Metáforas da Doença de Alzheimer: entre o metadiscurso científico e a vida cotidiana

Edwiges Maria Morato, Josie Helen Siman

Resumo


Neste artigo discutimos a emergência de metáforas no discurso de especialistas e leigos ao se referirem à Doença de Alzheimer (DA). Focalizamos particularmente os modos de agir intencional atribuídos à DA que, além de evocarem determinados frames, o fazem de modo a personificar a patologia como um invasor, um inimigo, etc.  Além de reconhecermos a relevância dos desdobramentos da TMC (LAKOFF; JOHNSON, 1980/2002), como a relação entre metaforicidade e outros enquadres cognitivos, procuramos compreender melhor certos fenômenos sociocognitivos, como a conceptualização da DA. Os dados foram extraídos da pesquisa de mestrado de Siman (2015).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.