De Geometria e Geometrizando: Caminhos para a Criatividade

Neusa Cavalcante, Maria Cláudia Candeia, Eliel Américo Santana da Silva

Resumo


O artigo apresenta um apanhado de experiências de ensino e descreve os princípios e métodos adotados na disciplina de Geometria Construtiva da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB). Por meio do estudo de modelos e padrões geométricos, a disciplina foi criada com o objetivo de exercitar o raciocínio espacial e desenvolver a capacidade de abstração, propondo situações aplicáveis à arte e à arquitetura. Considerando as dificuldades no ensino de composição plástica nos cursos de arquitetura do país, o artigo tem como objetivo apresentar um método que, servindo de aporte às disciplinas de projeto e representação, possa contribuir para o debate em torno de melhorias curriculares. São apresentados as etapas de elaboração dos trabalhos, os resultados, as vivências e as respostas às estratégias pedagógicas adotadas. O método desenvolve-se mediante uma série de exercícios conceituais e práticos apoiados em aulas expositivas que servem de motivação e suporte para cada um dos temas.


Palavras-chave


geometria; geometria construtiva; educação artística; criatividade.

Texto completo:

PDF

Referências


ARÍS, Carlos Martí. Abstracción en arquitectura: una definición. Barcelona: Universitat Politecnica da Catalunya/DPA, 2000. Disponível em: https://issuu.com/maearq_med/docs/dpa16_abstraccion. Acesso em: 12 fev. 2019.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

CHIPP, Herschel Browning. Teorias da arte moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

COSTA, Lucio. Ministério da Educação e Saúde, Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP). Desenho [programa de desenho para o ensino secundário]. Rio de Janeiro: Arquivo Gustavo Capanema CPDOC/FGV, 1942.

DE MASI, Domenico. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

______. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

FELLINI, Federico. Eu sou um grande mentiroso: entrevista a Damien Pettigrew. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

FRACCAROLI, Caetano [1952]. A percepção da forma e sua relação com o fenômeno artístico: o problema visto através da Gestalt (psicologia da forma). São Paulo: FAUUSP, 1982.

GOROVITZ, Matheus. Da educação do juízo de gosto. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 79, n. 193, 1998. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/1020/994. Acesso em: 27 fev. 2019.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 2000.

MARCUSE, Herbert. A dimensão estética. Tradução de: Maria Elisabete Costa. Lisboa: Edições 70, 1986.

OSTROWER, Fayga. Universos da arte. 24. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

PALLASMAA, Juhani. As mãos inteligentes: a sabedoria existencial e corporalizada na arquitetura. Trad. Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Bookman, 2013.

PUIG, Armand. La Sagrada Familia según Gaudí. Barcelona: El Aleph Editores, 2011.

SARAMAGO, José. A caverna. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

WEISS, Paul. Organic forms: scientific and aesthetic aspects. In: KEPES, Gyorgy (ed.). The visual arts today. Middletown: Wesleyan University, 1960, p. 177-190.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.