A abordagem freiriana nas relações étnico-raciais no contexto escolar: a pretagogia na educação de jovens e adultos

Esther Costa Mendonça

Resumo


As relações étnicorraciais estão presentes em todos os contextos sociais e a escola contemporânea deve compreender essas dinâmicas e colaborar com o seu sucesso. Abordar essa temática em educandos da Educação de Jovens e Adultos é um desafio ao professor uma vez que sendo esse público composto por indivíduos adultos com visões e opiniões já definidas, ao educador é apresentada a missão de trabalhar a temática fugindo da ótica proselitista, compreendendo e ensinando que as relações étnico-raciais devem ser lineares e respeitosas. Nessa perspectiva as abordagens freirianas colaboram tanto com a alfabetização desse público, desvendando o mistério da leitura de palavras, como com o seu desenvolvimento crítico, na leitura do mundo, com o auxílio das práticas pretagógicas, a abordagem da temática efetiva-se segura e objetiva. A fim de ilustrar como essa interpelação pode ocorrer, o presente trabalho propõe uma análise histórica da categoria de Educação de Jovens e Adultos, desvelando seus objetivos ao passar dos tempos e analisando a sua atuação na sociedade corrente. Para tal, recorreu-se à uma pesquisa bibliográfica entre a obra freiriana e autores correspondentes. Ao final, foi possível constatar que a atuação da perspectiva freiriana aliada à outras abordagens permitem mudanças diretas e necessárias para o equilíbrio social.


Texto completo:

p. 7

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

COELHO, Mauro Cezar. Do sertão para o mar: um estudo sobre a experiência portuguesa na América: o caso do Diretório dos Índios (1750-1798). São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016.

DURKHEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico. São Paulo, Martins Fontes. 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos/Paulo Freire. São Paulo. Editora Unesp. 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 8ª Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. 93 p. (Coleção o Mundo Hoje). Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira.

FREIRE, Paulo. A Educação como Prática da liberdade. 23ª. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné-Bissau: Registros de uma experiência em processo. São Paulo: Paz e Terra, 1984.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. Porto Alegre, Ed. Artes Médicas, 2000.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Paco Editoral, 2003.

MARX, Karl. Glosas críticas marginais ao artigo “O rei da Prússia e a reforma de social” de um prussiano. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MARX, K. Vorwort zur Kritik der politischen Ökonomie. In: MARX, K.; ENGELS, F. Werke (MEGA). Berlin: Dietz, 1983, v. 13, p. 9.

MOURA, Maria da Gloria Carvalho. Educação de Jovens e Adultos: um olhar sobre sua trajetória histórica/ Maria da Glória Carvalho Moura. Curitiba: Educarte, 2003.

MENDONÇA, Esther Costa. Currículo, Diálogos com a História. IV Seminário Estadual de Práticas Educativas, Memórias e Oralidades / Lia Machado Fiuza Fialho, Cristine Brandenburg e Francisca Genifer Andrade de Sousa (Orgs.). - Fortaleza: EdUECE, 2017.

NISKIER, Arnaldo. Educação brasileira: 500 anos de história, 1500-2000.7. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1989

PETIT, Sandra Haydée, Pretagogia: Pertencimento, Corpo-Dança Afro ancestral e Tradição Oral Contribuições do Legado Africano para a Implementação da Lei Nº 10.639/03. Fortaleza: EdUECE, 2015.

RANGEL, Elba Alonso. Jovens e adultos trabalhadores pouco escolarizados no Brasil: problema estrutural para o desenvolvimento nacional. 2011. Trabalho de Conclusão de curso (Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia). Rio de Janeiro, 2011. Disponível em:

olarizados%20no%20Brasil%20-%20(2).pdf> Acesso em: 02 de dezembro 2019.

SECO, A. P. e AMARAL, T. C. I. do. Marquês de Pombal e a reforma educacional brasileira. 2006. In http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/periodo_pombalino_intro.html. Acesso em 10 de março de 2018.

SILVA, Geranilde Costa e. Pretagogia, construindo um referencial teórico-metodológico de base africana para a formação de professores/as/Geranilde Costa e Silva. – Fortaleza:Imprece:2019.

SILVA, Marcio Ferreira da; AZEVEDO, Marta Maria. Pensando as Escolas dos Povos Indígenas no Brasil: O Movimento dos Professores Indígenas do Amazonas, Roraima e Acre. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donizete Benzi. A temática indígena na escola: Novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. São Paulo: Global, 2004.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

SOUZA, M. A. Educação de jovens e adultos. Curitiba: Ed. Ibepx, 2007.

http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2013/04/1-turma-do-metodo-paulo-freire-se-emociona-ao-lembrar-das-aulas.html. Acessado em 19 de março de 2019.

http://divulgacandcontas.tse.jus.br/candidaturas/oficial/2018/BR/BR/2022802018/280000614517/proposta_1534284632231.pdf. Acessado em 24 de março de 20119.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos de Estudos e Pesquisa na Educação Básica

Indexadores: