AS PRÁTICAS DE BIOLOGIA APENAS COMO MAIS UMA RESPONSABILIDADE A SER INCLUÍDA NAS METODOLOGIAS DE ENSINO, OU É UM RECURSO A FAVOR DA CONSTRUÇÃO DO SABER CIENTÍFICO? UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA. Rodrigo De Oliveira Santos

Rodrigo De Oliveira Santos, Priscila Santos Da Silva, Jandra Lucia De Souza Lima

Resumo


Na contemporaneidade as mudanças científicas e tecnológicas são contrastantes com poucas
décadas atrás. Tais mudanças ou evolução são reflexos de iniciativas e necessidades, que a
sociedade propõe, como melhoria na educação, saúde, dentre outras. Logo, a falta de interesse dos
alunos pela ciência muitas vezes se justifica pelas experiências que tiveram na escola. O objetivo do
trabalho é proporcionar material para a reflexão ao corpo docente, contribuindo assim para uma
auto avaliação nas metodologias de ensino trabalhadas. A pesquisa teve como processo
metodológico uma revisão bibliográfica, apontando as principais pesquisas sobre a temática. Dessa
forma, as práticas no ensino de biologia necessitam sair do viés da obrigatoriedade, e assim
contribuir não apenas na compreensão por parte do aluno no saber científico, mas estimulá-lo a
fazer parte da sua própria construção de conhecimento. A partir disso, as discussões acerca dos
processos de ensino aprendizagem, vem apontando o ensino vai muito mais além de um professor
chegar e “dar” sua aula, é precisa entender que cada aluno possui sua singularidade, e essas
singularidades precisam ser atendidas para que o ensino seja holístico.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. L. F; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: Um

desafio para professores de Ciências. Ciência & Educação, v.17, n.4, p. 835-854, 2011.

ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de Caso em Pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liber Livro

Editora, 2005.

Bizzo, N. (2008). Como eu ensino: pensamento científico, a natureza da ciência no ensino

fundamental. São Paulo: Melhoramentos.

Borges, A.T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de

Ensino de Física. v.19, n.3, p.291-313.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares

Nacionais: ciências naturais. 2. ed. Rio de Janeiro: DO & A, 2000.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação

nacional.

Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 11 novembro

de 18

CAMPANÁRIO, J. M.; MOYA, A. ¿Cómo enseñar ciencias? Principales tendencias y

propuestas. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 17, n. 2, p. 179-192, 1999.

D’AMBROSIO, U. Educação de Matemática. Da teoria a prática. Campinas, SP: Papirus,. P. 80. 1996.

CARVALHO, A. M. P. Building up explanations in physics teaching. International Journal of Science

Education, v. 26, n. 2, p. 225-237, 2004.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 7. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

DEMO, Pedro. Educação e conhecimento: relação necessária, insuficiente e controversa.

Petrópolis, Vozes, 2000.

FROTA-PESSOA, Oswaldo; GEVERTZ, Rachel; SILVA, Ayrton Gonçalves da. Como ensinar ciências.

ed. São Paulo: Nascional, 1985, 218.

HATHS Louis. E; JONAS Arthur; ROTHTEIN Arnold. M; WASSERMANN Selma. Ensinar a pensar. 2. ed,

São Paulo, EPU, 1977. 4 p

MELO, J.F.R. (2010). Desenvolvimento de atividades práticas experimentais no ensino de biologia

– um estudo de caso e uma proposta de material didático de apoio ao professor. 2010, 75 p.,

Dissertação (Mestre em Ensino de Ciências) – Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências,

Mestrado Profissional em Ensino de Ciências, Brasília.

MOREIRA, Marco Antônio.(1999). Aprendizagem significativa. Brasília: Editora da UnB. Revisado em

PILETTI, Claudino. (Org.) Didática especial. 6.ed. São Paulo: Ática S.A, 1988.

RESES, Gabriela de Leon Nóbrega. Didática e Avaliação no Ensino de Ciências Biológicas. Centro

Universitário Leonardo da Vinci – Indaial, Grupo UNIASSELVI, 2010.

POSSOBOM, C.C.F.; Okada, F.K.; Diniz, R.E.S. (2003). Atividades práticas de laboratório no Ensino de

Biologia e de Ciências: relato de uma experiência. In: Garcia, W.G.; Guedes, A.M. (Orgs.). Núcleos

de ensino, São Paulo: Unesp. Pró-Reitoria de Graduação, p. 113-123

RICHARDSON, Roberto J. e RODRIGUES, Luiz A. R. Investigação e Intervenção na Gestão Escolar/

Metodologia do Trabalho Científico. In Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação

Pública. Módulo III. Recife, 2013.

RONQUI, Ludimilla; SOUZA, Marco Rodrigo de; FREITAS, Fernando Jorge Coreia de. A importância

das atividades práticas na área de biologia. Revista científica da Faculdade de Ciências Biomédicas

de Cacoal – FACIMED. 2009. Cacoal – RO. Disponível em:

http://www.facimed.edu.br/site/revista/pdfs/8ffe7dd07b3dd05b4628519d0e554f12.pdf. > Acesso

em 28 de Outubro de 2018.

SILVA, F.S.S. da.; Morais, L.J.O.; Cunha, I.P.R. (2011). Dificuldades dos professores de Biologia em

ministrar aulas práticas em escolas públicas e privadas do município de Imperatriz (MA). Revista

UNI, Imperatriz, MA, n. 1, p. 135-149.

VASCONCELLOS, C. D. S. Planejamento: plano de ensino: aprendizagem e projeto educativo. 4.ed.

São Paulo: Libertad, 1995.

VON LINSINGEN, Luana. Ciências Biológicas e os PCNs. Centro Universitário Leonardo da Vinci –

Indaial, Grupo UNIASSELVI, 2010.

VIVIANI, Daniela; COSTA, Arlindo. Práticas de Ensino de Ciências Biológicas. Centro Universitário

Leonardo da Vinci – Indaial, Grupo UNIASSELVI, 2010.

TOKARNIA, Mariana - Graduação em química, física, matemática e ciências biológicas tem queda

em 2012. Disponível em: < http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-18/graduacao-emquimica-fisica-matematica-e-ciencias-biologicas-tem-queda-em-2012. > Acesso em 26 de outubro

de 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.