Jornalismo de Bolso: formação para produção da notícia a partir de dispositivos móveis

Diego Gouveia Moreira, Kety Luzia de Amorim Marinho, Andrea de Lima Trigueiro de Amorim, Sheila Borges de Oliveira

Resumo


Os smartphones têm alterado as dinâmicas para produção das notícias. Atualmente, repórteres e cidadãos geram conteúdos a partir desses equipamentos. O objetivo deste artigo é apresentar técnicas, metodologias e procedimentos de uso do Jornalismo de Bolso como uma possibilidade para formação de profissionais de Comunicação e cidadãos diante da necessidade de produzir notícia a partir de dispositivos móveis. Para isso, será realizada uma revisão bibliográfica em torno de conceitos importantes para compreensão do fenômeno, bem como apresentação de métodos e técnicas que têm sido aplicados no ensino de práticas do Jornalismo de Bolso. Por fim, propõe um caminho possível na produção do Jornalismo de Bolso.


Palavras-chave


Jornalismo de Bolso; Notícia; Smartphones

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, C.; BELL, E., SHIRKY, C. Revista de Jornalismo – ESPM. Jornalismo Pós-industrial: adaptação aos novos tempos. São Paulo, ano 2, nº 5, p. 30-81, abr./mai./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em 30 junho 2017.

AMORIM, Jefte. Economia criativa e desenvolvimento local: análise das apropriações do Programa Bombando Cidadania pelos comunicadores da Bomba do Hemetério, Recife - PE. Dissertação de Mestrado. Recife: Posmex/UFRPE, 2015

BORGES, Sheila. O repórter-amador. Recife: Cepe, 2015.

BRASIL. Ministério da Cultura. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações 2011-2014. Brasília, 2011.

BRIGGS, M. Jornalismo 2.0: como sobreviver e prosperar. Texas: Knight Center for Journalism, 2007.

DELWICHE, Aaron; HENDERSON, Jennifer Jacobs. The participatory cultures handbook. New York/London: Routledge, 2013. p. 3-8.

FECHINE, Yvana; GOUVEIA, Diego; ALMEIDA, Cecilia; COSTA, Marcela; ESTEVÃO, Flávia. Como pensar os conteúdos transmídias na teledramaturgia brasileira? Uma proposta de abordagem a partir das telenovelas da Globo. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de (org.). Estratégias de Transmidiação na Ficção Televisiva Brasileira. Porto Alegre: Sulina, 2013. p. 19-60.

JENKINS, Henry. A cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

______. Spreadable Media. New York: New Yor University Press, 2013. 349 p.

JOSEPHI, B. Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo – Brazilian Journalism Research. Profissionalismo Jornalístico na Era Digital. Brasília, vol.12, n.3, 2016.

KEEN, A. O culto do Amador: como blogs, MySpace, YouTube e a pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores. Trad. Maria Luiza Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

KOVACH, B.; ROSENSTIEL, T. Os Elementos do Jornalismo: o que os jornalistas devem saber e o público exigir. São Paulo: Geração Editorial, 2003.

LÉVY, Pierre. O ciberespaço como um passo metaevolutivo. FAMECOS, n. 13, dez. 2000.

LINS, Aline Maria Grego; TRIGUEIRO, Andrea. A formação em comunicação e o perfil profissional na Região Nordeste do Brasil: possíveis horizontes. In: ALMEIDA, Fernando Ferreira de; CARRILHO, Kleber; BASTOS, Robson. Fórum Ensicom: realidades e perspectivas do ensino de comunicação no Brasil. São Paulo: INTERCOM, 2017.

LIU, Sophia B.; ZIEMKE, Jen. From cultures of participation to the rise of crisis mapping in a networked world. In: DELWICHE, Aaron; HENDERSON, Jennifer Jacobs (orgs.). The participatory cultures handbook. New York/London: Routledge, 2013. p. 3-8.

MASCELLI, Joseph V. Os cinco cs da cinematografia. São Paulo: Summus Editorial, 2010.

MÉDOLA, A. S. L. D.; OLIVEIRA, B. J. Audiovisual panorâmico para dispositivos móveis: reconfigurações em tela, imersão e instância narradora. XXV Encontro Anual da Compós, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 de julho de 2017.

PRIMO, A. Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e organizações; blogs, twitter, facebook e flipboard. Anais eletrônico. SBPJor – Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 9º. Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. Rio de Janeiro, ECO- Universidade Federal do Rio de Janeiro, novembro de 2011. 1 CD-ROM.

RAMOS, Daniela Osvald; SPINELLI, Egle Müller. Iniciativas de Jornalismo Independente no Brasil e Argentina. Revista Extraprensa, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 114-123, dec. 2015. ISSN 2236-3467. Disponível em: . Acesso em: 30 apr. 2017.

SECOM – Secretaria Especial de Comunicação Social. Pesquisa Brasileira de Mídia: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em 30 junho 2017.

SEVCENKO, Nicolau. A corrida para o século XXI: no loop da montanha russa. Coordenação Laura de Mello e Souza, Lilia Moritz Schwarcz – São Paulo: Companhia das letras, 2001.

SOSTER, D. de A. Modelo para análise do jornalismo midiatizado. In: Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma. SOSTER, D. de A. e SILVA, F. F. (org.). Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2009, p. 120-140.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v17i1.236816

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil