Riobaldo: entre líderes e mitos

Eduardo Melo França

Resumo


O presente texto tenta, sob o prisma psicanalítico e também recorrendo às idéias presentes na “Dialética do Esclarecimento” de Adorno, evidenciar como Riobaldo se mostra um personagem moderno, absolutamente individualizado diante da desubjetividade dos jagunços e, surpreendentemente, também dos lideres dos bandos. Acreditamos que, a fim de ascender como sujeito idiossincrático, ele precisará assumir, enquanto verdade, a “dúvida”, e desconstruir todas as certezas nascidas num Sertão ainda épico, dominado por figuras míticas inquestionáveis, isto é, os grandes líderes da jagunçagem.

Texto completo:

PDF

Referências


FREUD, Sigmund. Psicologia de grupo e a análise do ego. In: — Obras

Completas. Rio de Janeiro, Imago, 1976, vol XVIII.

HORKHEIMER, Marx. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. São Paulo: Duas Cidades; ed. 34, 2000.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, 1986.

SARDUY, Severo. O barroco e o neobarroco. In: América Latina em sua literatura. Perspectiva: São Paulo, 1972.

SOUZA, Alduísio M. de. Os impasses do amor. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.