O estatuto sociocognitivo do contexto na orientação argumentativa das práticas referenciais

Edwiges Maria Morato

Resumo


Este texto tem o objetivo de discutir o estatuto do contexto na compreensão da orientação argumentativa das práticas referenciais de pessoas afásicas que apresentam alterações em sua capacidade de realizar operações metalingüísticas. Com base na descrição dos movimentos realizados pelos sujeitos no decurso de um episódio interativo com vistas à construção e à negociação do sentido de uma determinada expressão idiomática, procuramos entrever e analisar dois aspectos do percurso (e do papel) sociocognitivo do contexto: incorporação e emergência (cf. Hanks 2008).

Texto completo:

PDF

Referências


AUTHIER-RÉVUZ, Jacqueline. 1998. As palavras incertas. Campinas: Ed. da Unicamp.

FURLANETTO, Maria Marta. 2001. P-PRIME e produção lingüística: percepção e preconceito. Revista Linguagem em (Dis)curso. (2)1.

HANKS, William. F. 2008. O que é contexto. In: BENTES, A. C.; REZENDE, R. C.; MACHADO, M. A. R. (Orgs.). Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez.

JUBRAN, C.; URBANO, H.; FÁVERO, L. L.; KOCH, I. G. V.; RISSO, M. S. et alii. 1992. Organização tópica da conversação. In: ILARI, R. (org.). Gramática do Português Falado, 2: Níveis de Análise Lingüística. Campinas: Edunicamp/FAPESP, p. 357-479.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. 1996. Texte et Contexte. In: SCOLA. Sciences Cognitives, Linguistique & Intteligence Artificielle 6:40-59. KOCH, Ingedore G.V. 2002. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez.

______. 2004. Introdução à lingüística textual. São Paulo: Martins Fontes.

______.2005. Referenciação e orientação argumentativa. In: KOCH, I. G. V.; MORATO, E.; BENTES, A. C. (Orgs.). Referenciação e Discurso. São Paulo: Contexto.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. 2003. Do código para a cognição: o processo referencial como atividade cognitiva. Veredas 13: 43-62.

MONDADA, Lorenza; DUBOIS, Danièlle. 1995. Construction des objets de discours et catégorisation: une approche des processus de référentiation. Berrendonner, A. & M-J. Reichler- Béguelin.Tranel 23: 273-302.

______. 2004. L’analyse de corpus dans la perspective de la linguistique interactionnelle: des analyses de cas singuliers aux analyses de collections. In. CONDAMINE, A. (Ed.), Sémantique et corpus, Paris: Hermès

MORATO, Edwiges M. 2007. Aportes da perspectiva sociocognitiva às ações terapêuticas: a experiência do Centro de Convivência de Afásicos (CCA-Unicamp). In: SANTANA, A. P.; BERBERIAN, A. P.; GUARINELLO, A. C.; MASSI, G. Abordagens grupais em Fonoaudiologia — contextos e aplicações. São Paulo: Plexus.

______. et alli. 2006. Tratamento de dados multimodais em práticas interativas de pessoas afásicas e não afásicas registradas em aúdio e vídeo no Centro de Convivência de Afásicos (Laboratório de Neurolingüística - Instituto de Estudos da Linguagem/Unicamp). Relatório Final — Pesquisa CNPq — Edital Humanas 32.

______. 2005. Metalinguagem e referenciação: a reflexividade enunciativa nas práticas referenciais. In: KOCH, I. G. V.; MORATO, E.; BENTES, A. C. (Orgs.). Referenciação e Discurso. São Paulo: Contexto. SACKS, H.; SCHEGLOFF, E. A; JEFFERSON, G. 1974. A simplest systematics for the organization of turn-talking for conversation, Language 50.

SALOMÃO, Maria Margarida. 1999. A questão da construção do sentido e a revisão da agenda dos estudos da linguagem. Veredas 3(1) 6179.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.