A CARTEIRA DE SARITA: as (im)possibilidades de alunas travestis e transexuais na educação escolar.

Fábio de Carvalho CORDEIRO, Émina Márcia Nery dos SANTOS, Raimundo Alberto Figueiredo DAMASCENO

Resumo


Este artigo discute aspectos do processo de escolarização formal de alunas travestis e transexuais, tendo por objetivo; debater algumas das dificuldades enfrentadas no cotidiano escolar. Entre as dificuldades enfrentadas serão discutidas uso o nome social; a reivindicação pelo uso do banheiro feminino e as resistências enfrentadas devido à falta de uma política de inclusão que reconheça as demais identidades de gêneros e suas necessidades; por fim, a interação das estudantes trans com os demais alunos e alunas da escola. Pressupondo, deste modo, que o processo formal de escolarização destes sujeitos revela-se difícil e penoso. Foi utilizada como metodologia, para construção deste trabalho, análise bibliográfica e entrevista com um membro do movimento social e aluna travesti da educação básica do estado do Pará.


Palavras-chave


Identidade Trans; Transfobia; Evasão Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


BORTOLINI, Alexandre. Diversidade Sexual na Escola. Rio de Janeiro: Editora PUFRJ, 2008.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivo do “sexo”. LOURO, Guacira Lopes (org.). Belo Horizonte: Autentica Editora, 2000.

BRAGA, Denise da Silva. Experiência transexual: estigma, estereótipo e desqualificação social nos intramuros da escola. Periferia: Revista de Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 1-20, 2012.

CÉSAR, Maria Rita de Assis. Um nome próprio: transexuais e travestis nas escolas brasileiras. FILHA, Constantina Xavier (org.). Campo Grande: Editora UFMS, 2009.

FOUCAULT, Michael. História da sexualidade: A vontade de saber. São Paulo. Editora: Paz e Terra, 2014.

FRANCO, William. Estudante travesti vive dilema por não poder usar banheiro feminino de escola. Campo Grande: MS Record, 2013.

PARO, Denise. Entidades querem que a escola use nome social. Gazeta do povo. Curitiba, 07/01/2009

LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012.

PARÁ. Portaria nº 16, de 10 de abril de 2008. Belém: Diário Oficial do Estado do Pará, 2015.

PARO, Denise. Entidades querem que escola use nome social. Curitiba: Gazeta, 2009.

REIS, Antônio Luiz Martins dos. O silêncio está gritando: A homofobia no ambiente escolar, um estudo qualitativo no ensino fundamental de escolas públicas em Curitiba. Tese de Doutorado, Universidade de la Empresa, 2012.

SANTOS, Dayana Brunetto Carlin dos. Cartografia da transexualidade: a experiência escolar e outros tramas. Dissertação de Mestrado. PPGE, Universidade Federal do Paraná, 2010.

SANTOS, Dayana Brunetto Carlin dos. Nome Social de travestis e transexuais na escola básica: Política Pública Afirmativa ou capricho? In: IX Congresso Nacional de Educação, Curitiba, 2009.

SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Editora Vozes, 2012.




DOI: https://doi.org/10.51359/2359-1382.2020.247509

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

 

This work is licensed under a Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR