A aula não é mais presencial, e agora? Tecnologias e experiências docentes em tempos de COVID-19

Keila Mendes dos Santos

Resumo


A pandemia do coronavírus trouxe uma nova realidade para o contexto educacional com a transposição das aulas presenciais para modelos não presenciais em todos os níveis de ensino. No âmbito educacional, os docentes se viram repentinamente tendo que adaptar suas práticas, o que evidenciou desafios distintos. Partindo deste contexto, o estudo ora proposto tem por objetivo investigar as experiências educativas vivenciadas pelos professores e os seus posicionamentos ao terem que migrar suas aulas do contexto presencial para o ensino remoto, observando as principais problemáticas, como também os aspectos que favoreceram o processo de ensino e aprendizagem. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, configurada como estudo de caso, tendo como participantes oito professores de língua inglesa da educação básica. Os dados foram coletados via questionário elaborado no Google formulários e os links enviados aos participantes pelo aplicativo WhatsApp. Os resultados apontam que, apesar dos desafios do primeiro impacto com a nova modalidade, principalmente na descoberta e utilização de melhores recursos, como também problemas envolvendo formação, conexão e participação dos alunos nas aulas, estes vêm se adaptando gradativamente ao novo contexto.


Palavras-chave


pandemia, Coronavírus; Ensino remoto; Língua inglesa; Desafios.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v11i2.248131

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br