O problema da dimensão privada das instituições em meio ao consumo colaborativo.

André Vouga

Resumo


O consumo colaborativo tem exibido crescente importância no contexto das práticas econômicas vigentes e um dos aspectos mais relevantes na sua análise aparece em seus vínculos com a chamada economia da confiança. Este artigo propõe uma crítica de alguns dos cânones da discussão sobre a construção da confiança a partir da revisão teórica do percurso de sua percepção no contexto de pensamento liberal, buscando uma ruptura com a naturalização corrente de supostas motivações individualistas de fundo em sua articulação. Através da observação das discussões provocadas pelo aplicativo de transporte UBER, pretende-se indicar como essa naturalização funciona como sistema retórico no processo de consolidação de poderes ligados à criação de sistemas institucionais relacionados às suas funções de mediação.

Palavras-chave


Consumo colaborativo; economia da confiança; mediação.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua. Editora da UFMG, Belo Horizonte, 2002.

AXELROD, Robert. The Evolution of Cooperation. Basic Books, New York, 1984

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Edições 70, Lisboa, 1991.

BAUDRILLARD, Jean. Para uma crítica da economia política do signo. Edições 70, Lisboa, 1995.

BOURDIEU, Pierre. A produção da crença - Contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Zouk, São Paulo, 2003.

BOURDIEU, Pierre. O Campo Econômico: A Dimensão Simbólica da Dominação. Papirus, Campinas, 2000.

CAMPBELL, Colin. Ética Romântica E O Espirito Do Consumismo Moderno. Rocco, Rio de Janeiro, 2001.

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos. UFRJ, Rio de Janeiro, 1999.

DOUGLAS, M & ISHERWOOD, B. O Mundo dos Bens: para uma Antropologia do Consumo. UFRJ, Rio de Janeiro, 2004.

ELIAS, Norbert. A Sociedade Dos Indivíduos. Zahar, Rio de Janeiro, 1994.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo, Studio Nobel, 1995.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Forense, Rio de Janeiro, 1995.

GAMBETTA, Diego. Trust: Making and Breaking Cooperative Relations. Publicado em: Trust: Making and Breaking Cooperative Relations. University of Oxford, London, 200

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Zahar, Rio de Janeiro, 1978.

GIDDENS, Anthony. As Conseqüências da Modernidade. UNESP, São Paulo, 1991.

GRANOVETTER, Mark. Economic Action and Social Structure: The Problem of Embeddedness. Publicado em: The Sociology of Economic Life. Westview, Boulder, 2001.

LESSIG, Lawrence. Code and Other Laws of Cyberspace. Basic Books, New York, 1999

LUHMANN, N.. Familiarity, Confidence, Trust: Problems and Alternatives. Publicado em: Trust: Making and Breaking Cooperative Relations. University of Oxford, London, 2000.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Publicado em: Sociologia e Antropologia, vol. 2. EPU, São Paulo, 1974.

MCCRAKEN, Grant. Cultura e Consumo. Mauad, Rio de Janeiro, 2003.

MILLER, Daniel. Teoria das Compras: o que orienta as escolhas dos consumidores. Nobel, ?, 2002.

MORAIS, R. www. sabotagem: pirataria ou resistência?. Anais do XXVII INTERCOM, Rio de Janeiro, 8/2005.

NÃO ASSINADO. Greyball, how Uber used secret software to dodge the law. Dísponível em https://www. theguardian. com/technology/2017/mar/03/uber-secret-program-greyball-resignation-ed-baker. Acesso em 05/02/18

NÃO ASSINADO. Justiça do Reino Unido decide que motoristas são empregados do Uber. Dísponível em http://g1. globo. com/tecnologia/noticia/2016/10/justica-do-reino-unido-decide-que-motoristas-sao-empregados-do-uber. html. Acesso em 06/02/2018

NÃO ASSINADO. Motorista de Uber é funcionário? O que a Justiça brasileira tem decidido. Nexo Jornal. Dísponível em https://www. nexojornal. com. br/expresso/2017/06/08/Motorista-de-Uber-%C3%A9-funcion%C3%A1rio-O-que-a-Justi%C3%A7a-brasileira-tem-decidido. Acesso em 08/06/2017

NÃO ASSINADO. Presidente-executivo da Uber vem ao Brasil antes de Senado votar regras para aplicativos. Dísponível em https://noticias. bol. uol. com. br/ultimas-noticias/tecnologia/2017/10/27/presidente-executivo-da-uber-vem-ao-brasil-antes-de-senado-votar-regras-para-aplicativos. htm. Acesso em 09/02/2018

NÃO ASSINADO. União Europeia decide que Uber é um serviço de transporte e pode ser regulamentado. Dísponível em https://oglobo. globo. com/economia/uniao-europeia-decide-que-uber-um-servico-de-transporte-pode-ser-regulamentado-22214083. Acesso em 23/09/2017 POLANYI, Karl. The Economy as Instituted Process. Publicado em: The Sociology of Economic Life. Westview, Boulder, 2001.

QUÉRÉ, L.. Les « dispositifs de confiance » dans l'espace public. Le cas des médias. Anais da XIV COMPÓS, Niterói, 2005.

REIS, Vivian. Justiça de SP determina que Uber pague indenização trabalhista a motorista. Disponível em: https://g1. globo. com/sao-paulo/noticia/justica-de-sp-determina-que-uber-pague-indenizacao-trabalhista-a-motorista. ghtml, acessado em: 15/4/2017

RIFKIN, Jeremy. A Era do Acesso. Makron, São Paulo, 2001.

SAHLINS, Marshall. Cultura e Razão Prática. Zahar, Rio de Janeiro, 1979.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa. Abril Cultural, São Paulo, ?.

WEBER, Max. História Econômica Geral. Mestre Jou, São Paulo, 1968.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v16i1.237664

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil