JOGOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: UMA FORMA DINÂMICA DE APRENDER SOBRE OS ARTHOPODES

Osias Raimundo da Silva Junior

Resumo


As aulas de biologia no ensino médio necessitam de uma revitalização nas escolas em geral, para
serem capazes de comportar e ser flexível para a inclusão de outras formas interagir e avaliar os
alunos. O ensino de ciências apresenta grandes dificuldades por parte dos alunos na aquisição de
informações ali transmitidas pelo docente. Sabemos que uma das finalidades do sistema
educacional é proporcionar aos futuros cidadãos capacidades de aprender, para que sejam
aprendizes mais flexíveis, eficazes e autônomos. Os jogos, são reconhecidos pela sociedade como
meio de fornecer ao indivíduo um ambiente agradável, motivador, prazeroso, planejado e
enriquecido, que possibilita a aprendizagem de várias habilidades, por isso, os objetivos do presente
trabalho são expor a importância dos jogos no ensino de ciências e o quanto pode potencializar o
processo de ensino-aprendizagem. Os jogos sempre estiveram presentes na vida das pessoas, seja
como um modo de diversão, disputa ou como forma de aprendizagem, vários autores caracterizam
os jogos e brincadeiras como atividade ou ação própria, voluntária, espontânea e prazerosa,
rodeada por reforços positivos que podem ser direcionados para fins educativos. O presente
trabalho é fruto de um relato de experiência durante a disciplina de Estágio em Ensino de Biologia 2
com a aplicação do jogo de pergunta e resposta que foi realizado com 40 alunos da turma de 2ª C
do ensino médio. Enquanto joga o aluno desenvolve a iniciativa, a imaginação, o raciocínio, a
memória, a atenção, a curiosidade e o interesse, concentrando-se por longo tempo em uma
atividade. Por isso, também foi possível perceber a quebra do atual paradigma porque os alunos
começaram a fazer perguntas e tirar dúvidas baseados nas curiosidades que as perguntas do jogo
abordava, podendo preencher falhas onde a transmissão e a recepção dos conteúdos não ocorrem
de forma íntegra, colaborando assim para que o educando complemente seu conhecimento num
trabalho em grupo com interação entre outros indivíduos com entusiasmo e dinamicidade.


Texto completo:

PDF

Referências


BUSARELLO, R. I; UNBRICHT, V. R; FADEL, L. M. A gamifIcação e a sistemática de jogo: conceitos

sobre a gamificação como recurso motivacional. In: Gamificação, p. 11, 2014. Disponível em:

https://www.dropbox.com/sh/ehouta9y5d3rld4/AABA7K0omijM2CXW0ZrnpnN3a?dl=0&preview=e

Book+-+Teoria+de+Flow+e+Gamifica%C3%A7%C3%A3o++38+a+73.pdf

CUNHA, M. B. Jogos no Ensino de Química: Considerações Teóricas para sua Utilização em Sala de

Aula. QUÍMICA NOVA NA ESCOLA, Vol. 34, N° 2, p. 92-98, MAIO 2012. Disponível em:

http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc34_2/07-PE-53-11.pdf

DEBIAZI, R. Zi; DE ANDRADE, G. S. JOGOS PEDAGÓGICOS NO ENSINO DE ARTRÓPODES. Disponível

em:

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2012/2012

_unioeste_bio_artigo_rita_zanini_debiazi.pdf

FINO, C. M. N. (2001). Vygotsky e a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP): três implicações

pedagógicas. Revista Portuguesa de educação, 14, 273-291. Disponível em:

https://digituma.uma.pt/bitstream/10400.13/799/1/Fino%207.pdf

JANN, P; LEITE, M. F. Jogo do DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de ciências e biologia.

Ciências & Cognição, v. 15, n. 1, p. pp. 282-293, 2010. Disponível em:

http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/192/177

LIMA, R. M. UTILIZAÇÃO DE MODELOS DIDÁTICOS DE ARTRÓPODES COMO FERRAMENTA DE

APRENDIZAGEM NO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. 2017. Disponível em:

https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/2307/1/RML09082017.pdf

MORAES, V. A Motivação do Aluno durante o Processo de Ensino-aprendizagem. Revista Eletrônica de Educação. Ano I, n. 1, ago./dez., 2007. Disponível em

http://web.unifil.br/docs/revista_eletronica/educacao/Artigo_06.pdf

PEDROSA, C. V. Jogos didáticos no ensino de biologia: uma proposta metodológica baseada em

módulo didático. ANALES DE IX CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (EDUCERE) & III ENCONTRO

SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA. 2009. p. 3182-3190. Disponível em:

http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2009/2944_1408.pdf

POZO, Juan I. Aprendizagem de conteúdos e desenvolvimento de capacidades no ensino médio. In:

Coll, César et.al. Psicologia da aprendizagem no Ensino Médio. Rio de Janeiro: Editora. 2003.

SILVA, V. M; SILVA, J; GELLER, M. O uso de diferentes estratégias no ensino de artrópodes: relato de

uma experiência. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 1, p. 81-92,

Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2424/1824

VASCONCELLOS, C. S. Construção do conhecimento em sala de aula. 16ª edição. São Paulo:

Liberdad, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.