/1165034-mercado-brasileiro-de-games-ja-e-o- quarto-maior-domundo-e-deve-continuar-a-crescer.shtml>. Acesso em: 02 de novembro 2018.

SCATIGNO, A. C. Ensino de bioquímica no curso de nutrição em uma instituição de ensino superior

da rede particular: diagnósticos e intervenções. Tese de doutorado – Universidade de São Paulo.

.

SHAFFER, David Williamson. How Computer Games Help Children Learn. New York; Palgrave

MacMillian, 2006-a.

SOUSA, R.P.; MOITA, F. M. C. S. C.; CARVALHO, A. B. G. Tecnologias digitais na educação. Campina

Grande: EDUEPB, 2011. Disponivel em: http://static.scielo.org/scielobooks/6pdyn/pdf/sousa-9788578791247.pdf. Acesso em: 05 nov. 2018.

VALENTE, J. A. Aprendizagem Ativa no Ensino superior: a proposta de sala de aula invertida.

Departamento de Multimeios, Nied e GGTE. Unicamp e Ced – São Paulo. Sem Data

VARGAS, L. M. A. Bioquímica e a aprendizagem baseada em problemas. Revista Ensino Bioquímica.

v. 1, p.1-5. 2001

ZENI, A. L. B. Conhecimento prévio para a disciplina de bioquímica em cursos da área da saúde da

Universidade Regional de Blumenau-SC. Journal of Biochemistry Education, V.2, n.1, p. B1- B14,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.