O Cinema como Paradigma Televisivo

Juliano José de Araújo

Resumo


Pensar a linguagem da televisão não é tarefa fácil. O texto audiovisual encontra-se em um processo de constante (re) evolução, sobretudo diante das possibilidades abertas pelas novas tecnologias da comunicação, como por exemplo, os recursos de pós- produção dos sistemas de edição digital. Partindo da hipótese de que o cinema é o principal paradigma televisivo, este artigo objetiva resgatar as influências do cinema na configuração da linguagem televisiva. Os nomes de David Griffith, Sergei Eisenstein e Dziga Vertov foram eleitos como expoentes da produção cinematográfica das primeiras décadas do século passado cujas estratégias de produção estão presentes até hoje nos principais gêneros televisuais. 


Palavras-chave


cinema; intersecção de linguagens; televisão

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Juliano José de. O telejornal como ato de presença. In: Cadernos de Semiótica Aplicada. v. 6, n. 2, dez. 2008. Disponível em http://www.fclar.unesp.br/seer/index.php? journal=casa

BORDWELL, David. O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos. In: RAMOS, Fernão Pessoa (Org.). Teoria contemporânea do cinema: documentário e narratividade ficcional. Volume II. São Paulo: Senac, 2005.

CAMPOS, Jorge. A caixa negra: discurso de um jornalista sobre o discurso da televisão. Porto: Editora da Universidade Fernando Pessoa, 1994.

EISENSTEIN, Sergei. O encouraçado Potemkin. São Paulo: Global, 1982

EISENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

FECHINE, Yvana. Produção de sentido por meio do sincretismo de linguagens. Revista Comunicação Midiática: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação. Universidade Estadual Paulista. n. 3. Bauru (SP), ago. 2005.

FIORIN, José Luiz. Para uma definição das semióticas sincréticas. 2006. Publicação eletrônica [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por julesaraujo@terra.com.br em 1 jun. 2006.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Diccionario razonado de la teoría del lenguaje. Tomo II. Madrid: Gregos, 1991, p. 148.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. L’enonciation: une posture epistemologique”. In: Significação – Revista Brasileira de Semiótica. n. 1, 1974.

JOST, François. “A televisão entre a ‘grande arte’ e a arte pop”. In: Revista Comunicação Midiática: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação. Universidade Estadual Paulista. n. 5. Bauru (SP), ago. 2006.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. 4. ed. São Paulo: Senac, 2005.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas & pós-cinemas. Campinas (SP): Papirus, 1997.

MACHADO, Arlindo; VÉLEZ, Marta Lúcia. Persistência da reality TV. In: Significação: Revista de cultura audiovisual. Primavera – verão de 2009.

MANOVICH, Lev. Understanding hybrid media. In: Lev Manovich Homepage.

MAYER, Vicki. A vida como ela é/pode ser/deve ser? O programa Aqui Agora e cidadania no Brasil. In: Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo, volume 29, número 1, p. 15-37, jan./jun. 2006.

O ENCOURAÇADO Potemkin. Direção: Sergei Eisenstein. URSS. 1925.

O NASCIMENTO de uma nação. Direção: David W. Griffith. Estados Unidos. 1915.

PIGNATARI, Décio. Signagem da televisão. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984.

UM HOMEM com uma câmera. Direção: Dziga Vertov. URSS. 1925.

XAVIER, Ismail (Org.). A experiência do cinema: antologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal: Embrafilme, 2003.

XAVIER, Ismail. D. W. Griffith: o nascimento de um cinema. São Paulo: Brasiliense, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Diretórios e Indexadores: Sumários, LivRe/CNEN, Periódicos UFPE, .periódicos. CAPES (em atualização).

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

© 1996-2017 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil