DJs, Magnatas e Regueiros: considerações sobre o reggae na ilha de São Luis

Rogério Costa

Resumo


Este texto trata dos processos de construção e estruturação do circuito reggae em São Luís. Considerada Jamaica Brasileira, a cidade desenvolve, sob modelo com peculiaridades locais, um circuito cultural bastante popularizado, assentado nas atividades de quatro importantes agentes: o magnata/radioleiro, que detém todo o aparato material (financeiro e midiático) que suporta o circuito, o disc jockey (DJ), que emerge como a estrela dos espetáculos de reggae nos salões de dança e, enfim, o regueiro, aquele que sustenta toda a cadeia produtiva, através de consumo de discos e aquisição dos ingressos e materiais referentes ao reggae no Maranhão. Esse desenho assim se faz, por verificar-se a força desse gênero no meio popular, a partir de suas configurações locais, assentadas nos mais diferentes estudos da música de massa na atualidade.

Palavras-chave


reggae; música de massa; cultura contemporânea

Texto completo:

PDF

Referências


AGIER, Michel. Distúrbios identitários em tempos de globalização. Mana, out. 2001, vol.7, no. 2, p.7-33. ISSN 0104-9313. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em 03 de novembro de 2005.

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. Tradução de Sérgio Miceli. São Paulo: Perspectiva, 2001.

CANAVIEIRA, Eduardo Júlio da Silva. A música antiga no atual contexto cultural brasileiro. In: MARQUES, Francisca Ester de Sá (org.). Jornalismo Cultural: da memória ao conhecimento. São Luís: EdUFMA, 2005.

DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

FOUCE, Héctor. Géneros musicales, experiencia social y mundos de sentido. In: Revista ECO-PÓS/UFRJ – Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Escola de Comunicação. Vol. 09, n. 1(2006). Rio de Janeiro: ECO/UFRJ, 2006.

JANOTTI JÚNIOR, Jeder. Mídia e música popular massiva: dos gêneros musicais aos cenários urbanos inscritos nas canções. In: PRYSTHON, Ângela (org.). Imagens da cidade: espaços urbanos na comunicação e cultura contemporâneas. Porto Alegre: Sulina, 2006.

LEME, Mônica Neves. Que tchan é esse?: Indústria e produção musical no Brasil dos anos 90. São Paulo: Annablume, 2003.

TATIT, Luiz. Musicando a Semiótica: ensaios. São Paulo: Annablume, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo: editora 34, 1998.

TINHORÃO, José Ramos. Pequena história da música popular: da modinha à lambada. 6 ed. São Paulo: Art. Editora, 1991.

WWW.REGGAE.COM.BR. Acesso em 23 de abril de 2007


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Diretórios e Indexadores: Sumários, LivRe/CNEN, Periódicos UFPE, .periódicos. CAPES (em atualização).

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil