PRÁTICAS ECOPEDAGÓGICAS: PROMOÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL TRANSFORMADORA

Vycttor Mateus de Melo Alves da Silva, Renan Belém da Silva, Carlos Augusto Batista de Sena, Rebeka Rayane Araujo de Lima

Resumo


A atividade intensa e contínua das práticas antrópicas sobre o planeta gera diversos impactos, que
cada vez mais tornam-se irreversíveis, afetando a qualidade de vida da sociedade e da biosfera
como um todo. Se faz necessário que haja incentivos a mudança de paradigmas referente as
práticas antiambientalistas e degradativas que ocorrem incessantemente, com sua maioria
ocasionada por estilos de vida baseados em práticas capitalistas. A educação ambiental na escola
sofre com dificuldades de cunho metodológico, onde as aulas apresentam conteúdos superficiais e
pouco capazes de compor uma educação transformadora. Além disso, não é dado o devido valor às
temáticas relativas ao ambiente, pois dessa forma estimularia a reflexão crítica, que não é bemvinda pelos sistemas educacionais, os quais resguardam uma pedagogia clássica baseada na
memorização e fragmentação do conteúdo. Por meio de uma pesquisa bibliográfica exploratória e
vivências num SAF (Sistema Agroflorestal), foi observado que o ambiente natural proporciona a
percepção e compreensão de fenômenos biológicos, além de promover o melhoramento das
relações interpessoais, o que torna essa e outras práticas ecopedagógicas alternativas bastante
condizentes com a atual conjuntura social, política e educacional do país.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTO, S. O Tecnicismo Pedagógico e o Professor Reflexivo: Convergências e Divergências da

Prática Pedagógica Docente. IV Seminário Internacional sobre Profissionalização Docente, Curitiba,

AVANZI, M. R. Ecopedagogia In: Identidades da Educação Ambiental Brasileira, Ministério do Meio

Ambiente (Org.) Brasília, 2004.

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra: Ecopedagogia e educação sustentável. In: Torres, C.A. (Org.) Paulo

Freire y la agenda de la educación latinoamericana en el siglo XXI. Buenos Aires: CLACSO, 2001.

JACOBUCCI, Daniela Franco Carvalho. Contribuições dos espaços não formais de educação para a

formação da cultura científica. Em extensão, Uberlândia, v.7, 2008.

LEAKEY, R. E. A origem da espécie humana / Richard Leakey; tradução de Alexandre Tort;

coordenação editorial: Leny Cordeiro — Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

LOUREIRO, C. F. B. Premissas Teóricas Para Uma Educação Ambiental Transformadora. Ambiente e

Educação, Rio Grande, 8: 37-54, 2003.

LOUV, R. Last Child in the Woods: Saving Our Children from Nature-Deficit Disorder. Workman

Publishing Company, 2005, p. 98-101.

MARIANO, D. L. S; MELO, J; LEMOS JR, I. O ensino de Sucessão Ecológica através de conceitos

Agroecológicos em Sistemas Agroflorestais (SAF’s). Scientia Plena, v. 9, n. 9, 2013.

OLIVEIRA, A. M. S. Relação homem/natureza no modo de produção capitalista. PEGADA-A Revista

da Geografia do Trabalho, v. 3, 2002.

Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco: Parâmetros curriculares de Ciências

Naturais – Ensino Fundamental. Governo do Estado de Pernambuco, 2013.

Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco: Parâmetros curriculares de Ciências

Naturais – Ensino Médio. Governo do Estado de Pernambuco, 2013.

SENICIATO, T.; CAVASSAN, O. Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências:

um estudo com alunos do ensino fundamental. Ciência & Educação (Bauru), p. 133- 147, 2004.

SILVA, T. C; ALBUQUERQUE, U. P. O que é Percepção Ambiental? In Introdução à Etnobiologia,

Ulysses Paulino de Albuquerque (Org.). Recife, PE, 1º ed., NUPEEA, 2014.

SILVA, V. M. M. A.; SILVA, L. L.S. Uso Da Reciclagem na Produção de Materiais Didáticos, Como

Forma de Promover a Conscientização Ambiental. IV CONEDU, João Pessoa, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.