Notas para um pensamento por imagem: do discurso visual à imagem como queda

Anelise Angeli De Carli, Ana Taís Martins Portanova Barros

Resumo


No presente artigo, apresentamos uma reflexão sobre a noção de imagem a partir da fotografia que ficou conhecida como The Falling Man, feita durante o atentado de 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque. Essa discussão toma o sistema do imaginário antropológico como uma perspectiva embasadora dos questionamentos acerca da existência de um pensamento por imagem. O texto inicia explorando o alcance da perspectiva do discurso visual e os limites de se tomar a imagem como argumento e chega a apontar para a necessidade de adicionar elementos da teoria da imagem à discussão no caso de fotografias que venham a se tornam elas mesmas um acontecimento.


Palavras-chave


imagem; imaginário; imaginação simbólica; fotografia;

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Ninfas. São Paulo: Hedra, 2012.

ALLOA, Emmanuel. Introdução: Entre a transparência e a opacidade – o que a imagem dá a pensar. In: ALLOA, Emmanuel (Org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, p. 7-19, 2015.

BACHELARD, G. A água e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BARROS, Ana Taís Martins Portanova. O imaginário e a hipostasia da Comunicação. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 10, p. 13-29, 2013.

BARROS, Ana Taís Martins Portanova. A fotografia como narrativa mítica. In: XXXVIII Encontro Anual da Compós, 2015, Rio de Janeiro. Anais... São Paulo: UFRJ, 2015.

BARROS, Ana Taís Martins Portanova; WUNENBURGER, Jean-Jacques. A fotografia como catalisador simbólico – Notas para uma hermenêutica da fantástica em imagens técnicas. Intercom – RBCC, São Paulo, v.38, n.2, p. 39-59, 2015.

BARROS, Ana Taís Martins Portanova. Imaginário: da desvalorização estéril à heurística fértil. In: ROSÁRIO, Nísia Martins; SILVA, Alexandre Rocha (Orgs.). Pesquisa, Comunicação, Informação. Porto Alegre: Sulina, 2016, p. 1-23.

BARROS, Ana Taís Martins Portanova. Imagens do passado e do futuro: o papel da fotografia entre memória e projeção. Matrizes, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 1-16, 2017.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BENETTI, Marcia. O jornalismo como gênero discursivo. Galáxia, São Paulo, n. 15, p. 13-28, 2008.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Volume I. Petrópolis: Vozes, 1986.

CHARAUDEAU, Patrick. A televisão e o 11 de setembro: alguns efeitos do imaginário. Logos, Rio de Janeiro, v. 13, n. 24, p. 1-10, 2006.

CHARAUDEAU, Patrick. Informação, emoção e imaginários a propósito do 11 de setembro de 2001. In: DAYAN, Daniel (org.). O terror espetáculo: terrorismo e televisão. Lisboa: Edições 70, p. 71-86, 2009.

DEBRAY, R. Vida e morte da imagem. Petrópolis: Vozes, 1993.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 2010.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

DUARTE, Eduardo; SEVERIEN, Pedor. A insustentável leveza do deixar de ser. In: ARAUJO, Denize; BARROS, Ana Taís M. P.; CONTRERA, Malena Contrera; ROCHA, Rose de Melo (Eds.). Imag(em)inário. Porto Alegre: Imaginalis/Página 42, p. 207-225, 2018.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 2012.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Edições 70, 1995.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

DURAND, Gilbert. O imaginário. Rio de Janeiro: Difel, 1998.

MACHADO, Arlindo. A ilusão especular. São Paulo: Gustavo Gili, 2015.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1990.

PICADO, José Benjamim. Do problema do iconismo à ecologia da representação pictórica: indicações metodológicas para a análise do discurso visual. Contracampo, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 199-220, 2003.

PICADO, José Benjamim. Da iconicidade à plasticidade gráfica do instantâneo: o mistério do testemunho fotográfico da ação. Fronteiras - estudos midiáticos, São Leopoldo, v. 8, n. 2, p. 160-170, 2006.

PICADO, José Benjamim. Do instante ao estado de coisas: formas de estabilidade no discurso visual do fotojornalismo. Significação, n. 31, p. 129-146, 2009.

RANCIÈRE, J. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SANTOS, Ana Carolina Lima. Realidade e representação: o discurso visual no fotojornalismo. Mediação, Belo Horizonte, v. 9, n. 9, p. 115-128, 2009.

TORRANO, Jaa. O mundo como função de musas. In: HESÍODO. Teogonia. São Paulo: Iluminuras, p. 11-97, 2011.

VIDAL, Bertrand. Orgias midiáticas e morte ao vivo: o evento-catástrofe no inconsciente visual coletivo. Logos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 41-53, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v16i2.238039

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil