Distopia e Música: uma análise das representações de música e produção musical em 1984 e Admirável Mundo Novo e Farenheit 451

Carolina Figueiredo

Resumo


O presente artigo analisa as representações de música e dos sistemas de produção musical descritos nas seguintes distopias literárias: 1984, Admirável Mundo Novo e Farenheit 451. Tomamos tais obras como base para a nossa análise pois elas representam, ainda que de forma ficcional, uma visão sobre a música que é produzida e consumida em massa e seus usos como ferramenta de propaganda ideológica e de incentivo à padrões de comportamento e consumo. Tentamos fazer tal análise numa perspectiva que se aproxima à da proposta por Adorno e Horkheimer em seu conceito de Indústria Cultural.

Palavras-chave


música; produção musical; indústria cultural

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, W. O fetichismo na música e a regressão da audição. In: Adorno. Coleção os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

ADORNO, W.; HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

BENJAMIN, Walter. A Obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica (1936). In: A idéia do Cinema. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BRADBURY, Ray. Farenheit 451. Rio de Janeiro: Globo, 2000.

HUXLEY, Aldous. Admirável Mundo Novo. São Paulo: Abril, 1981.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil