SOBRE O MORRER DO ANIMAL - UMA PROJEÇÃO COM DESEJOS ÉTICOS

Wellington Amâncio Da Silva

Resumo


Este ensaio é fruto da conferência de abertura das atividades do presente ano referentes ao Grupo de Estudo Nietzsche e Indigência. Esboçamos aqui algumas impressões gerais sobre o animal, no sentido de corpo e não de corpo outro não identitário (Derrida, 2002). Discorremos sobre a condição de morte do corpo do animal a partir de uma metodologia dicotômica entre o que é o corpo do animal e o que pensamos deste corpo para a morte, corriqueiramente.  Iniciamos a discussão sobre “órgão-instrumental” e “órgão-função” para tentar entender a presença do corpo do animal mamífero na Natureza.

 


Palavras-chave


morte do animal; corpo do animal; sentido e presença do animal

Texto completo:

PDF

Referências


DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Tradução Fábio Landa. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Production of Presence: what meaning cannot convey. Stanford: Stanford University Press, 2004.

LAVELLE, Louis. O mal e o sofrimento. São Paulo: É realizações, 2011.

LANDSBERG, Paul Ludwig, Ensaio sobre a experiência da morte e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

LONDE, José; DA SILVA, Wellington Amâncio. Discurso sobre o mundo como hospício e monstruosidade. In, PROMETEUS - Ano 10 - Número 24 – setembro – dezembro 2017

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SAFRANSKI, Rüdiger. Nietzsche: biografia de uma tragédia. Tradução de Lya Luft. São Paulo: Geração Editorial, 2001.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2019.v2.n5.p222-230



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.