Fãs, representação e ativismo: shipping de casais homoafetivos na teledramaturgia da Rede Globo

Cecília Almeida Rodrigues Lima, Gêsa Karla Cavalcanti

Resumo


Este artigo analisa a atividade de fãs shippers de três casais lésbicos que tiveram destaque em produções recentes da Rede Globo: Clarina, de Em Família; Marise, de Felizes para sempre? e Limantha, de Malhação – Viva a diferença, com a finalidade de sistematizar as práticas dessas comunidades que podem ser consideradas como ativismo de fãs, em ações para defender a importância de representatividade LGBTQ na televisão. Com foco no Twitter, a pesquisa utilizou procedimentos metodológicos da Teoria Fundamentada e da Netnografia para processar uma base de dados de 55.906 tweets. Os resultados demonstram que os fãs em questão possuem conhecimento das ferramentas que utilizam e que as características específicas da telenovela brasileira funcionam como catalisadores de sua ação coletiva, diante de uma constante ameaça de censura e boicote por parte de setores mais conservadores da sociedade.


Palavras-chave


Ativismo de fãs; Telenovela; Shipping; Representação LGBTQ; Transmidiação

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Adriana; SOUZA, Rosana Vieira; MONTEIRO, Camila. “De westeros no #vemprarua à shippagem do beijo gay na TV brasileira”. Ativismo de fãs: conceitos, resistências e práticas na cultura digital. Galaxia (São Paulo, Online), n. 29, p. 141-154, jun. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542015120250

BALOGH, Anna Maria. O discurso ficcional na TV. Sedução e sonho em doses homeopáticas. São Paulo: Edusp, 2001.

______. Benedito Ruy Barbosa: Intertextualidade e recepção. Novos Olhares, São Paulo, n 1, 1998. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2018.

BAYM, Nancy K. Tune in, log on. Soaps, fandom and online community. Thousand Oaks: Sage Publications, 2000.

BENNET, Lucy. Fan activism for social mobilization: A critical review of the literature. Transformative Works and Cultures, v. 10, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2018.

BOOTH, Paul. Digital Fandom. New Media Studies. Nova York: Peter Lang, 2010.

BROUGH, Melissa; SHRESTOVA, Sangita. Fandom meets activism: Rethinking civic and political participation. Transformative Works and Cultures. V. 10, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2018.

CAVALCANTI, Gêsa Karla Maia. Televisão e Redes Sociais: Configurações De Tv Social Em Malhação. 187 f. Dissertação (Mestrado). 2016. Recife: Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, 2016.

EARL, Jennifer; KIMPORT, Katrina. Movement Societies and Digital Protest: Fan Activism and Other Nonpolitical Protest Online. Sociological Theory, v. 27, p. 220–43, 2009.

FECHINE, Yvana; MOREIRA, Diego; COSTA, Marcela; LIMA, Cecília; ESTEVÃO, Flávia. Como pensar os conteúdos transmídia na teledramaturgia brasileira? Uma proposta de abordagem a partir das telenovelas da Globo. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de (org.). Estratégias de Transmidiação na Ficção Televisiva Brasileira. Porto Alegre: Sulina, 2013. p. 19-60.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

HARRINGTON, C. L.; BIELBY, D. D. Soap fans. Pursuing pleasure and making meaning in everyday life. Filadélfia: Temple University Press, 1995.

HILLS, Matt. Fan Cultures. Nova York: Routledge, 2002.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

______. Fans, bloggers and gamers: exploring participatory culture. New York: New York University Press, 2006

______. Textual Poachers: television fans and participatory culture. New York: Routledge, 1992.

JENKINS, Henry; CLINTON, Katie; PURUSHOTMA, Ravi; ROBISON, Alice; WEIGEL, Margaret. Confronting the challenges of participatory culture. Media education for the 21st Century. Chicago, IL: John D. and Catherine MacArthur Foundation, 2009.

JOHNSON, Derek. Fan-Tagonism. Factions, Institutions and Constitutive Hegemonies of Fandom. In: GRAY, Jonathan; SANVDOSS, Cornell; HARRINGTON, C. Lee. Fandom. Identities and communities in a mediated world. Nova York: New York University Press, 2007.

KOZINETS, Robert V. Netnography. Doing Ethnographic Research Online. Londres: SAGE, 2010.

LIMA, Cecília. Telenovela transmídia na Rede Globo: o papel das controvérsias. 2018. Tese (Doutorado em comunicação) – Centro de Artes e Comunicação, UFPE, Recife, 2018.

LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Telenovela brasileira: uma narrativa sobre a nação. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 26, p. 17-34, apr. 2003. ISSN 2316-9125. Disponível em: . Acesso em: 13 feb. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i26p17-34.

LOTZ, Amanda. The television will be revolutionized. Nova York/Londres: New York University Press, 2007

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia da Televisão. São Paulo: Perspectiva, 2012.

PROULX, Mike; SHEPATIN, Stacey. Social TV: how marketers can reach and engage audiences by connecting television to the web, social media and mobile. New Jersey: John Wiley & sons, 2012.

RONSINI, Veneza; BRIGNOL, Liliane; STORCH, Laura; MARQUES, Camila; FOLETTO, Laura Roratto; CORRÊA, Luiza Betat. Ativismo de fãs e disputas de sentidos de gênero nas interações da audiência de Em Família nas redes sociais. In: LOPES, Maria Immacolata Vassalo de. Por uma teoria de fãs da ficção televisiva brasileira. Porto Alegre: Sulina, 2015.

SANDVOSS, Cornel. Quando estrutura e agência se encontram: os fãs e o poder. Ciberlegenda, n. 28. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2013.

VAN ZOONEN, Liesbet. Imagining the Fan Democracy. European Journal of Communication, n 19, p. 39–52. 2004.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v16i1.237466

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil